Avançar para o conteúdo principal

As maiores bilheterias cinematográficas de 2017 e o que esperar em 2018

Nos últimos anos, a indústria de Hollywood vem enfrentando críticas sobre o sexismo não só em seus filmes como também nos bastidores de suas produções cinematográficas. Isso se deve a anos de exploração do argumento "filmes protagonizados por mulheres não dão dinheiro" e durante muito tempo, de fato se acreditou nisso devido ao fracasso de bilheteria de longas como Mulher Gato e Elektra

Entretando, esse argumento passou a não se sustentar mais em 2017, o que reacendeu o debate sobre o protagonismo feminino nos filmes de maior arrecadação do ano: nos Estados Unidos, os três longa-metragens campeões de bilheteria têm mulheres no foco de suas narrativas. São eles: Star Wars: Os Últimos Jedi, que faturou US$ 533 milhões; A Bela e a Fera, arrecadando US$ 504 milhões; seguidos por Mulher-Maravilha, que fez US$ 412,6 milhões no último ano. 

As campeãs de bilheteria de 2017: Bella, Diana e Rey.

Os dados, divulgados por uma reportagem do jornal The New York Times, ainda acrescentam que a comédia americana com maior bilheteria foi Viagem das Garotas, protagonizada por pelo quarteto de comediantes Regina Hall, Queen Latifah, Jada Pinkett Smith e Tiffany Haddish (todas mulheres negras), que arrecadou mais de US$ 115 milhões. O filme mais bem sucedido com um lançamento reduzido também foi feminino: Lady Bird: É Hora de Voar, concorrente forte em várias premiações desse ano.

O que isso de fato significa? Significa uma mudança no paradigma masculino branco e heterossexual de Hollywood. Filmes como Guardiões da Galáxia 2, Piratas do Caribe e Homem-Aranha: De volta ao lar figuram na lista de maiores bilheterias, mas passaram longe das três primeiras colocações no que diz respeito à críticas positivas e número de discussões relevantes sobre diversidade. Diversidade essa que também ajudou a alavancar filmes como Get Out e The Shape of Water, cujos protagonistas não se encaixam no padrão de cor e corpo em Hollywood. O primeiro é protagonizado por um jovem negro e o segundo conta a história de uma mulher de meia idade com deficiência, ambos aclamados por público e críticos.

Get Out, Lady Bird e The Shape of Water: aclamados por público e crítica.

Não se trata de somente incluir mulheres, negros e estrangeiros no elenco numa tentativa de fazer sucesso. Trata-se de construir personagens com profundidade de personalidade e complexidade suficiente para alavancar a história. Exemplos de fracasso relativo como Justice League, protagonizado por Ben Affleck; The Mummy, com Tom Cruise; Pirates of the Caribbean: Dead Men Tell No Tales, estrelado pelo abusador de mulheres Johnny Depp como o Capitão Jack Sparrow; Baywatch, cujo elenco conta com Dwayne Johnson e Zac Efron; e Alien: Covenant, dirigido por Ridley Scott, só servem para deixar ainda mais claro que não se trata de encher o filme com efeitos especiais estrondosos ou de explorar a sexualidade das mulheres quando se tem um roteiro raso e cheio de problemas.

O público que consome cinema mundo afora desenvolveu um pensamento crítico que se recusa a aceitar filmes que degradem minorias e perpetuem estereótipos. E é essa a lição que os filmes em 2018 tem de aprender. Grandes bilheterias e sucessos de crítica podem surgir ainda no começo do ano com os lançamentos de Pantera Negra (apenas o segundo herói negro da Marvel a ter um filme solo, depois de Blade, protagonizado por Wesley Snipes nos anos 90 e 00), Pacific Rim: A Revolta, estrelado por John Boyega (o Finn de Star Wars) e Tomb Raider, que marca a volta da heroína de videogames Lara Croft aos cinemas, desta vez com a atriz vencedora do Oscar Alicia Vikander como protagonista. 

Candidatos a filmes de sucesso em 2018: um herói negro e africano, um grupo de mulheres, heróis diversos e robôs e humanos lutanto para salvar a Terra.

O decorrer de 2018 ainda pode surpreender com Uma Dobra no Tempo, dirigido por Ava DuVernay e cujo elenco majoritariamente negro e feminino conta com Oprah Winfrey, Mindy Kaling, Gugu Mbatha-Raw e Storm Reid no centro da história. Outra surpresa ainda pode vir de Ocean's 8, o remake 100% feminino da franquia 11 Homens e um Segredo, cujo novo elenco é liderado por Sandra Bullock, Cate Blanchett e Rihanna. Vingadores: Guerra Infinita também deve apresentar um bom desempenho em bilheterias considerando a junção de diversos heróis do universo cinematográfico da Marvel, contribuindo para uma maior diversidade de personagens e narrativas.

Indo na contramão dessas mudanças de paradigma estão Animais Fantásticos e Onde Habitam 2: Os Crimes de Grindewald, cuja produção insistiu em manter o predador sexual Johnny Depp no papel do maior antagonista da franquia e Solo: Uma História Star Wars, cujas notícias iniciais descreviam um elenco diverso e com destaque a personagens negros, entretanto, nos primeiros materiais de divulgação, todo o destaque é dado aos personagens caucasianos. É possível e quase provável que esses dois filmes se tornem grandes arrecadadores de bilheteria, entretanto, escapar de críticas com relação a esses pontos negativos será impossível.

O que resta é aguardar para ver se, de fato, os longas de 2018 irão seguir nos passos dos sucessos de 2017 e contribuir para que mulheres, negros, deficientes e estrangeiros se sintam mais representados no cinema.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: