sexta-feira, 9 de outubro de 2015

The Flash S02E01 'The Man Who Saved Central City' - Análise

Depois de um bom hiato, não foi só o nosso tempo que correu, no mundo de The Flash se passaram seis meses desde a season finale, digo, desde que a singularidade apareceu sobre Central City e seus habitantes. Confira o que achamos de ‘The Man Who Saved Central City’, o mais novo episódio exibido pela CW.

Começando com um sonho de Barry, onde tudo é perfeito, a série já nos coloca nos trilhos, então vamos a algumas explicações: o Flash agora atua sozinho, não tem mais um time por trás; Caitlin trabalha no Mercury Labs e Cisco virou consultor da polícia em assuntos meta-humanos; salvando a cidade, Ronnie se sacrificou, enquanto o Dr. continua com sua vida. Com esse conjunto de informações, já podemos saber que nada se alterou com os eventos do final de temporada passado, essa nova temporada não se passa numa linha do tempo alternativa, como muito se pensava.


O papel do vilão da semana fica com Al Rothstein, mais conhecido nos quadrinhos como Esmaga Átomo – e olha que dessa vez não é o Cisco que o nomeia e sim, o Dr Stein, que até gera uma cena bem leal. Sua aparição e atos marcam o começo dessa saga, onde Zoom será apresentado, já colocando o nome em uso pelas personagens, mas ainda sem mais surpresas.


Uma coisa bem interessante é o Flash Day, mostrando que, assim como nas HQs do Velocista Escarlate, a cidade está pronta para idealizar e colocar num pedestal seu herói favorito. Temos até algumas coisas em revistas, mostrando paradas sendo realizadas e, o mais marcante de todos os exemplos de como é grande esse amor, o Museu do Flash, que até recebeu uma aparição momentânea no finale.

Diferente de Arrow, que usa e abusa do recurso, o episódio foi marcado por alguns flashbacks que te situam na história de Barry. Pode não entrar como flashback, mas o que acontece com o Cisco no meio da aparição do Esmaga Átomo pode já ser a manifestação dos seus poderes, já que nos quadrinhos, ele consegue ver através do Multiverso.


Não temo em dizer que as conclusões do episódio são épicas, fechando algumas questões que a temporada passada deixou em aberto e, como Berlanti e Kreisber devem ter pensado, foi um presente de boas-vindas aos fãs. Se o início de um novo mega vilão não tivesse acontecido, esse episódio seria um excelente series finale, com cenas marcantes e memoráveis.


Nota 9,0 - Terminando com o novo uniforme, agora com o símbolo em fundo branco, temos a aparição de Jay Garrick - reparou nele durante o episódio? - para mostrar ainda mais que temos um novo perigo a espreita. Com efeitos simples, mas que conseguiram satisfazer a proposta, The Flash volta com tudo para sua nova temporada e chuta as portas do Multiverso da DC.

0 crises:

Enviar um comentário