Avançar para o conteúdo principal

Crise Comics na Brasil Game Show 2016

No começo deste mês de setembro tivemos outra edição do evento Brasil Game Show, fomos lá dar uma conferida e apesar dos jogos baseados em comics e quadrinhos estarem um pouco em baixa, encontramos alguns bem interessantes!


Agora na sua 6ª edição e num novo local (São Paulo Expo), A Brasil Game Show estava maior do que nunca, com estandes ainda maiores e diversas atividades e jogos para testar.  Os jogos de quadrinhos estavam pouco representados, com singelo Batman VR (que não pudemos testar por ser bem difícil para tal, era necessário participar de atividades do estande da Warner, para ganhar uma pulseira que poderia, ou não, ser sorteada para testar o tal jogo, nem nos demos ao trabalho :P), pelo menos havia uma lojinha oficial da DC <3, Naruto Online, um divertido MMO baseado no mundo do mangá/anime e Dragon Ball Xenoverse 2, jogo de luta baseado na série Dragon Ball muito divertido e customizável, pois podemos fundir vários personagens, criar o seu próprio e no melhor estilo de luta épico de Dragon Ball.


Ainda nos quadrinhos, uma grande surpresa nos atingiu lá, um jogo baseado num quadrinho brasileiro, para o povo que curte RPG e fantasia medieval deve conhecer uma “pequena” série chamada Holy Avenger! Isso mesmo, se lembram? E não é que o pessoal do Holy Avenger está criando um jogo baseado no universo dos seus quadrinhos, seguindo a história das HQs num estilo de sidescroll beat’em’up a lá Final Fight (aquele jogo do Haggar de arcade dos velhos tempos) onde você pode usar um dos 4 personagens principais (podendo trocar a qualquer momento enquanto joga sozinho), Sandro, Lisandra, Niele e Tork, cada um com habilidades específicas que ajudam de modo diferente a seguir em frente no jogo. Uma iniciativa bem divertida, o jogo estava lá com um estande temático bem interessante, ainda em fase Alpha o jogo foi aprovado no GreenLight da Steam, uma diversão nostálgica e interessante, ganhou nosso apoio!


Agora aos grandes lançamentos da feira, eram muitos como Horizon: Zero Dawn, Call of Duty Infinite Warfare, Gears of War 4, Re:Core, Dead Rising 4, Guitar Hero Live, For Honor, Bound, Gravity Rush 2, Final Fantasy XV, Resident Evil VII entre diversos outros. Vamos destacar alguns que jogamos e chamaram bem nossa atenção.


Começando com Horizon: Zero Dawn de Playstation 4, que para quem viu o anúncio na E3 de 2015 já imaginava o jogão que seria, um mundo vasto de florestas com dinossauros máquinas, um jogo cheio de ação, aventura e elementos de RPG, onde você como a garota Alloy desbrava esse mundo, a Demo que testamos era bem simples, mas dava um feeling bom das mecânicas, com diversos controles diferentes, radar com uma espécie de sonar, arco e diversos tipos de flecha, estilingue com explosivos e um ataque corpo-a-corpo com lança. Você consegue capturar animais e domesticá-los a fim de usá-los como montaria também. Foi um pequeno aperitivo do que o jogo pode oferecer. Graficamente um jogo lindo de se ver, tudo nele é muito bem polido, um deleite aos olhos.

Outro que estávamos ansiosos para testar foi Re:Core dos criadores de Metroid Prime junto do criador de Megaman Keiji Inafune, um jogo de ação e aventura em terceira pessoa onde você como Joule, uma cientista que ajudou a desenvolver a tecnologia dos robôs que utilizam “core” e por algum motivo foi congelada criogenicamente. Você acorda num mundo pós-apocalíptico desértico onde existem diversas máquinas com “Cores”, núcleos, você com sua arma de raios e seus parceiros robôs (que te ajudam das mais variadas formas) tenta descobrir o que aconteceu com o mundo como conhecia, diversas mecânicas com diferentes tipos de tiro (cores) para diferentes tipos de inimigos e puzzles criativos para resolver vai conhecendo mais sobre esse mundo. Um jogo bem rápido e dinâmico, um vislumbre para os olhos e muitos efeitos especiais.


E por último uma das melhores experiências que tivemos na feira, o jogo For Honor, onde você escolhe ser um Viking, um Templário ou um Samurai num campo de batalha tentando dominar territórios e enfrentar seus inimigos no melhor estilo medieval. Com mecânicas incríveis de combate corpo-a-corpo, jogamos um multiplayer de 8 jogadores brigando por territórios numa grande matança. A mecânica se resume bastante na sua guarda, para direita, esquerda ou para cima, com ela você pode prever o ataque de seu inimigo para defender caso utilize a mesma direção dele ou para ataca-lo com ataques rápidos ou golpes mais pesados e fortes. Um show para quem gosta de época medieval e uma boa e velha batalha.


Uma das áreas que foi um grande upgrade desde a versão anterior do evento foi a Área Indie, onde muitos desenvolvedores brasileiros mostravam seus jogos e trabalhos, muitos divertidos, de ação, de luta, tudo do bom e do melhor, alguns que jogamos por lá e adoramos foram Trajes Fatais, Holo Drive, Tiny Little Bastards, Black Iris, Super Button Soccer, Eternity – The Last Unicorn, Eliosi’s Hunt e Aestium.

Voltando ao evento, ficamos impressionados com os diversos campeonatos que aconteceram por lá, de diversos games, sendo alguns Overwatch, Rainbow Six, Dota 2, Counter Strike: GO, Just Dance, Killer Instinct e outros. Muita torcida e um show e tanto. Também tiveram espaços grandiosos para Youtubers, para Streamers, jornalistas de games e até para Cosplayers, com palco, concurso, vestiários e fila própria para o evento.

Algumas das outras atividades por lá foram o Museu do Video-Game com diversos consoles, controles e jogos desde a criação do tele-jogo entre outros até os dias de hoje e também uma gigantesca área com Arcades e Fliperamas com jogos antigos, uma nostalgia sem tamanho. Grandes lojas como Saraiva, Piticas, Americanas, Razer, HyperX e Nvidia estava por lá com várias promoções e descontos interessantes.



Uma menção honrosa para um dos jogos mais lindos que já vimos vai para o jogo Bound, indie de Playstation 4 onde num mundo tridimensional você controla uma dançarina de Ballet que revisita suas memórias de infância, onde esse mundo dos sonhos se constrói e se desconstrói a sua volta, de forma linda, seus movimentos ditam a movimentação dos elementos do mundo, uma visão como nenhuma outra. Um jogo profundo, lindo e belo, difícil descrever a emoção que passa.

Como uma última menção, achamos interessante como um simples Card-game eletrônico, de dentro de outro jogo (que posteriormente se tornou um jogo independente), Gwent atraiu tanta atenção com um estante gigantesco e temático como uma taverna medieval e cosplayers internacionais (NadyaSonika e Ladee Danger), com muitas filas, atividades e muitas pessoas ansiosas para testá-lo.


Enfim, essa foi a Brasil Game Show 2016, muita coisa para ver e para fazer, muitos jogos novos para se ver, ainda sentimos falta de mais lançamentos que ficaram só para inglês ver como South Park e a Fenda que Abunda Força, Watch Dogs 2, The Last Guardian, a Nintendo em si, Kingdom Hearts III, mas quem sabe no ano que vem não teremos mais coisas? Esperamos que sim! De resto a feira foi agradável, apesar das filas (já de praxe), o novo espaço estava agradável e apesar de menos estandes gigantescos, havia muitos estandes pequenos com atividades diversas. Uma ótima experiência no geral.

Fotos cedidas por Cosplay Mages

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Sweet Tooth #02

Estava bastante ansioso para saber o que sairia desta HQ no segundo episódio. A primeira edição foi boa, e poderia esperar tanto uma estagnação da história, como uma reviravolta. Felizmente, o melhor aconteceu.