Avançar para o conteúdo principal

Joss Whedon e as mulheres demonizadas e estereotipadas

O título desse post parece pesado? Pois pode acreditar, é esse o intuito. Antes de começar a crítica, vamos situar o leitor: no meio dessa semana, lá pelo dia 29/03, muitos sites especializados na cobertura do mundo nerd davam como certo que Joss Whedon teria sido contratado pela Warner/DC para escrever e dirigir um filme solo da Batgirl. Enquanto muitos celebravam, outras como eu arregaçavam as mangas para expor o que de fato significa essa contratação em termos de personagens femininas demonizadas e reduzidas a esterótipos.


A história de Barbara Gordon já foi contada nos quadrinhos muitas vezes e apesar de algumas aparições desastrosas em filmes, ela ainda segue sendo uma das personagens mais queridas do universo da DC e caso seu filme se concretize de fato, será mais do que merecido. Mas afinal de contas, qual é o problema de ter o Joss Whedon como diretor? O cara não foi o criador da Buffy, a maior caçadora de vampiros que você respeita? Não foi ele quem fez os filmes de Os Vingadores, dois super sucessos de bilheteria?

Eu explico: como mulher e fã de filmes e comics, é bacana demais ver um diretor famoso como o Joss advogar em prol da causa feminista em Hollywood. Mas seria mais legal ainda se, num filme onde a protagonista é uma mulher, a direção também ficasse a cargo de uma mulher. Você sabia que, em grande parte dos filmes com protagonistas femininas, os que são dirigidos por mulheres são mais bem recebidos pelo público e pela crítica do que os dirigidos por homens? É verdade! E a Warner/DC bem que poderia seguir o seu próprio exemplo com o filme da Mulher Maravilha, dirigido pela competente Patty Jenkins e com um time de excelentes produtoras e roteiristas.



Outros pontos que não podem ser ignorados: Joss Whedon criou Buffy sim. E também criou todas as linhas narrativas que remetiam a estupro e abuso contra a própria protagonista da série e contra as outras personagens. Problemático, não? E quando ele, na direção de Os Vingadores: A Era de Ultron, demonizou completamente a personagem da Viúva Negra quando a mesma se considerou um monstro tão destruidor e terrível por não ser capaz de ter filhos? E quando, no mesmo filme, reduziu o sucesso científico e empresarial das personagens Jane Foster (uma PhD em astrofísica) e Pepper Potts (CEO inconstestável das Indústrias Stark) a uma rusga entre Thor e Tony Stark? Ah, faça-me o favor!

Esses não casos isolados em Hollywood não, ok? A própria história de Barbara Gordon como Batgirl já se viu maculada pela manpain com o arco A Piada Mortal, no qual a personagem, depois de um affair sem sucesso com o Homem-Morcego, leva um tiro do Coringa e acapa estuprada pelo mesmo, tudo isso para forçar o Batman a agir contra o vilão. Caso os rumores se concretizem de fato e o filme solo da Batgirl chegue mesmo aos cinemas, minha esperança é que não tenhamos mulheres demonizadas e nem reduzidas a estereótipos. E muito menos usadas como escadas para o desenvolvimento dos personagens masculinos. Acho que isso não é pedir demais. E vocês? O que acham?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sweet Tooth #02

Estava bastante ansioso para saber o que sairia desta HQ no segundo episódio. A primeira edição foi boa, e poderia esperar tanto uma estagnação da história, como uma reviravolta. Felizmente, o melhor aconteceu.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.