Avançar para o conteúdo principal

#DCYou Dezembro Parte II - Semanas 3, 4 e 5 - Análise completa


Finalmente! Terminamos as resenhas do ano de 2015; unindo as três últimas semanas de dezembro em uma única postagem. Com muitas revistas incríveis e alguns deslizes; a DC começa a mostrar o fim de algumas sagas e inicio de outras - continuando a Darkseid War, maior evento em anos dentro da revista Liga da Justiça. Vem ver!


Batgirl #48  por Cameron Stewart, Brenden Fletcher, Babs Tarr, Rob Haynes e Serge Lapointe. Dezembro 4
Cuba: A garota morcego entra em novo arco, agora protegendo Burnside das gangues de Gotham, continuação direta dos eventos que rolaram em Mulher Gato, antes dela voltar ao crime. Que a equipe criativa ama mangás e o Japão, todo mundo sabe, mas dessa vez até uma lenda japonesa foi adicionada a trama, o Mokugeki, que te faz escolher entre azul e vermelho, morte por sufocamento ou corte na garganta! Mas a história ainda vai se desenvolver, um possível novo vilão ainda pode aparecer.



Arlequina #23 por Amanda Conner & Jimmy Palmiotti, Chad Hardin e Alex Sinclair. Dezembro 3
Cuba: Bruce Timm fez uma variante excepcional do design original com o novo da personagem, digna de um poster. Arlequina pode não ser uma das melhores coisas já feitas pela DC, mas ela ganha seu público pelo verdadeiro non-sense, como por exemplo, receber a ameaça de uma vilã e acabar conversando sobre o preço abusivo do pedágio na cidade, esses pequenos momentos fazem a revista valer a pena. 


Liga da Justiça #46 por Geoff Johns e Francis Manapul. Dezembro 3
Cuba: Revistas com arte do Manapul são uma ópera para os olhos, além do novo estilo de colorização, usando tinta e uma pintura digital cheia de pontinhos, provavelmente lembrando os tempos em que Kirby publicava. A segunda parte artística consiste em Johns colocando Diana na posição de narradora, o que se desenrola magistralmente, tornando-a, até mesmo, a líder da Liga da Justiça. A Guerra contra Darkseid continua, agora com a caça ao Anti-Monitor. Cada um dos deuses novatos está numa batalha própria, enquanto todo o clímax se desenrola, colocando um fim no Ato 2 da saga.

Caçador de Marte #7 por Rob Williams, Ronan Cliquet, Marc Deering e Gabe Eltaeb. Dezembro 3
Cuba: Com uma virada extrema na história, os mundos estão em guerra! Depois de juntas, as partes de J’onn voltam a se separar e precisam resolver o que está acontecendo na ressuscitada Marte. O roteiro, que parecia ir em uma direção, toma um rumo diferente do que se pensou de início, Wiliams conseguiu desenvolver a nova origem do Marciano e agora vai começar a mostrar um pouco de ação.


Superman: Alien Americano #2 por Max Landis e Tommy Edwards Dezembro 3
Alex: Em relação à edição anterior, em que o maior problema era o traço esquisito, essa mostra uma impressionante melhora; com Tommy Edwards apostando em algo mais rabiscado e juvenil. Alien Americano continua a contar a história de Clark em sua infância, reapresentando personagens famosos para o herói. Esse Clark adolescente é muito divertido e mais humano do que vimos antes em outras histórias de origem do cara. A revista tem outro capítulo no meio; desenhado por Evan Shaner, que conta um pouco sobre o vindouro vilão: apocalipse!


Batman Europa #2 por Mateo Casali & Brian Azzarello, arte por Giuseppe Camuncoli Dezembro 3
Alex: A surpreendentemente linda arte de Giuseppe Camuncoli consegue entregar algo inesperado; mesmo para uma história que começou tão mal. Por mais maravilhosa que seja; o roteiro acerta em um ou outro detalhe, mas falha miseravelmente na plot principal da revista, que é boba e rasa - além de não fazer sentido algum. Eu vejo Batman Europa como uma oportunidade perdida de explorar algo que é prometido há anos.


Batman Europa #3 por Mateo Casalli & Brian Azzarello, Giuseppe Camuncoli e Diego Latorre. Dezembro 5
Cuba: Latorre traz uma arte digital alucinógena, pois enquanto Batman e Coringa se perdem no vírus que os afetam, ele consegue passar isso ao leitor com esse visual. Enquanto Batman ama o canto gótico de Paris, o Coringa se esbalda pela cidade inteira, mostrando seus pontos turísticos enquanto descreve a obscenidade de cada um. É incrível como Casalli e Azzarello moldaram a química entre os dois maiores inimigos da DC, formando uma dupla incrível.

Sexteto Secreto #9 por Gail Simone, Tom Derenick e Jason Wright. Dezembro 3
Cuba: Simone precisa fazer o boneco da Ventriloquista quebrar a 4ª parede pra explicar aos leitores o que está acontecendo, porque a confusão das últimas edições continua a atingir o Sexteto. Ajudando a despertar um mal antigo enquanto salvam Black Alice, o grupo continua sua jornada que mais parece um RPG de garagem mal mestrado, fazendo piada com tudo que se move.




Batman & Robin Eterno #11. História por Scott Snyder & James Tynion IV; roteiro por Ed Brisson; arte por Fernando Blanco, Christian Duce e John Rauch Dezembro 3
Alex: A edição vem para colocar alguns pingos nos is e explicar alguns conceitos que a revista vem trazendo. Claro, não falou quem é a/o "Mãe" e coisas do tipo - uma série semanal precisa enrolar - mas contou uma ou outra novidade da trama. Conhecemos mais também dessa nova Cassandra Cain; como ela treina e alguns de seus motivos. O capítulo é legal e entrega mais do que eu esperava, bastante conteúdo e história para a quantidade absurda de personagens dessa história - terminando com Dick entrando em uma viagem psíquica.

Batman & Robin Eterno #12. História por Scott Snyder & James Tynion IV; roteiro por Ed Brisson; arte por Javier Pina e Goran Sudžuka Dezembro 4
Alex: A viagem de Dick promete terror e confusão para a  cabeça do agente - ou, pelo menos, com quem ele está fazendo o link. A Mãe finalmente dá as caras; mostrando seu timbre de dominação e pânico psicológico. O twist sobre o que o Batman fez (ou não? Será que é verdade?) acrescenta muito a história, conseguindo construir mais espaço em torno de Dick quando era Robin - uma área pouco explorada nos últimos anos.


Batman & Robin Eterno #13. História por Scott Snyder & James Tynion IV; roteiro por James Tynion IV; arte por Marcio Takara Dezembro 5
Alex: Voltamos, aqui, o foco para Cassandra e seu banho de sangue. A memória de Cassandra é diferente do que vimos nas edições anteriores: a Mãe a acolheu. Suas intenções? Não sabemos, ainda. Será que há algum conflito de histórias aqui? A revista constrói esse momentum com diversos personagens - mas é infeliz notar que esse excesso acaba tornando a revista confusa, principalmente nesse vai e vem de revistas semanais. A fabulosa arte de Marcio Takara combina com o roteiro mais inocente de Tynion IV. Vemos, também, momentos de Cassandra com o Bruce; em sua época de Batgirl, talvez? Que saudades! É uma revista de leitura rápida, que trabalha mais a profundidade da vilã e a importância de Cassandra.

Canário Negro #6 por Brenden Fletcher e Annie Wu Dezembro 3
Alex: O desenho impactante de Annie Wu e a história sombria de Dinah entrega uma aura fantástica. A revista é tudo o que o fã da Canário pode querer. As lutas são visuais e impactantes; mas o roteiro de Fletcher fica em um vai e vem que enjoa um pouco. É, em geral, uma revista de nicho, que brinca com música e arte - e o público tem que estar preparado para essa salada punk-quadrinho.

Ciborgue #6 por David F Walker e Ivan Reis Dezembro 4
Alex: A briga-gigante monstruosa continua em uma introdução ao repaginado herói que já está durando seis edições. A revista tenta mostrar o lado de Victor que está mais robótico e menos humano - a maior característica do personagem hoje em dia. O Ciborgue agora é como uma máquina com vida; mais carnal - sem deixar os fios e cabos de lado. Como se seu corpo fosse uma tecnologia viva. A história termina aqui a introdução e promete engatar em algo novo que explore agora os horizontes do personagem.


Exterminador #13. História por Tony S. Daniel & James Bonny; roteiro por James Bonny; arte por Paolo Pantalena Dezembro 4
Alex: A procura de Slade por Rose continua firme e forte; mesmo depois de seu conflito com o Esquadrão. O maior mercenário não para até encontrar o que procura. A forte arte de Paolo define bem estilos e objetivos da revista; junto com um personagem que fala constantemente com o leitor. A revista é um show de traições e reviravoltas; mas a verdade ainda está escondida e ofuscada por corrupção e vilões - o maior mercenário da DC Comics é alvo de muita gente, e isso fica cada vez mais claro. Gostei da revista, ela está impressionantemente bem dirigida e roteirizada, com aquele gostinho viciante de uma boa caçada à verdade.

We Are Robin #7 por Lee Bermejo, Carmine di Giandomenico e Mat Lopes. Dezembro 3
Cuba: Parte 4 da Robin War. Agora sim essa saga parece uma homenagem ao Robin, quase um ode a Dick Grayson. Enquanto os Robins já sabem que o vilão é a Corte das Corujas, Gordon e Dick investigam quem está por trás de tudo. Bermejo finalmente encontra um ponto no roteiro que traz o interesse de volta a saga.

Robin – Son of Batman #7 por Patrick Gleason & Ray Fawkes, Scott McDaniel, Andy Owens e Chis Sotomayor. Dezembro 4
Cuba: Parte 5 da Robin War. Pra quem duvidava se o irmão de Bruce ainda estava vivo depois do final de Noite das Corujas, bem, aqui temos a resposta. Dick e Damian chegam até a Corte antes de todos os outros e Gordon ainda é a bucha de canhão. Gleason da uma descansada do roteiro e arte para dar espaço ao crossover, o que resulta numa queda de qualidade da revista.



Senhor Destino #7 por Paul Levitz & Sonny Liew, arte por Sonny Liew Dezembro 3
Alex: O conteúdo aqui é imenso, maravilhoso e hiper-projetado em uma escala deliciosa que Sonny Liew entrega com a arte; em um roteiro de ponta pelo mesmo e Levitz. Mesmo no meio do pânico e caos total; a história funciona e anima. A viagem é uma épica dentro da mitologia egípcia - o que combina com o Destino e dá um ar de novidade ao recentemente mal explorado universo mágico da editora. Khalid Nassour é fenomenal e essa edição termina emocionante e animadora. A equipe está de parabéns em todos os detalhes, entregando uma das melhores histórias mágicas que já li em anos.

Liga da Justiça #47 por Geoff Johns e Jason Fabok Dezembro 5
Alex: Iniciamos, aqui, o ato três da Guerra de Darkseid. Com planejamento épico, escalas exageradas e diálogos fortes; tudo começa a preparar para um grande final. Com os membros da liga do avesso - com exceção de Diana - a intriga e a lavagem de roupa suja está cada vez mais impactante. A história caminha para o fim - mostrando as caras de Lex como Moebius e alguns dos personagens que estavam por trás das cortinas. É animador e divertido; e quero muito ler o final da história. Fabok é fantástico nos traços, tal como Johns, entregando uma das melhores histórias da Liga em anos.

Liga da Justiça da America #7 por Bryan Hitch Dezembro 4
Alex: Depois da edição anterior tratar sobre o Marciano; Hitch volta a falar sobre Rao, a Liga e o mundo. Com o decorrer da edição, encontramos mais pistas sobre o que Rao realmente pode estar fazendo. O mundo clama por isso? Afinal, porque ele está tentando isolar a Liga? Enquanto ele fala seus planos mirabolantes de tentar ressurgir Krypton na terra; sua verdadeira face começa a ser mostrada. Hitch é muito bom em construir isso, e levantar diversas questões sociais em relação a Rao; criando uma situação fluída, profunda e bem trabalhada - junto com sua arte excepcional. Edição impressionante e recomendadíssima; com a qualidade de se esperar de um mestre das revistas coloridas.


Liga da Justiça 3001 #7 por Keith Giffens, J.M. DeMatteis, Chris Batista e Hi-fi. Dezembro 3
Cuba: Depois de todo o bafafá inicial e transfobia das primeiras edições, Liga 3001 se reformulou completamente, se livrando do problema de um jeito digno de Giffens. A revista é quase um feriado de toda a ação, um descanso para as personagens e a formação da nova Liga, composta só por mulheres! A vingança promete ser boa nas próximas edições, espero que Giffens e DeMatteis deem seu melhor dessa vez.

Aquaman #47 por Cullen Bunn, Vicente Cifuentes, John Dell & Don Ho & Mark Irwin e Guy Major. Dezembro 4
Cuba: Do nada a saga se passa antes de Batman #40, já que nessa edição toda a Liga aparece e o Batman ainda é o Bruce que, por acaso, doma um dragão (que?). Bunn prova que não havia planejamento algum enquanto escrevia, libertando uma personagem de um jeito que podia ter acontecido desde o primeiro segundo da história. Enquanto a Liga invade Thule, Arthur invade Atlantis.


Sinestro #18 por Cullen Bunn e Brad Walker/Neil Edwards Dezembro 3
Alex: Sinestro entrega o que prometeu desde o início: uma guerra intergaláctica de um fascista maluco (que conta com a ajuda do agora lanterna Adão Negro) contra uma terra que ele julga fraca e indefesa mas conta com a proteção dos maiores heróis da terra. Isso pareceu genérico? É, infelizmente, é porque é sim. É divertido, claro, mas Bunn não entrega algo novo. Diferente de edições anteriores; essa é só um monte de gente brigando no espaço. A leitura é quase que nauseante de rápida - mas não entrega algo de verdade. Admito que, o final traz uma reviravolta interessantíssima com os anéis caindo nas mãos dos heróis; mas ainda assim não é o bastante para tornar a edição boa. Talvez a próxima ele trabalhe mais nisso?

Superman Lois & Clark #3 por Dan Jurgens e Lee Weeks Dezembro 5
Alex: Chato, repetitivo, mal trabalhado e raso. Não sei explicar; mas acho Lois e Clark uma oportunidade jogada fora. Com roteiro previsível e acontecimentos irritantes; a revista é o mais do mesmo que todo mundo já viu com "vilão mal bobo" e "herói genérico". Por mais bem desenhado que seja, não vejo novidade na revista.




Arlequina e Poderosa #6 por Justin Gray & Amanda Conner & Jimmy Palmiotti e diversos artistas.
Cuba: Estraçalhando a quarta parede, a revista da dupla chega ao fim, com mais ilusões ridículas de Vartox e Kara tentando escapar de suas garras do amor. A revista vai embora do jeito que chegou, sem acrescentar nada, apenas uma proposta de humor que, mesmo com o final já certeiro desde o início, não surpreendeu em nada.
Superman/Mulher-Maravilha #24 por Peter J. Tomasi, Doug Mahnke e vários artistas. Dezembro 3
Cuba: Não importa a questão, eles são um casal maravilhoso, mesmo com suas limitações e instabilidades. A revista mostra que cada um deles consegue se virar muito bem sozinho, obrigado, mas a companhia é muito bem vinda e, as vezes, bem necessária. Tomasi termina a perseguição junto do Parasita, mas já liga a história a outras publicações da DC.

Superman/Mulher-Maravilha Anual #2 por diversas equipes criativasDezembro 5
Cuba: A capa de Paquette já vem destruindo, remetendo ao primeiro volume com o casal voador mas, ao fundo, o problema que eles enfrentam atualmente. A edição foca no relacionamento do casal, primeiro veijo, primeira transa, a intimidade toda. Até mesmo as brigas e os motivos para tudo isso chegar ao fim. Cada um dos roteiristas deu seu máximo alí e a revista até termina com um clima de conclusão, mas ainda teremos mais edições de S/WW.
Gotham a Meia Noite #12 por Ray Fawkes e Juan Ferreyra. Dezembro 4
Cuba: Uma das coisas que mais gosto nessa revista é a página de introdução a história, sempre com a divisão de 4 quadros, mostrando os acontecimentos passados de um jeito simples e sem necessidade alguma de balões. Com sua edição final, Fawkes fecha todas as pontas soltas e da a redenção ao Espectro da Vingança, colocando Gotham como uma cidade doente, mas que sempre confortará aqueles que forem injustiçados. Ferreyra faz uma arte tão grande quanto a luta de gigantes no meio das ruas, mostrando uma maestria na composição e cores.


Jovens Titãs #15 por Scott Lobdell & Will Pfeifer e vários artistas. Dezembro 4
Cuba: Tie-in da Robin War. A edição mistura a linha da Robin War com um novo arco dos Titãs. Ainda com o grupo dividido, o vilão da vez é o Dr. Pyg e, Lobdell e Pfeifer conseguem deixar a edição bem macabra, assim como seu novo inimigo que cresce das sombras e é bastante conhecido do super grupo. Sem adicionar muita coisa a Robin War, a revista apenas abre a porta para uma nova história.

The Flash #47 por Robert Venditti & Van Jensen, Brett Booth, Norm Rapmund e Andrew Dalhouse & Jeromy Cox. Dezembro 5
Cuba: A saga de Thawne chega ao fim, todos felizes e muito, mas muito texto. A qualidade da revista ainda é muito baixa, Venditti e Jensen tem de explicar tudo o que está acontecendo, Booth não casa a ilustração com o texto, tornando tudo muito redundante.
Mulher Maravilha #47 por Meredith Finch, Miguel Mendonça, Dexter Vines e Beth Sotelo. Dezembro 5
Cuba: Parece que Meredith Finch pegou um episódio da série da Mulher Maravilha com Linda Carter e fez seu roteiro em cima. Assim como o desenho de Mendonça, que é uma alegria imensa em comparação com o de David Finch, mas que peca no movimento, colocando as personagens em situações bem estranhas com suas poses. Uma edição de transição entre histórias, mostrando uma invasão de Cheetah a Ilha Paraíso e alguns detalhes das últimas decisões de Diana.


Titans Hunt #3 por Dan Abnett, Paulo Siqueira & Geraldo Borges & Jackson Herbert e Hi-fi. Dezembro 4
Cuba: Com a beleza do clichê vamos-nos-bater-e-depois-conversar, Dick, Gart e Donna se reúnem, enquanto outros membros dos esquecidos Titãs começam a seguir um mesmo rumo. Por trás de tudo e ainda bem escondido, o inimigo começa a se mostrar e até novos aliados podem chegar na história. Abnett revive um pouco dos anos 70/80, com um roteiro que deixaria George Perez orgulhoso, juntamente da arte, que consegue referenciar alguns painéis que eram a cara dos quadrinhos antigos

Superman #47 por Gene Luen Yang e Howard Porter, Raymund Bermudez e Tom Derenick. Dezembro 4
Alex: Com sacadas interessantes em uma continuação direta da edição anterior; Clark nunca se
questionou tanto quanto agora. Se ele estava contente por ser mais humano anteriormente; agora ele vê o preço que o poder deu. Grandes inimigos. Seus amigos de longa data começam a se ferir - e Clark se culpa por isso. A história iniciada em superman 41 termina aqui - com um posfácio com Savage que acontecerá na anual. Com altos e baixos, Gene Luen Yang pode não ter conseguido entregar o melhor super homem dos últimos dias; mas ele nunca esteve tão vivo e emocional. A arte de Howard Porter ajuda nisso também - dando cores e alma para o que acontece.

Superman Anual #3. Roteiro por Greg Pak, Gene Luen Yang, Peter J. Tomasi e Aaron Huder. Arte por Dan Jurgens, Rafa Sandoval e Ben Oliver Dezembro 5
Alex: Com adição de roteiristas; Superman Anual #3 é um posfácio do que aconteceu no 47, mas não necessariamente uma continuação. A história conta um pouco do passado de Savage antes de entrar na trama contra o Homem de Aço. A revista é legal por este vai e vem; mas não deixa de acrescentar pouco a trama. É boa para quem não conhecia muito bem o Vandal Savage. A arte da revista é por mais de um desenhista, em um ir e vir de Vandal e Super - mas é tudo bem desenhado, com um tom mais sóbrio e escuro que a revista regular do Super. A revista volta a firmar o herói social que o Super é e sempre foi; principalmente agora nesse novo momento. A história continuará na Action Comics 48.

The Omega Men #7 por Tom King e Barnaby Bagenda Dezembro 4
Alex: É lindo e poético - sem deixar o seu lado espacial esquecido. Omega Men é uma gema polida e fantástica, com uma leitura prazerosa e painéis simples - porém magníficos. A vitória da Cidadela está impactando a vida de Kyle e Kalista. A revista aposta na vida e no aspecto suburbano da atual vida do "casal"; em um capítulo que acrescenta pouco para aprofundar mais no ambiente. A intriga e a constante traição é o charme da revista que te deixa sem saber o que esperar a cada página. As respostas estão vindo - em uma das melhores construções de clímax que a DC já teve.


Análises feita por Rodrigo "Cuba" Castello; autor da coluna Primeira Edição & Alex Jacket; autor da coluna O Limite

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: