quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

O Escultor - Análise

"A melhor graphic novel que leio em muitos anos. Ela trata de arte, de amor e do porquê do insistir. Você vai ficar de coração partido." - Neil Gaiman

Tomo essas palavras do Gaiman como minhas também, pois desde que comecei a trabalhar na área de quadrinhos; muito da magia e da fascinação se perdeu, mas essa história trouxe tudo de volta.






Scott McCloud é um grande mestre das HQ's, principalmente da teoria sobre as mesmas.
Com livros espetaculares como "Reinventando os Quadrinhos" e "Desvendando os Quadrinhos", ele analisava a fundo toda a criação de uma HQ, passando pela ideia, roteiro, arte, técnica, etc. Mas é surpreendente como mesmo depois de tantos anos se dedicando a teoria dos quadrinhos ele conseguiu criar algo monumental como O Escultor.

David é um escultor, uma pessoa que dedicou toda sua vida a arte e ao reconhecimento da mesma, só que as coisas não aconteceram como ele planejou. Toda sua carreira está no fundo do poço e ele luta com todas as suas forças para encontrar um significado pra sua vida, uma vida que ele próprio já não vê mais propósito. Mas ele recebe uma proposta inusitada da Morte, ele poderá fazer tudo que ele sempre quis, mas ele só terá mais 200 dias de vida.

Esse é só o prelúdio da verdadeira história de David, uma história que fala sobre muitos aspectos da existência humana, mas principalmente sobre a luta que cada pessoa tem para encontrar o verdadeiro significado da sua própria vida.

Todos os outros personagens se mostram sendo extremamente humanos, com traços de egoísmo, generosidade, raiva, indignação e amor verdadeiro. A história evolui constantemente juntamente com os seu protagonista, as situações mudam e sempre mostram algo novo, as pessoas mudam e evoluem suas crenças e motivações de maneira uma maneira tão natural que chega a ser realista. McCloud mistura toda essa sinceridade e emoção do roteiro com uma arte limpa, lindíssima e cheia de expressão. Passeando pela arte e por temas filosóficos, a história segue lentamente um rumo surpreendente, lindo e inevitável.

McCloud dedicou cinco anos de sua vida escrevendo essa história, e devo dizer que ele conseguiu tudo o que ele queria, ele conseguiu criar uma obra-prima única, algo que transcende o papel e entra no seu coração.
O Escultor, sem dúvida alguma, foi a melhor HQ que li no ano de 2015.
E provavelmente foi uma das melhores que já li na vida.
Obrigado McCloud e David, por restaurarem minha fé nos quadrinhos e em como vale a pena lutar por nossos sonhos.

Análise feita por Sidarta; autor da coluna Sid-Caverna


0 crises:

Enviar um comentário