Avançar para o conteúdo principal

#DCYou Junho - Terceira Semana - Análise

Chegou a terceira semana do DCYou, o selo que chegou pra substituir os Novos 52! Marcada por mais estreias, essa semana nos trouxe a excelência de personagens que nunca tiveram selo próprio, como o Caçador de Marte e Canário Negro. Nos mostrou novidades que vieram de antigas publicações, Prez e Doomed e claro, revelou o novo uniforme da Mulher Maravilha! Veja o que achamos dessa terceira semana de publicações de junho!


Liga da Justiça da América #1:
Cuba: São sete maravilhosas capas que formam um poster incrível e ainda tem a nova logo da revista, graficamente maravilhosa. E claro, a gloriosa volta de Bryan Hitch para a Liga! Qualé a do Flash ser retratado como um imbecil? Com umas 50 páginas nessa estréia, a Liga é atraída pra uma luta contra o Parasita enquanto o roteiro se cria por trás, uma aparente trama voltada para a cultura de Krypton, enquanto Aquaman está lá em Atlantis esperando pra ver o que vai rolar na superfície. Foi uma estréia confusa, mas que deixa a esperança do nome Hitch.

 Alex: Focado no Super; a edição não ousa tanto quanto a Liga de Johns em Darkseid War; mas faz um trabalho competente de apresentar o supergrupo em outra revista. O que é essa nova Corporação Infinito? Bem, enfim, a revista é interessante e parece que vai trabalhar bem o Clark; mas com certeza ela fica no "gap" de cinco anos entre Os Novos 52 e Convergence. Finalmente uma revista que aumente a mitologia de Kryptom


Robin: Son of Batman #1:
Alex: Damial Al'Ghul - e não Damian Wayne. Jovem e afiado, ele estreia sua revista com toda a imprudência e estilo pavio-curto que mais caracterizam o rapaz. A revista não trás novidades e é um início seguro para o leitor que não acompanhava muita coisa recente; mas a história parece que vai começar a ficar bem interessante - principalmente agora, que Bruce está ausente.

Cuba: O que esperar de uma HQ escrita e desenhada por Patrick Gleason? apenas o melhor, claro! O Filho do Batman já começa mostrando a que veio, com toda sua personalidade fortíssima, ele pega o que quer e ninguém pode impedi-lo. Repescando um dos primeiros arcos de Batman e Robin e construindo uma nova narrativa, Gleason consegue prender o leitor e ainda te deixar querendo a próxima edição.

Caçador de Marte #1:
Alex: Que alívio. Desde o anuncio de uma revista solo do Caçador de Marte; venho tendo medo. O personagem foi meio que esquecido durante os Novos 52; e eu estava com medo de terem perdido a essência do personagem no meio do caminho. Não esqueceram. Com uma arte fenomenal e um roteiro de ponta; o Caçador voltou. E com todos os seus problemas e diálogos que o tornam incrivelmente humano - mesmo sendo de Marte. Mas o agrado não vem só do personagem, porque a história é envolvente e competente ao seu máximo. Essencial.

Cuba: Finalmente uma revista solo do J'onn! Fiquei alegre desde que soube e foi uma das minhas leituras mais esperadas, ainda mais com um brasileiro, Eddy Barrows, nos traços que, diga-se de passagem, fazem jus as transformações bizarras do Marciano. Mas é o escritor Rob Williams que vem com tudo, mudando o status quo de uma das personagens mais queridas dos fãs (sim, todos gostam do homem verde!), deixando claro que tudo o que sabíamos, era apenas fruto de uma enganação alienígena. Novo uniforme também ficou maneiríssimo.

Canário Negro #1:
Cuba: A arte de Annie Wu cabe em cada centímetro da nova proposta gráfica que é essa revista solo da Canário, um traço riscado, deixando o punk rock underground da Banda Mais Perigosa na América, o título da revista, bem em evidência. Senti um pouco de Scott Pilgrim alí, enquanto uma nova página pra Canário é feita, com um feel de Mulher Maravilha, a personagem cresce desde seu primeiro momento e, em apenas um balão, acontece uma possível referência ao Arqueiro que, espero, demore muito a aparecer. É apaixonante.

Alex: Um pouco Spider-Gwen; um pouco Scott Pilgrim e muito estilo próprio: Dinah agora faz parte de uma banda e sua vida é quase como uma pink rock opera contra o crime - e contra o sistema. Ao invés de sete ex namorados do mal; são um bocado de espíritos malignos com uma personagem que é quase como uma montanha-russa de emoções. A revista é divertida e promete MUITA história boa; só espero que não tenham medo de ser menos mainstream e apostar em desenvolvimento de personagem e não em briga toda edição.

Senhor Destino #1:
Cuba: Apenas outro místico da DC? Não! Agora o representante egípcio em publicações da DC Comics, Paul Levitz e Sonny Liew conseguem trazer o clima do país africano e os mistérios egípcios pra dentro da publicação, apresentando o novo escolhido para o Elmo de Nabu, que defenderá o mundo da ira de Anúbis. Mais uma personagem da Sociedade da Justiça que ganha uma repaginada para o público jovem.

Alex: Com uma arte maravilhosa; um dos mais poderosos artefatos da história da DC Comics volta a ter espaço em um título próprio. As cores e as disposições dos quadros nos iniciam em uma nova jornada quase que aventurosa em um título que não era trabalhado há tempos. A revista promete MUITO, e com o backstory que o Destino tem, podemos ter acabado de encontrar outro representante do universo mágico da DC - junto com Constantine the Hellblazer. Espero crossovers sim.

Mulher-Maravilha #41:
Cuba: Depois das conclusões de Donna Troy, a edição traz a tentative de redenção da personagem. A nova roupa vem com uma promessa de nova Mulher Maravilha, de menina para mulher, assim como ela diz. Você sente que o roteiro de Meredith Finch vai te levar pra algum lugar, pra uma nova luta entre deuses, mas o traço de David Finch, embora melhor do que já foi, ainda age como uma âncora, afundando a qualidade da revista.

Alex: A arte estranha com 'rosto de pato' da dupla Finch ainda me irrita; mas a história parece promissora. Todo o papo de "se tornar realmente uma MULHER" é curioso; ao meu ver, Diana sempre foi uma mulher MUITO forte; independente de Donna Troy ou não. A nova roupa, por outro lado, é maravilhosa e abraça muito bem o conceito de amazona que a revista quer tanto defender. Infelizmente, ainda sinto falta do Azzarello por aqui... 


Sexteto Secreto #3:
Cuba: Uma total mudança de ambiente, de um caixão no oceano para um subúrbio colorido. Do traço incrível de Ken Lashley, essa nova edição traz a arte de Dale Eaglesham, que muda completamente o estilo anterior e até a caracterização das personagens. Tentando muito fazer algo 'engraçado', Gail Simone só não falha em uma página. A única coisa positiva que ela alcança é retratar um pitbul como um cão firmeza e dócil.

 

Doomed #1:
Cuba: Tem poster da Canário espalhado pelo metrô e Clark Kent é vizinho do protagonista. A história tem os laboratórios STAR no meio, logo, é claro que vai ter alguma coisa dando muito errado e alguém envolvido num acidente. Da mente de Lobdell, temos a história de um estagiário que respira um pouco de radiação e bem, você sabe o resto. O desenho de Javier Fernandez completa a leitura.

Prez #1:
Cuba: O queeee? Prez mostra uma corrida presidencial em 2036, com candidatos não muito bons, até que a protagonista, vítima de um viral na internet, vira a celebridade do momento quando hackers a colocam na disputa para presidente. Numa confusão estranhíssima, Mark Russel tenta contar um começo de origem para Beth e a caracterização do futuro em que vive.

Superman/Mulher-Maravilha #18
Cuba: Capa alternativa de Chiang e arte interna de David Mahnke. Além de mostrar o novo uniforme de Diana, apresentado em MM#41, temos o novo status quo do relacionamento dos dois integrantes da Trindade. Clark sem poderes e Diana cada vez mais poderosa. A história mostra Clark tendo tudo com que se importada, sumindo misteriosamente, você vai lendo e esperando algo com Lex ou uma organização por trás de tudo, mas a última página te deixa de queixo caído.

Harley Quinn e Poderosa #1:
Cuba: Mais uma da dupla Conner e Palmiotti, com a adição de Justin Gray! Essa galera ta podendo. Harley é a sidekick de Kara numa aventura espacial envolvendo o grandioso Vartox numa confusão multiversal. É mais uma revista de pura diversão que a arte de Stephane Roux consegue completar.

Sinestro #12:
Alex: A revista marca a estreia de uma nova integrante para a tropa amarela ao mesmo tempo que tenta forçar uma luta e um desenho manjado. Não temos, de fato, o início de uma nova aventura aqui; mas temos problemas de continuidades a torto e a direita. Os Lanternas Verde não tinham sumido? Bem, enfim, Sinestro sempre foi muito carismático e com certeza esse segundo arco - admitiremos, primeiro, porque as 11 primeiras edições tiveram de tudo menos história - talvez traga um gás a tropa amarela; que vem apagada desde a grande batalha, lá em 2008; no volume 4.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: