Avançar para o conteúdo principal

#DCYou Junho - Quarta Semana - Análise

A DC termina esta quarta semana do seu mês de estreia do novo universo com algumas revistas muito boas - mas nem tudo são brilhantes. Por mais que tenha coisa legal aqui, uma ou outra revista decepcionou. Confira o que o Crise achou de todas as revistas da DC publicadas na quarta semana de Junho!

Aquaman #41:
 Cuba: Depois de ver Aquaman sendo desenhado por Ivan Reis, o traço de Trevor McCarthy chega a machucar a vista quando não está em um personagem em destaque, mas sua habilidade em construção de quadros é muito boa. Com um visual diferente, Arthur não lembra mais um rei galante e sim Snake Plissken, personagem principal de Fuga de Nova York! Em todo o mistério envolvendo ele estar fora de Atlantis, é só no final que descobrimos se tratar de mais uma revista que tratará do Multiverso. Dois reinos aquáticos estão convergindo e resta apenas a Arthur salvar os dois.

Alex : O desenho não é do mais bonito, mas está pior que antes. A história não é das piores, mas estava BEM MELHOR antes. O problema de Aquaman #41 é que a revista falhou miseravelmente em se manter tão boa quanto antes. Isso significa que ela é ruim ou feia? Não e não. A história desse novo arco está dando seus primeiros passos e o desenho é com certeza mais artístico que o anterior; e infelizmente para quem lia o Aquaman antes da edição #40, não é excepcional. Mas também não é ruim, e ver o Aquaman mais "solo" e menos ligado a sua terra pode ser bem interessante.

Batgirl #41:
Cuba: Frase de efeito do Robocop e uma zoada leve no novo visual do Gordon, Cameron Stewart, Brenden Fletcher e Babs Tarr continuam a arrasar com Batgirl. Além de tratar da relação entre Morcego-pai e Morcego-filha, a revista traz um balde de referência pop, o que aumenta muito a experiência de leitura.

Alex: O encontro da Batgirl com o Batman agora mudou um pouco o foco: é um encontro de Pai e Filha; mas nenhum dos lados sabe disso - por um tempo. É legal ver como a sinceridade do Jim acaba conflitando com a dupla vida da Barbara. O trabalho do Jim é de caçar e prender vigilantes de Gotham; o trabalho de Barbara é ser uma vigilante e basicamente fugir do pai - enquanto luta contra o crime. Interessante? Com certeza! Nunca pensei que a mudança do Cavaleiro das Trevas poderia trazer tanta coisa boa.

Exterminador #7:
Alex: O desenho é, com certeza, excepcional. E com muito, muito sangue. Adicionar um elemento mais místico a mistura do Exterminador com certeza agrega mais ao personagem; que está a tempos tentando consolidar uma revista própria. O final traz uma reviravolta muito da interessante (e cronologicamente confusa, mas tudo bem); e eu nunca pensei em estar animado para alguma história do Exterminador como estou agora. Slade agora é portador de uma espada enviada dos deuses - e sua missão é matá-los. Mas quem o deu essa missão? E essa espada é realmente o que ele quer?

Cuba: Essa é a Tardis, não? Fora isso e o desenho de Tony S Daniel, temos um roteiro bem Godo f War, o humano ‘fodão’ indo matar um deus mas, como todo conto grego, o humano acaba na pior. Não há um incentivo para que o leitor termine. A dúvida fica pra um futuro, já que o encontro com Rose trouxe algumas questões sobre seu irmão, Jericó.

Gotham by Midnight #6
Alex: O bonito desenho sombrio e a pesada narrativa de Fawkes continua na história que mostra o lado sombrio, esfumaçado, noir e frio de Gotham. Os mistérios por trás de assustadores fantasmas ou estranhas plantas cresce junto a uma Gotham cada vez mais diferente. Porém, o modelo "vilão do mês" da revista me irrita um pouco: quando que a história vai começar de verdade? A revista é bela e empolgante, mas depois de seis edições, não temos ainda uma história contínua...

Cuba: Desde sua primeira edição, Gotham by Midnight traz uma arte fenomenal. O time policial das noites de Gotham começam a revelar seus segredos e poderes, não só o Espectro é conhecido agora. Mas é isso, o verdadeira atrativo é a arte, juntando com uma outra exploração da Gotham sobrenatural.

Grayson #9
Alex: A revista é divertida? Bem, até que sim. O desenho é competente e os personagens são carismáticos. Mas é tudo muito... Simples, rápido e raso. Dick 'agente especial' é esquisito, e ver ele como um galanteador que troca beijos e danças para pegar uma joia ou outra parece mais a descrição da Mulher-Gato do que do Garoto Prodígio. Bem, querendo ou não, esse é o novo Dick. A revista melhorou bastante, o charme do Dick é bacana e mantém o leitor interessado, mas ainda precisa de uma plot que convença que pode ter algo legal aqui. Não consigo ver o potencial dessa revista - mas ela já esta na nona edição.

Cuba: É uma pena saber que as piadinhas geniais de Grayson vão se perder na tradução quando forem publicadas pela Panini. Discordo completamente do Alex, acho que a pegada 007 encaixa perfeitamente no Dick (olha a piada ai haha), deixa até portas abertas para uma exploração de sexualidade que, conhecendo o público de quadrinhos, geraria muito ódio. Mas em meio a todos os lançamentos, Grayson continua uma boa leitura.

Lanterna Verde: Tropa Perdida #1
Cuba: Quando tem 'Perdida' no nome, a tropa sem diminui e alguns membros são cortados, eu tava bem preocupado com isso, pensando que meus preferidos seriam deixados de lado o que, em parte, aconteceu. Gostei da Lanterna 3-6 desde sua estréia e ela continuou, mas Mogo, o Planeta Lanterna Verde, ainda não deu as caras. Mas o mais impressionante, é a participação de Krona, o ex-guardião que mexeu com o Multiverso e já foi um dos maiores inimigos da Tropa, Liga e até dos Vingadores (what?!). O ex-vilão parece ser uma versão mais jovem, anterior ao seu tempo de loucura maligna. quem também da as caras em novo estilo é o Guy Gardner, agora com anel verde e vermelho. Como sempre Cullen Bunn representa com seu roteiro de alto nível e o desenho de Jesus Saiz deixa tudo mais bonito ainda.

Alex: A tropa está muito longe de casa. Porque? Quando isso aconteceu? Quem fez isso? Bem, isso não será respondido agora. O que sabemos é que a tropa inteira está perdida, e alguns restantes estão jogados em um setor longínquo que a maior dúvida é "o que eles vão fazer agora". Vimos o grupo inteiro: John Stewart, Killowog, Arisia, Xrill-Vrek, Two Six, Krona e, é claro, Guy Gardner. Será que são eles quem vão salvar a tropa inteira? Ou aquele Hal Jordan, o último e único restante no universo conhecido? Revista promete bastante.

Liga da Justiça 3001 #1
Alex: O Multiverso está de volta! E com isso vem toda a confusão e "o que está acontecendo" junto. Bem, claro, com exceção disso, Liga 3001 é uma história incrivelmente bela e lotada de personagens que consegue ser interessante em muita coisa. Com um grupo que só discute entre si e não chega em um acordo; a Liga do século 31 é imprevisível, e seus vilões são ainda mais. A Guerra de Starro está chegando e ver esse grupo lutando junto vai ser divertido.

Cuba: Heróis clonados, com personalidades diferentes e o melhor, nas mãos de Giffens e DeMatteis. Mas apesar de uma boa aventura, o roteiro traz uma grande infelicidade, nas conversas de Superman e Batman sobre a transsexualidade de Guy Gardner (agora uma mulher) deixa um tom bastante preconceituoso. Fora que essa edição está longe de passar no Teste de Bechdel. Mudando a questão, temos uma luta contra Starro a começar e até um easter egg(?) do Besouro Bisonho.

Superman #41
Alex: Diga o que for, tente me convencer da sua maneira: eu não consigo achar o desenho do Romita Jr. bom. Eu acho, na realidade, péssimo. Tipo, bem ruim mesmo, a ponto de tirar MUITOS pontos da revista. Enquanto Action Comics #41 começou a história "TRUTH", que foi continuada em Batman/Superman #21; a revista solo do kyptoniano vem para terminar esse primeiro novo grande momento do super. Espera, será? O problema: enquanto naquelas revistas o Clark é conhecido por todos e mais fracos, nessa - sabe-se lá o porque - ele ainda não foi descoberto. Essa cronologia acerca o Super é confusa e um pouco caótica, para ser sincero. Aparentemente, por mais que o logo da saga "TRUTH" esteja na capa, este Clark Kent não foi desmascarado por Lois e está igualmente forte a antes. É difícil de se situar com esse Super e suas revistas relacionadas - e é engraçado como Action Comics está MUITO MAIS LEGAL e mais bonita que Superman. Infelizmente, o super interessante e diferente não está na sua revista principal. Se alguém conseguir me explicar o porque, eu adoraria saber.

Cuba: Começo dizendo que a melhor coisa da HQ é a capa variante do Coringa. Todos os desenhos do Romita Jr parecem que a personagem ta tomando um impacto de bomba atômica na cara. Foi prometido o motivo dele ter perdido os poderes, mas só vemos que ele está enfraquecendo. Parece que vai demorar esse arco todo para descobrirmos o que realmente aconteceu ao Super. Com um roteiro misterioso, a estréia de Gene Luen Yang é bem tímida, enquanto Romita Jr continua a chutar o balde nos desenhos, não num bom sentido.

Jovens Titãs #9
Alex: O desenho é, de verdade, incrível; e a história é divertida e com personagens bem legais. Por mais que seja a nona edição, ainda tem cara de primeira: não rolou muita novidade desde o começo. Parece que só agora o grupo está realmente se unindo e tudo mais. O Superboy ex-exilado e que todos temem junto com Tanya - a 'aprendiz' de Power Girl - prometem acrescentar muito a história nas próximas edições, enquanto a Garota Maravilha está entrando na mistura de uma forma bem caótica.

The Flash #41
Cuba: Três coisas me incomodam: o desenho espremido e nojento do Brett Booth, o quadrinho cheirando a adaptação do seriado e fazerem de Henry West, um 'vilão'. Traços a parte, parece que Flash vai tomar o mesmo caminho que Arqueiro Verde teve, já que a série fez sucesso, bora colocar o quadrinho nesse rumo também, o que foi bem péssimo.

Alex: O Flash Reverso está de volta! E com momentos de pânico e medo de Barry; um dos maiores vilões de repente reaparece. Sem muita explicação ou detalhe, porém, mas com certeza tudo será explicado com seu tempo. Achei o quadrinho com uma pegada mais do seriado, e não sei se quero isso ou não.

We Are... Robin #1
Alex: Com desenhos de saltar os olhos; We Are... Robin era o meu hype desde o anúncio das revistas novas. Se eu gostei? Bem, acho que sim. O grupo é bem longo, e provavelmente as edições vão trabalhar cada membro até uma história aparecer para empolgar.
O problema de We Are Robin é a ideia de um grupo novo. Acho que estou acostumado com personagens antigas em grupos antigos; então ver alguma novidade é comum o estranhamento até começar tudo de verdade. Ainda assim, We Are Robin é uma revista divertida, diversificada e com desenhos bonitos e caricatos que promete muito. Promessa essa que convence a leitura e anima pras próximas edições.

Cuba: Medo de altura, não gosta de becos, prefere correr pelas ruas, tudo ao contrário dos melhores de Gotham, por isso Duke Tomas é o Robin perfeito. Na verdade, todos eles parecem ser, só esperar mais algumas edições para explorar a história de cada um. O roteiro de Lee Bermejo te prende, junto da arte fluida de Jorge Corona, casada com as cores de Trish Mulvihill.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: