Avançar para o conteúdo principal

O Marvetinho: O Retorno de Star Wars


 
Ainda nesta semana será lançado o merchandise oficial de O Despertar da Força, enquanto ainda esperamos pela chegada do filme aos cinemas mundiais. Deixado esse detalhe de lado, porém, faltam apenas alguns meses para o fim da espera, e acho que já é hora de algumas reflexões serem feitas, uma vez que o hype aumenta cada vez mais.


É importante, antes de tudo, dizer que para os fãs da saga não houve o mesmo tipo de hiato ocorrido em relação ao resto do público. Os fãs sempre tiveram à sua disposição variadas e constantes histórias sobre a galáxia de Star Wars, seja em quadrinhos, livros, série de TV, ou games; e isso ocorre desde o fim da trilogia clássica. Para essas pessoas Star Wars vai muito além dos Skywalker, da Guerra Civil ou das Guerras Clônicas. Guerras Mandalorianas, Grande Guerra Sith, Exar Kun e Ulic Qel Droma são alguns exemplos de tudo o que ocorreu milhares de anos antes dos filmes da saga. Há também as histórias que se passam após O Retorno de Jedi, sendo a principal a já conhecida Trilogia de Thrawn, cujos livros estão sendo publicados pela Editora Aleph. Essa trilogia literária, porém, é só o início. Luke Skywalker montou uma nova Ordem Jedi, mas mudou as regras em relação ao casamento, o que o permitiu unir-se a Mara Jade e ter um filho, Ben Skywalker. Han Solo e Leia, por outro lado, tiveram três filhos: os gêmeos Jacen e Jaina Solo, e Anakin Solo. Há também a conhecida minissérie em quadrinhos, Dark Empire (O Império do Mal, no Brasil), em que Palpatine volta à vida em corpos clonados, após a Trilogia de Thrawn, e Luke se volta temporariamente ao Lado Negro. Eu, assim como outros, não gosto dessa história, mas é importante mencioná-la.
A grande questão é que não importa o quanto os fãs da saga tenham continuado a acompanhar as histórias, o fato de haver uma futura nova trilogia é algo grandioso demais, mesmo para os que se sentem divididos entre ficar com a história dos novos filmes e a história do velho Universo Expandido. A empolgação é enorme, e o tipo de ânimo não é o mesmo daquele de quando se lê um quadrinho ou livro, ou se assiste a uma série de TV da saga. O letreiro inicial, a trilha de John Williams, nomes que soam estranho em português, atores em carne e osso, o próprio merchandise e o simples fato de que não é só você, mas milhares de pessoas que estarão vibrando nas mais diversas salas de cinema; é algo que está acontecendo apenas pela terceira vez, na franquia. Se a empolgação continuará até o fim da trilogia, só dependerá da qualidade dos filmes (é quase certo que serão melhores que A Ameaça Fantasma e O Ataque dos Clones).


Como eu disse, isto tudo está acontecendo apenas pela terceira vez. Os fãs esperaram dezesseis anos pelo Episódio I, e dez anos pelo Episódio VII, e essa espera tem importância gigantesca no hype de cada época. A questão é que a Disney não comprou a LucasFilm para aproveitar Star Wars três vezes por década, o uso já está sendo feito também em Star Wars Rebels, Star Wars - Battlefront, e dois grandes parques já estão em planejamento. Uma outra consequência disso são os futuros derivados da saga, e não apenas não duvido de sua qualidade, como penso o contrário a respeito de Rogue One: A Star Wars Story (apesar de não ter confiança nenhuma no outro derivado, sobre o Han Solo, ainda mais sendo interpretado por outro ator). O possível problema disso tudo é a perda da magia sobre a chegada de novos filmes da saga, como estamos sentindo atualmente. Não se trata de enjoar ou de os filmes pararem de fazer sucesso, como tantos dizem a respeito do futuro dos filmes de super-heróis, mas “apenas” sobre um outro tipo de empolgação, que talvez se aproxime mais da empolgação de se ler histórias do Universo Expandido, como disse anteriormente.
Isto, porém, é algo para se verificar no futuro. Agora é o momento para apreciarmos o hype que estamos sentindo. Para aqueles que deixaram Star Wars estacionado em algum canto, é hora de trazer de volta com toda a força (ou seria “Força”?), é hora de voltar a aumentar coleções de action figures, de naves e veículos, ou até mesmo de quebra-cabeças e brinquedos de fast food. E, se por um lado o Universo Expandido foi deixado de lado, por outro eu deixo aqui registrado o quanto eu acredito que Kylo Ren (que tem o visual muito parecido com o de Darth Revan) seja o equivalente a Jacen Solo (Darth Caedus), o filho de Han e Leia que se voltou ao Lado Negro. Se isso for verdade, precisarei levar mais uma peça de roupa íntima ao cinema.


Por Lucas Giesteira

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sweet Tooth #02

Estava bastante ansioso para saber o que sairia desta HQ no segundo episódio. A primeira edição foi boa, e poderia esperar tanto uma estagnação da história, como uma reviravolta. Felizmente, o melhor aconteceu.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.