Avançar para o conteúdo principal

DC Rebirth Agosto - Primeira Semana - Análises

A primeira semana de Agosto traz suas estreias com Arlequina e Esquadrão Suicida! Enquanto isso, a Liga da Justiça enfrenta uma ameaça mundial; o Superman e seu filho precisam acabar com o Erradicador; os Lanternas Verdes precisam detonar os Vermelhor e muito mais! Veja o que achamos de mais uma semana de lançamentos da DC Comics no Rebirth!


Aquaman #4 por Dan Abnett, Philippe Briones e Gabe Eltaeb.
Cuba: Em pé de guerra, Arthur continua preso pelos EUA para mostrar o quão grande é sua vontade de cooperação entre Atlântis e as nações terrestres. O roteiro de Abnett tem duas frentes, esse processo de entendimento que Aquaman quer realizar e a apresentação de N.E.M.O., a nova organização criminosa e, provavelmente, quem está atrás de tudo o que acontece para impedir os avanços do Rei dos Mares. Briones mantém uma arte de excelente qualidade, explorando as diferenças desenhando ação submarina.

Batman #4 por Tom King, David Finch, Sandra Hope & Matt Banning e Jordie Bellaire.
Cuba: Como uma boa história, essa edição de Batman é onde o enredo faz uma curva fenomenal e inesperada, King conseguiu introduzir seus novos heróis na cidade e já consegue inserir magistralmente a trama problemática. O Pirata Psíquico e Hugo Strange estão de volta a Gotham e, como esses nomes já sugerem, algo grande e caótico vem por aí. Por incrível e mais difícil que possa ser acreditar, os desenhos de Finch não incomodam muito nessa edição, da até pra sentir que ele tem se esforçado e baseado alguns detalhes de seus traços na arte de Greg Capullo.

Arqueiro Verde #4 por Benjamin Percy e Juan Ferreyra.
Cuba: Agora descobrindo a cara de seu inimigo, a dupla Oliver e Diggle vai atrás de seu interesse, desbancar o Ninth Circle. Percy começa esse primeiro arco da nova revista focando nas relações interpessoais das personagens, basicamente a trupe padrão já foi reintroduzida, com algumas ressalvas e mudanças de lado. A arte de Ferreyra se mantém firme com o título, mostrando movimentação e ângulos essenciais para o estilo de narrativa necessária para o Arqueiro e sua trupe.

Lanternas Verdes #4 por Sam Humphries, Ed Benes & vários artistas e Blond.
Cuba: O desenvolvimento da dupla bate seu ponto alto, Simon e Jessica conseguem se entender e uma nova amizade já começa a aflorar, mesmo que tenham pulado da panela para o fogo, do jeito que a revista se conclui. Apesar do roteiro conciso e agradável de Humphries - ainda deixando o Guardião de lado, sem revelar muita coisa - a arte dessa edição ficou, novamente, na mão de muita gente e, ao contrário da anterior, dessa vez os traços se confundiram um pouco, baixando a qualidade da arte.

Arlequina #1 por Amanda Conner & Jimmy Palmiotti, Chao Hardin e Alex Sinclair.
Cuba: Mesmo em sua quarta (ou quinta?) renumeração, Arlequina não mudou nem um pouco, inclusive, continua nas mãos de Conner e Palmiotti, que fazem sempre o mesmo tipo de história para a Palhaça do Arkham. Nesse retorno, ela e um personagem idêntico ao Deadpool - afinal, hoje em dia, a revista de ambos atinge o mesmo público - contra uma horda faminta de zumbias. É uma receita de sucesso para o público nerd/geek que só gosta disso. Tirando a arte, qualquer tipo de boa qualidade passa longe da revista.

Liga da Justiça #2 por Bryan Hitch, Tony S. Daniel, Sandu Florea e Tomeu Morey.
Cuba: Depois de tremores por todo o globo e uma invasão de seres estranhos do espaço, a Liga continua cuidando dos resultados da catástrofe e tentando compreender o que diabos está acontecendo, por enquanto sem a ajuda do Superman e, aparentemente, isso pode mudar. Hitch constrói um cenário rico, joga detalhes em cada um dos acontecimentos e traz mais informação que queremos, mas ainda não temos. Com uma bela arte de S. Daniel, a revista caminha para uma grandiosa saga, digna dos membros da Liga da Justiça.

Asa-Noturna #2 por Tim Seeley, Javier Fernández e Chris Sotomayor.
Alex: com uma pegada "espião" e "super herói" que Grayson tinha; a segunda edição tem uma sensação mais de nostalgia para os fãs da revista anterior de Dick. Javier Fernandez faz uma revista muito bonita, com traços bem feitos e uma sensação de movimento de ponta. A história é divertida o bastante para nos fazer continuar lendo, mas não é um cenário muito diferente daquilo que acontecia em Grayson.

Esquadrão Suicida: Rebirth #1 por Rob Williams, Philip Tan, Jonathan Glapion & outros e Alex Sinclair.
Ricardo Syozi: Nada muito interessante aqui. Apenas um reencontro de Rick Flag com o leitor para criar um Esquadrão mais próximo dos cinemas. A narrativa não empolga, mas possui momentos bem interessantes como a conversa entre Waller e o presidente Obama logo no início. No mais, eu gosto da equipe como os vilões que são, pois estava com medo que a DC fosse seguir a ideia do filme, com os personagens mais "bonzinhos". Felizmente, nestas páginas eles são bem representados. 

Superman #4 por Peter G. Tomasi & Patrick Gleason, Mick Gray e John Kalisz.
Cuba: Tomasi e Gleason sempre conseguem mexer com o sentimental do leitor e, em mais uma edição, eles conseguem fazer isso muito bem, reunindo a história de Krypton e a Terra de Superman. A ameaça do Erradicador ainda precisa ser enfrentada e Superman tem um plano pra isso. Enquanto a arte de Gleason é simples, mas muito bem trabalhada em luz e sombra, ela também tem parte importante na narração dessa história, dando uma fluidez extra as ações da revista.

Análises escritas por Kyo Syozi, Rodrigo Castello e Alex Jacket. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: