Avançar para o conteúdo principal

#DCYou Julho - Segunda Semana - Análise Completa

A inocente Koriand'r enfrentando um furacão, Constantine em sua mais pura e mesquinha origem, a Liga America finalmente trazendo o esplendor de uma publicação de Bryan Hitch, o mundo da máfia de Gotham no comando de Selina Kyle e muito mais nessa segunda semana de publicações de Julho da DC Comics. Confira a análise completa de todas as revistas!



Constantine: The Hellblazer #2
Alex: O que acontece quando o que não pode morrer... Morre? Isso, de acordo com John, é o que desafia praticamente tudo o que ele acredita conhecer; e nós, leitores, estamos tão dúbios quanto ele. A coisa é que tá todo mundo se ferrando por causa do John - isso é novidade? - mas, pela primeira vez, quem está se ferrando por causa dele são pessoas que já estão mortas. E, vamos lembrar de Newcastle e o quanto ele não é muito fã de mexer com fantasma? Bem, a revista é fantasticamente desenhada, muito bem feita e com uma comédia, gore e misticismo (com bastante simbolismo) muito bem ajustados. E cada vez mais John volta a ser quem ele é, principalmente agora que está voltando para casa para resolver um problema que ele nem sabe porque faz parte. Leitura indispensável.

Cuba: Ver um John perdido, quase traiçoeiro, pensando apenas em si mesmo é um passo enorme depois dos Novos 52, onde ele soltava magia a torto e a direito pela história. Consigo ver a volta de toda a graça, por assim dizer, das histórias do Hellblazer, com o desenho sujo, a personagem em seu potencial máximo e ainda voltando para solo inglês.

Liga da Justiça da America #2
Cuba: A premissa de Rao passa a ser interessante a partir do momento em que pode haver um conflito interno na Liga, onde Superman tem o retorno de seu deus e, no outro lado, Aquaman simplesmente não acredita em nada que se diz um deus e Bruce desconfiando de tudo. Bryan Hitch aborda um assunto pouco discutido em quadrinhos, a religião e constrói um palco pronto para um grande espetáculo.

Alex: Um mito de Krypton retorna - será mesmo? Ver Clark assim, ingênuo, é intrigante e desperta aquela sensação de "vai dar merda". O foco em Arthur Curry - o Aquaman - é bacana e nos faz lembrar do ceticismo do herói. Mas, afinal, quem é esse Rao?! Ele cura e ajuda, as palavras são cheias e belas, mas porque não consigo me convencer? Impressionantemente bem roteirizado e mais intrigante que a primeira edição, LJA está construindo um ambiente misterioso e envolvente no qual eu estou muito ansioso para saber como vai continuar.

Batman #42
Alex: A crítica ao sistema nos pensamentos de Jim Gordon nos levam a questionar se ele será o Batman da Polícia realmente por muito tempo. As cores nesse capítulo são intensas e diversas, deixando Gotham com uma nova cara na narrativa e no visual também. Batman #42 traz o primeiro super vilão do Jim - e também dos leitores. Gente nova no pedaço, finalmente! O Mr. Bloom! Mas nem tudo são flores (trocadilhos multi linguísticos!)... Achei um pouco rápido o encontro do Jim com o... Bruce? É, eu sei, a gente não sabe se é ele - até mesmo, pode ser o Bloom! Porque não? - mas um pouco rápido demais. Tirando a opção do Snyder; o quadrinho foi bem divertido, bem desenhado e bem colorido mantendo uma qualidade irrefreável para essa nova aventura do Batman.

Cuba: Adesivos de nicotina e cigarro de açúcar devem deixar qualquer um nervoso, até mesmo pra arremessar um bat-caminhão de 15 milhões de dólares na cabeça de um chefe do crime qualquer. Cada vez mais Snyder constrói o novo status-quo do Bat-bigode e desenvolve, por trás dos panos, lá nas últimas páginas, a história de Bruce que, pelo jeito, deve ter perdido a memória. Um novo vilão original está a espreita e é dever do time Batman combatê-lo. Posso dizer que a ansiedade está me corroendo pra saber cada detalhes dessa nova empreitada de Snyder e Capullo.

Mulher Gato #42
Cuba: Assim como a morte é certa, quando uma revista ganha capa de Kevin Wada, pode ter certeza que seu conteúdo interior é de primeira. Genevieve Valentine mostra a Gotham suja dos mafiosos, suas guerras sendo travadas, alianças feitas e desfeitas, a bagagem de Selina como cabeça de família cresce e o manto da Mulher-Gato consegue mais seguidores. É bom ver a Salteadora de volta a todo vapor.

Alex: Os desenhos e cores excepcionais não retiram o fato que essa edição de Mulher Gato é um pouco vazia e sem conteúdo. A edição passada nos trouxe os impactos da ida do Batman da vida de Selina, mas aqui não temos muitas novidades ou histórias novas para contar - mas é legal ver a Mulher Gato voltando com tudo para a cidade de Gotham. Um filler, talvez?

Liga da Justiça Unida #11
Alex: Uma liga da justiça alternativa, com certeza. O inesperado grupo de heróis (e anti-heróis) se unem para uma grande ameaça, talvez. São diversos estilos diferentes de desenhos e representações ao decorrer da revista, que instiga o leitor a continuar lendo. Engana-se, porém, se pensa que tem bastante coisa aqui para ser lida. Por mais que seja a 11ª edição, a história é meio que introdutória para algo grande que está por vir. A edição interessa sim!

Cuba: Nossa, que formação magnífica! E ainda coloca a Mera como uma figura poderosíssima, sem precisar do apoio (nunca precisou, na verdade) do Aquaman. O retorno dessa vertente da Liga traz uma coisa explorada na antiga Dark, ainda mais com o Monstro do Pântano no meio. A história envolve anomalias do espaço-tempo que lembram muito a saga da Podridão.

All-Star Section 8 #2
Cuba: Lanterna Verde contra um tiranossauro do espaço com braços mecânicos de sabre de luz? Obrigado Garth Enis, de verdade. Sério, a edição chega a ser tão engraçada, com um final tão inesperado que você simplesmente não sabe quando acabou, são 20 páginas de humor galhofa excepcionalmente escritas.

Alex: A zueira continua! O desenho trash e grosseiro que nos lembra aquelas revistas de terror dos anos oitenta/noventa continuam com muita piada e humor negro. O Six Pack brigando com o vendedor na loja de quinquilharias é simplesmente a melhor parte da revista, com um plano de fundo mostrando o tão sonhado Lanterna Verde.
Superman/Batman #22
Alex: Digo e repito: o super sem poderes é refrescante e animador. A saga Truth (a de verdade, não aquela da revista solo do Super...) continua mostrando as aventuras do herói mais forte do mundo... Sem tantos poderes assim. "Bem vindo à raça humana!". É FANTÁSTICO ver como um herói de longa data - Clark - reage com um novato - Jim, o Batman. O contraponto entre um e outro funciona muito bem e transforma Superman/Batman em uma revista imperdível.

Cuba: Greg Pak consegue mostrar direitinho como um Superman sem poderes, melhor dizendo, como apenas o Clark Kent consegue lidar com as situações de um outrora Superman, com o mesmo positivismo e até liderança que sempre teve, mesclando isso com o novato Gordon como Batman. Com uma parceria desajeitada e sem muita comunicação, uma amizade entre os dois pode crescer e, claro, deixa o roteiro ainda mais palatável ao leitor.

Academia Gotham #08
Cuba: A mãe de Olive, presa no Arkham, morreu, a revista rola com Maps e Kyle indo atrás de mais mistérios envolvendo a mansão e o que rola por lá. Cloonan e Fletcher conseguem prender o leitor nos pequenos mistérios da Academia, ainda mais com a arte de Karl Kerschl deixando tudo com uma pegada webcomic. Ainda ouviremos muito sobre a morte da mãe de Olive.

Alex: Traços inocentes e incríveis constroem um clima de tristeza que nos responde a dúvida da semana passada. A mãe de Olive se foi - e as consequências para a jovem garota e seus dois amigos não é das melhores, principalmente em um momento de tanto sufoco e correria. Academia Gotham tem um charme único: são personagens novos em histórias novas e cada vez mais vale a pena acompanhar esse ar novo da DC Comics. Os desenhos e o roteiro não ficam atrás.
Novo Esquadrão Suicida #10
Alex Caraca! A gente sabe que o Esquadrão é feito de intriga e reviravolta; mas aqui a coisa foi bem além. Uma boa apunhalada nas costas bem posicionada como esta mostra como um roteiro consegue ser afiado e perspicaz mesmo quando muitos personagens estão em cena. Quais os planos do Arraia? Ainda; o grupo é um pouco a parte um do outro, mas acho que é algo que a revista eventualmente ajustará. O roteiro é preciso e os desenhos estão na média, tornando o Novo Esquadrão Suicida uma revista interessante de se ler. Não é excepcional, mas faz seu trabalho.

Cuba: Nossa, até para os membros do Esquadrão, eu não imaginava uma reviravolta tão intensa! Claro, é de se esperar uma traição/faca-nas-costas do Bumerangue, mas uma ação tão, vamos dizer, ousada, quando a do Arraia? Isso é novidade pra mim e claro, inovar em revistas desse tipo sempre é bom. Porém, a outra parte do time serviu apenas pra encher páginas, com Reverso e Harley envolvidos numa conversinha de bar.

Estelar #2
Cuba: Engraçado como Conner e Palmiotti conseguem trazer a preciosa inocência de Kori de volta a persoangem, ainda mais com os balões de 'dúvida' que Lupacchino tão habilmente insere na história. Ainda estamos nas apresentações de personagens, mas agora que Key West, a ilha em que Estelar decidiu viver, está segura, no meio do caos fomos apresentados, ao que parecia, um vassalo do primeiro grande mal que Kori enfrentará.

Alex: A narrativa dividida da revista faz ser uma leitura gostosa e consegue trabalhar muito a personalidade da Estelar. Personalidade esta que tinha sido esquecida no passado; mas está com tudo de novo. Ela é inocente e corajosa, fazendo o que quer e como quer e - principalmente - quando quer. O desenho acima da média e a distribuição de quadros torna Estelar uma prazerosa novidade. E, ainda, a ascensão de um novo vilão (mesmo que de forma descontraída) pode colocar chão pra uma história que já está boa. Finalmente! Se você gostava dos Titãs do Marv Wolfman, a leitura aqui é necessária.

Capuz Vermelho/Arsenal #2
Alex: Olha, o desenho dessa edição não está nem perto da beleza do dá antiga; mas é divertido ver como o Jason e Roy são tipo uns amigos com armas de fogo. Enquanto Jason é muito mais sério, Roy sempre foi mais... Porra louca. Digo, ele não é o cara mais sério do mundo - é quando precisa ser, mas no fundo ele é aquela criança que só faz besteira. Depois de tantas coisas que aconteceram com o Roy Harper - virar pai, perder a filha, perder o braço e tudo mais - esse Roy dos Novos 52 (que não tem muita relação com o do passado) é uma diferente linha do Roy que conhecemos. As linhas artísticas na revista são divertidas - com lutas em oito bits e tudo mais - mas o desenho não deixa de ser feio. Eu ainda continuo gostando da revista. Ela não é incrível, mas é divertida.

Cuba: Quando transformaram o Roy Harper num completo idiota? Cadê aquele cara que virou pai, amava a filha, queria vingança e, acima de tudo, era mais sério que o Arqueiro Verde? Mas o que me foi um, não diria incômodo, mas é a palavra que vou usar, foi o traço de Paolo Pantalena, lembrando muito o de Keneth Rocafort, mas misturado com uma pitada de Hokuto no Ken, todo mundo tem corpão e olho amendoado, me estranhou muito.

Terra 2: Sociedade #2
Cuba: Ainda estabelecendo passado e futuro depois que as naves da extinta Terra-2 caíram no novo planeta, já temos o vilão principal, Terry Sloan, que quer mudar o mundo e deixa um sentimento de Maxwell Lord. O Bat-Grayson é bem diferente do que já vimos no passado, com novo estilo e outras abordagens, ele parece ainda se acostumar com sua volta ao super-heroísmo, e até mesmo a 'Sociedade' ainda não se formou.

Alex: Que. Desenho. Maravilhoso. Um novo grupo de vilões começa a aterrorizar a nova sociedade de Terra-2; mas a revista não deixa de ser bem introdutória, apresentando os personagens. A história começa de verdade na próxima, mas a leitura daqui é bem competente em mostrar como o "approach" dos personagens dessa Terra-2 é bem diferente do que está acontecendo nas outras revistas. A revista não é a melhor de todas da semana, mas é bem sólida e garante que a leitura pode melhorar nos próximos meses.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: