Avançar para o conteúdo principal

Convergence: Quinta Semana - Análise


O segundo mês de Convergence continua a história principal ao mesmo tempo que finaliza, aos poucos, as tie-ins. Com reviravoltas na saga principal e alguns finais essenciais; a saga prossegue como uma ode ao passado da DC Comics; tentando mostrar um pouquinho mais de histórias passadas da editora.


As tie-ins estão terminando! Alguns finais bons, outros ótimos e, bem, um ou outro, não muito bom: Convergence começa sua estrada para o fim da saga que mudará o rumo dos Novos 52.

>> Confira a análise da primeira semana
>> Confira a análise da segunda semana
>> Confira a análise da terceira semana
>> Confira a análise da quarta semana


Convergence #5 (6/5/2015)
Alex: Com painéis de duas páginas maravilhosos; o quinto capítulo da mega-saga se prova o melhor
até agora. Trazendo reviravoltas trocando os aliados por inimigos e vice-versa, o segundo mês de Convergence inaugura mais um momento de "aviso" para as tie-ins. A sensação é de estar na metade da história, mas com certeza muita coisa ainda vai mudar.

Cuba: Lois & Clark de volta, os Titãs reunidos... Esses foram spoilers soltados por Deimos! Continuo com a opinião de que Telos ainda volta para salvar o dia. Conquistando a Convergência e banindo Brainiac, Deimos agora quer ser o Overlord de tudo, com mais três edições a caminho, realmente não consigo ver o que mais pode aparecer pela frente, já que de lutas entre cidades, passamos para uma saga medieval épica. Esse fim promete.

Sid: A série principal melhora a cada edição!
Com o vilão Deimos tomando o controle da guerra da convergência e o passado de Telos revelado o futuro da série parece algo completamente incerto e surpreendente. Edição com lutas muito boas e lindos desenhos de Andy Kubert.

Convergence: Super-Homem #2 (6/5/2015)
Alex: Que proporção é essa?! O embate do super pré-flashpoint é emocionante e, ao menos para este Clark e para aquele Thomas Wayne de Flashpoint, confuso e intrigante. A felicidade de Clark e Lois é inversamente proporcional à de Thomas... Um homem que perdeu seu filho e sua esposa, perdeu sua família, vendo outra ser criada, na frente de seus olhos... Jurgens consegue criar um roteiro tanto alegre para o Super, quanto trágico, para o Batman. Nasce uma lenda, talvez? Será que o nome "Jonatham Samuel Kent" será tão importante quanto "Clark Kent"? Edição essencial.

Sid: Uma das edições mais bonitas de Convergence até agora. Com o Superman dos pré-Novos 52 se mostrando muito mais forte que qualquer herói de Ponto de Ignição, a edição foca no parto de Lois e na interação deles com o Batman da outra terra. Espero ver esse Super de novo.

Convergence: Liga da Justiça #2 (6/5/2015)
Alex: A brutalidade do Rei dos Sete Mares - o Aquaman - do universo de Flashpoint é absurda. A revista finaliza a história da semana passada com brutalidade e brigas. É legal, também, ver como Kara-El resolve a situação, e nos faz lembrar que não haviam kryptonianos hábeis na saga de Flashpoint. Bela edição, com o triunfo das garotas da Liga. Divertido e emocionante!

Sid: Edição muito violenta e surpreendente.
No combate marítimo entre a Liga da Justiça feminina e o exército do Aquaman a batalha tem proporções astronômicas. Com um final chocante, foi a melhor edição dessa semana, de longe.

Convergence: A Questão #2 (6/5/2015)
Alex: O texto forte e a narrativa sincera da Questão, de novo, conquista. Pode não ser o desenho mais bonito da semana, mas as histórias da Renee Montoya são sempre de refletir e pensar; e aqui não foi diferente. Com um tamanho ideal, a história se finaliza com maestria. A Renee faz muita, muita falta. Revista impressionante.

Sid: Greg Rucka junta 3 das minhas heroínas favoritas da DC: a Questão, a Batwoman e a Caçadora. E enquanto muitos se concentram na guerra entre mundos elas se concentram em uma só coisa: salvar o Duas-Caras de sua própria destruição. Edição fantástica com os personagens únicos do pré-flashpoint.

Convergence: Titãs #2 (6/5/2015)
Alex: Os Titãs juntos, de novo! Entretanto, a revista trás um protagonismo complicado por parte de Roy: ele está fazendo a coisa certa? Por mais que o "background" seja bem legal; a história é muito em larga escala para somente dois capítulos, tudo parece um pouco artificial e corrido. Claro, o herói é herói, e o roteiro brinca bem com o leitor. Ainda, conta com um maluco e insano vilão, que gosta de manipular e brincar com as emoções dos outros. Diferente de algumas outras revistas dessa semana, Titãs terá uma continuação em Convergence #6.

Sid: O confronto entre os Titãs e os Extremistas se torna cada vez mais brutal e Roy, o Arsenal, está no centro de tudo. Com a situação pesada envolvendo sua filha, o destino dos Titãs fica nas mãos de Roy. Outra edição espetacular.

Convergence: Força de Aceleração #2 (6/5/2015)
Alex: A edição passada terminou prometendo uma SENHORA briga entre a Diana de Flashpoint, o Flash de pré-flashpoint e do Fastback; mas no final, foi uma briguinha meio bobinha e rápida. A revista não é ruim - é bem desenhada e colorida - mas acho que ela prometia mais do que entregou. Ainda assim é divertido ver o Flash e sua família juntos de novo. No aspecto nostálgico, é um acerto em cheio.
 
Sid: O melhor Flash que existe, o Wally West, enfrenta a Mulher-Maravilha junto de sua família e do hilário Fastback. Edição divertida e emocionante.

Convergence: Asa Noturna/Oráculo #2 (6/5/2015)
Alex: A sinergia de Dick com a Barbara é excepcional. Uma batalha cronometrada e calculada; é divertido ver como uma dupla a distância pode funcionar tão bem. Emocionante e cheio de momentos de deixar o coração quente; a Barbara "fucking" Gordon como oráculo volta a toda a sua glória e
graça em uma edição que mostra como um roteiro bem feito aliado à uma narrativa bem posicionada consegue trazer tanto conteúdo em somente 25 páginas. Asa Noturna/Oráculo #1 e #2 são pontos fortíssimos do evento Convergence; revistas necessárias para fãs do universo do Batman.

Sid: Nessa edição o casal de aprendizes do Batman mostram toda a sua habilidade e força ao enfrentar de igual pra igual adversários muito mais fortes que eles. Tanto a luta quanto o desenvolvimento dos personagens ocorre de maneira bem legal e é de sentir falta do Dick de azul e da Oráculo.



Convergence: O Átomo #2 (6/5/2015)

Alex: Olha, está melhor que o capítulo anterior, e isso já é algo, não? Continua bobo e meio chato; com o mesmo papo do Ray querendo vingança. As coisas são um pouco desconexas e é tudo tão caricato que é difícil de aturar. Talvez o Átomo precise de modificações em seu cerne para voltar a ser relevante - e com certeza a sua revista em Convergence não consegue fazer isso.

Convergence: Arlequina #2 (6/5/2015)
Alex: Cara, que edição viajada! Enquanto a participação de Fastback em Força de aceleração não foi das mais legais, o confronto da Arlequina com a Liga da Justiça animal e peluda é bem divertido e inesperado. Ela zoando com os Animais é genial! "Sangue ácido! Martelo Mágico!", haha! A história trabalhou bem a maluquisse da Arlequina depois de ficar quase um ano sem a roupa e a maquiagem e como seu retorno foi marcado por ainda mais loucura. Vale a pena ler.

Convergence: Batman e Robin #2 (6/5/2015)
Alex: Puts, que edição chatinha... Não acontece quase nada de diferente que a anterior prometeu, para ser sincero, e vem junto com um desenho horrível e um diálogo bobo no final de Bruce com Clark. É um pouco chato ver que Batman & Robin não acrescenta muito a Convergence... Bem, a revista ao menos entrega uma luta, acho que é o que prometia. Uma pena que não vai além.

Sid: Essa edição até é um pouquinho melhor que a passada, mas esses desenhos terríveis não ajudam em nada. Com um confronto frenético entre a turma do Batman e uns personagens que nunca vi antes tão bizarros, a edição mostra só um combate sem muita emoção. Bem fraca.

Convergence: Batgirl #2 (6/5/2015)
Alex: Stephanie Brown tem, finalmente, seu fim contado. É uma pena, entretanto, que a revista tenha uma luta tão boba e repetitiva em relação às outras revistas da semana; e que os parceiros dela sejam tão inúteis. Poxa, a Cassandra era Batgirl também... Mas bem, Stephanie tem seus pontos finais
postos; dando uma extensão à personagem do pré-flashpoint. É uma revista pra fãs da personagem, para ser sincero, que queria ver como tudo terminava.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Sweet Tooth #02

Estava bastante ansioso para saber o que sairia desta HQ no segundo episódio. A primeira edição foi boa, e poderia esperar tanto uma estagnação da história, como uma reviravolta. Felizmente, o melhor aconteceu.