Avançar para o conteúdo principal

Esquadrão Suicida - Análise


Eles são vilões, porém devem salvar o mundo. Esta é a premissa pura e simples do mais novo longa-metragem da Warner no universo cinemático da DC Comics. Após uma boa quantidade de sensacionais trailers, o filme finalmente chegou aos cinemas. Esta análise é SPOILER FREE, ou seja, nada de contar pontos importantes da história. Mas será que o Esquadrão consegue ter um final feliz ou apenas comete suicídio?

David Ayer é o diretor da vez. O cara possui um currículo decente com títulos como Dia de Treinamento, Velozes e Furiosos e SWAT, muitos como roteirista, e a grande maioria cheios de ação. A sua escolha passou por saber como trabalhar em narrativas cheias de personagens diferentes como é o caso de Esquadrão Suicida. E por mais que o filme possua a sua cara, ele também possui fortemente a cara da Warner.

Temos um grupo de vilões que inclui o Pistoleiro (Will Smith), Arlequina (Margot Robbie), Capitão Bumerangue (Jai Courtney) e outros. Na liderança da equipe está Rick Flag, um soldado e líder americano que só está nessa por causa de sua amada doutora June Moon, a Magia. Eles são todos controlados por Amanda Waller (Viola Davis) e são obrigados a salvar o mundo, após a Magia (Cara Delevingne) decidir dominá-lo após perceber que não é mais uma deusa para os humanos.  Pronto. Essa é a narrativa inicial de um filme que podia ter sido muito melhor, mas que também diverte bem o público que pagou pelo ingresso.


Podemos dividir o longa em duas partes: a primeira metade é cheia de belas apresentações, uma trilha sonora impecável, uma interação e química bacanas entre os atores, cortes bem escolhidos e atuações interessantes. Ao chegar a sua metade, o filme se perde de uma forma curiosa, pois fica claro o dedo da Warner em tudo isso. A montagem se embaralha por completo, há uma forte sensação de que cenas foram retiradas de última hora, impedindo muitos personagens de se desenvolverem como poderiam e deveriam. Até mesmo a trilha sonora desaparece, ressurgindo apenas no clímax puramente piegas e entediante. A mudança entre as duas partes é tão drástica que mudei a minha feição como uma criança que deixa o seu sorvete cair no chão. Triste isso.


Uma das minhas principais preocupações previamente ao filme eram os atores Will Smith e Margot Robbie. Infelizmente, elas foram acertadas. Parece que apenas os dois personagens possuem falas durante as duas horas de história. Perdi as contas das vezes que eu pensava: "cala a boca, Pistoleiro". Mesmo assim, Viola Davis consegue aparecer bem como Amanda Waller, Jai Courtney é uma bela surpresa como Bumerangue, mas que podia ter se saído muito melhor. El Diablo possui apenas no fim uma participação satisfatória, que faz o personagem (e a excelente atuação de Hernandez) merecer a sua presença, enquanto que o Crocodilo e a Katana simplesmente estão lá para fazer número. Joel Kinnaman consegue oferecer uma atuação decente como Flag, mas nada muito empolgante, assim como nos quadrinhos.


Um dos sub-plots de Esquadrão Suicida é o relacionamento entre o Coringa e a Arlequina. Tudo é transmitido de forma que fica entre o bem trabalhado e o fútil. A atuação de Jared Leto como o grande psicopata é bacana, possui bem a cara do ator, e há bastante química entre ele e Margot, porém tudo fica muito exagerado, algo que me pareceu querer agradar apenas aqueles que conhecem bem o casal, mas que acaba deixando a narrativa mais lenta e menos interessante. Eu trocaria facilmente pelo menos duas dessas cenas por mais cenas com o Bumerangue ou com os outros.


As cenas de ação são bem legais, seguem o que já é esperado, mas podiam ser melhor exploradas. Apenas no clímax é que vemos melhor as habilidades (mal usadas durante toda a história) de cada personagem, algo que deixa a sensação de "too little too late". Deixando aquela sensação de que algo melhor podia ter saído daí, mas que foi cortado por algum executivo cabeçudo. O alívio cômico apresentado por Arlequina e Bumerangue funciona bem, nada que transforma o filme em uma comédia, mas que serve para dar aquela pitada que o filme precisa. A única coisa que realmente faltou foi uma representação mais completa dos vilões e de suas motivações, mesmo oferecendo muitas surpresas, faltou um pouco mais deles.


Esquadrão Suicida não é um lixo de filme, não é um filme sensacional, e também não é um filme esquecível. Ele é regular, o que é uma pena enorme, pois ele tinha muito potencial. A sua história é brega, mas assim são as histórias das HQs do grupo. A verdade é que mesmo com tantas referências a cultura pop e com belos momentos por parte de vários atores, o que atrapalhou o longa foi especialmente a sua edição estranha, que mais parece ter sido feita de última hora. Mesmo com tantos defeitos, o filme entretém, oferece ao público ação e piadinhas na medida certa, porém com muito mais Will Smith e Margot Robbie do que precisávamos.

Nota: 7/10

Escrito por Ricardo Syozi

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: