Avançar para o conteúdo principal

Dark Knight III: The Master Race #2 - Análise


Uma das revistas que mais fizeram sucesso nos EUA em 2015 fora Cavaleiro das Trevas III - e não foi por pouco. Em um retorno triunfal; a revista apresentou qualidade, roteiro e arte além do esperado. Conseguindo conquistar até os fãs céticos após o polêmico Cavaleiro das Trevas 2; o Master Race continua com muitos mistérios e segredos nessa terra toda diferente. Venha ver o que achamos do segundo capítulo!


Fizemos; há alguns meses atrás, a resenha do fantástico primeiro capítulo de Cavaleiro das Trevas III - The Master Race. Será que Miller e Azzarello conseguiram manter a qualidade no capítulo que veio logo na sequência? Prometendo muito; vejamos o que a revista realmente entrega.

Dark Knight III: The Master Race #2 por Frank Miller & Brian Azzarello; com arte de Andy Kubert

Alex: A arte está impactante, o letramento está forte e tudo é sombrio e tenso. Kubert está entregando tudo o que a arte de Cavaleiro das Trevas sempre quis ser. O melhor de tudo? Miller e Azzarello conseguem focar em um roteiro que segue a qualidade das imagens.

O segundo capítulo é, principalmente, sobre a solidão e o medo da morte. Sobre a despedida. Tudo o que está envolvido nessas páginas escorre rancor e melancolia - da forma mais positiva possível. A história anda lenta, porém. Isso não é algo negativo; mas talvez para uma minissérie eu esperava acontecimentos mais rápidos.

É importante notar, também, que o "Dark Knight Universe Apresenta: O Átomo" é importantíssimo para entender os acontecimentos daqui. Principalmente porque Ray está intimamente relacionado com o que acontece na pequena cidade encolhida de Krypton.



Cuba: É fenomenal o jeito que Kubert resgata o traço do Frank Miller, misturando com o próprio e montando um novoa, até a colorização de Anderson remete as antigas edições, deixando a homenagem maior do que já é. O rumo de Kandor se junta a linha narrativa principal, levando o leitor ao chão e finalizando a edição com maestria.

Dark Knight Universe Apresenta: Mulher Maravilha #1 por Frank Miller & Brian Azzarello; com arte de Eduardo Risso

Alex: A vida de secreta de Diana é apresentada nessa revista; mas é uma pena que a arte não é tão maravilhosa quanto nós esperávamos. O desenho deixa claro, logo no início, sua simplicidade e pouca projeção.

O capítulo aposta em apresentar uma Diana mais real; mais pé no chão. Com medos e ansiedades. A relação de Diana e sua filha, Lara, também é trabalhada, o que dá uma profundidade maior a personagem que é recorrente (e vilã?) da história principal. Aparentemente, Lara se sente diferente. Melhor. Kryptoniana. O que isso pode significar só as próximas edições deixarão claro.


Cuba: Assim como Kubert, Risso explora o traço de Miller com igual maestria, com a simplicidade de DK II, que também vaza para as cores de Mulvihill. A narrativa fica entre Diana e Lara, cada uma mostrando um lado do treinamento da Ilha Paraíso, uma comunicação oculta entre mãe e filha. A mini acaba antes de você perceber que já está embalado na leitura, Miller e Azzarello conseguem passar a ideia de cada personagem, o que uma pensa da outra e o que cada uma delas acha de si mesma.


Análise feita por Rodrigo "Cuba" Castello; autor da coluna Primeira Edição & Alex Jacket; autor da coluna O Limite

Comentários

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: