Avançar para o conteúdo principal

Convergence: Terceira Semana - Análise

Depois da semana focada na Zero Hora, entramos no momento em que Convergence trata da pré-crise do Universo DC, lá dos anos 80, e do universo Tangente! Outra semana com "tie-ins" fortíssimas e uma revista principal que começa, finalmente, a dar seus primeiros passos.


Convegence continua em sua terceira semana, chamando clássicos autores retornando para suas revistas: é isso mesmo, um Novos Titãs com o Marv Wolfman e um Monstro do Pântano com o seu criador, Len Wein. Com a série principal "Convergence" finalmente dando os primeiros passos e tie ins com histórias essenciais, confira o que achamos da terceira semana de Convergence!


Convergence #3 (22/4/2015)
Alex: Não dá pra negar: o desenho de Convergence é muito competente. A história, entretanto, só começa agora. Ainda estamos vendo o pessoal de Terra-2 tentando entender o novo mundo: isso depois de três edições. Ao menos, os crossovers entre os mundos começam a invadir as páginas de Convergence. A vilania de Telos é visível; ele é um cara bem mal, e parece que finalmente - depois de três edições e uma zero - a história vai começar de verdade. O final de Thomas Wayne é impressionante, entretanto. Dá pra ver que este não é um Thomas Wayne que a gente conhecia.

Sid: Com certeza a melhor edição da série principal até agora. A história começa a se desenvolver e ir para algum lugar. As cenas do Batman da Terra 2 contra os vilões do Batman liderados pelo Luva Negra e do Dick Grayson com o Coringa são simplesmente fodas!

Cuba: Morte do Batman sempre é uma coisa trágica pro fã, ainda mais eu que prefiro o Thomas ao Bruce. E aquele tiro na espinha do Dick? Bela referência, até a morte do Coringa teve um toque especial, a lá Frank Miller. Aquela prisão cheia de pessoas relacionados a controle cronológico me cheira a reboot, ein?

Convergence: Batman e os Renegados #1 (22/4/2015)
Sid: Edição ótima com a melhor equipe dos Renegados que já existiu até hoje. Vemos cada um da equipe reagindo de uma maneira em Gotham, e a pessoa mais feliz de todas com a existência da doma: O Metamorfo, que finalmente vive uma vida normal. Ansioso por mais.

Alex:  Batman e os Renegados é o Cavaleiro das Trevas com um extenso grupo de meta humanos - que, dentro do domo, são tão sem poderes quanto o próprio Bruce. Este é o "novo normal", nome que o capítulo leva. O desenho da edição é muito bonito, ao mesmo tempo que introduz e trabalha um pouco de cada um deste esquecido grupo. A Gotham pré-crise está em ordem, um ano fora de tudo acaba deixando a ordem evidente, e isso preocupa Bruce. O momento da quebra do domo é muito bem posicionado: tiram à força os caras da normalidade - normalidade esta que eles estavam amando, principalmente o Metamorfo. Este é o Batman 'pé no chão', que saiu da Liga para defender seus princípios. Boa edição.


Convergence: Tropa dos Lanternas Verdes #1 (22/4/2015)
Alex: Os conflitos entre Guy e Hal são de tempos atrás; mas Convergence faz bem de trazer o papo de volta. O Guy Gardner mudou muito ao longo dos anos: foi de um general da tropa verde a um lanterna vermelho. O que vemos aqui é meio que o início da carreira dele - roubada pelo domo de Telos. A tropa de um homem só, e ainda, sem poderes. A forma como diversos personagens reagem à
falta de poder é muito bem trabalhada essa semana - e o Guy nesta edição está acabado, chateado e sozinho. O caricato desenho da edição também é bem legal, junto a conversa e briga de Guy com Hal no final.

Sid: Comecei a ler essa edição com bastante preconceito por não ter o Kyle (o maior Lanterna Verde ainda não existia nessa época), mas a história mostrando um Guy frustrado buscando os seus companheiros Lanternas na doma é espetacular!
Amei a luta entre o Guy e o Hal e a próxima edição promete ser uma das mais empolgantes de todas.


Convergence: Gavião Negro #1 (22/4/2015)

Alex: É bem interessante ver como a alguns setores menores da sociedade estão refletindo sobre a ausência de poderes dos heróis, ao mesmo tempo em que o Gavião Negro e a Mulher Gavião estão fora de seu povo, longe disso, sem capacidade de representar o seu próprio povo. A capa da edição é maravilhosa e tem uma arte bonita também. Essa edição, para a mitologia de Convergence, é bem importante: as visões do futuro contam um pouco dos planos da editora para o pós evento. É uma edição com um roteiro legal e bacana, e explora bem o Gavião Negro e a Mulher Gavião nos tempos mais contemporâneos - e contrasta com a importância do Gavião em Novos 52: Fim do Futuro.

Sid: Com certeza uma das edições mais divertidas e surtadas até agora de toda a Convergence.
Vemos o Gavião Negro e a Mulher Gavião ainda agindo como heróis voando e combatendo o crime. Edição nem foca no combate entre realidades, mas mostra o casal lutando insanamente contra inimigos pássaros bizarros.

Convergence: Liga da Justiça da América #1 (22/4/2015)
Alex: O bem trabalhado desenho e empenho colocado nessa edição é ímpar, por mais que o grupo fundado pelo o Aquaman tenha sido pouco a pouco mais esquecidos dentro do UDC. Uma rápida introdução sobre seus membros, mostrando a reação deles ao domo, junta à uma aparição do Sexteto Sinistro, do Universo Tangente. Com cores e desenhos ótimos, é a primeira revista que mostra um cadinho da briga entre os lados. Claro, a maior parte do ponto de vista é da LJA, mas o universo Tangente não é de gente "malvada", eles estão defendendo a própria cidade. Edição fácil de ler e empolgante.

Sid: Edição muito legal que mostra uma formação da Liga espetacular e foca muito mais na relação entre os heróis da equipe do que todo a ideia da doma. Como quase todas as edições, o combate fica mesmo só para o próximo número.

Convergence: Superboy e a Legião de Super Heróis #1 (22/4/2015)
Alex: Já começamos diferente: aqui veremos uma história entre uma metropolis futurista da epoca do pré-crise vs durvale, a cidade dos Cavaleiros Atômicos. Ver o contraste entre este superboy (pré crise) com o superboy da semana passada (pré zero hora) é chocante. De verdade! Superboy e legião dos super heróis é um daqueles quadrinhos que é só legal, mas falta algum motivo a mais. A arte é esquisita e a história não trabalha muito os personagens dentro do domo. Edição que não tira nem coloca; mas a luta entre a Metropolis do século 30 com a Durvale parece bem bizarra e inesperada.

Convergence: Monstro do Pântano #1 (22/4/2015)

Alex: Não é qualquer um: Len Wein, o criador do monstro do pântano, volta para conta uma história que agoniza e mostra um dos seres que tem ligações com o verde - porém, em um mundo alien, aonde a maior ligação que ele tem é com sua sanidade e somente; aonde o verde está morto. Ótima edição, que trabalha a degradação de quem é tirado de seu habitat natural. A arte do quadrinho é, também, uma homenagem às cores e traços da época em que o Monstro do Pântano floresceu nos quadrinhos

com Len Wein.

Sid: Essa semana de Convergence ta muito espetacular!
Len Wein, o criador do Monstro do Pântano volta a escrever o personagem com maestria como era o personagem na sua fase inicial.
A edição mostra uma das mais agonizantes existências dentro das domas de Brainiac.
Preciso de mais uma dessa logo!

Convergence: O Flash #1 (22/4/2015)
Alex: O lindíssimo desenho acompanha a nova vida normal de Barry Allen: isso é tudo o que ele não queria. Sem Iris, sem poderes, sem Central City... Os eventos de Convergence devem levar a isso: trabalhar a reação do personagem ao perder tudo o que estava acostumado e nossa, como acerta aqui. Barry está desolado, desanimado, sozinho... Podemos sentir isso. O Barry pré-crise está refletindo os efeitos do domo de forma única - assim como a luta no final, contra o Superman do universo Tangente. Promete muito.

Sid: Essa semana de Convergence ta me deixando mais e mais feliz. Flash trás uma edição espetacular do Barry Allen vivendo uma vida de solidão e frustração dentro da doma. Tem desenhos belíssimos e promete a luta mais legal de todas as edições dessa semana: Flash VS Superman, o personagem mais forte e e interessante do universo Tangente .

Convergence: Os Novos Titãs #1 (22/4/2015)
Alex: Um grupo ruído e aos pedaços. Os jovens novos titãs nunca foram o grupo mais sem intriga da história, mas ficar um ano confinados, juntos e com a maioria sem poderes, só piorou a situação. Com uma arte bonita e uniformes nostálgicos; essa formação dos jovens titãs é aquela que inspirou diversas adaptações e é a que conta com as histórias mais profundas e sociais que o universo DC já teve. Vê-los desolados e próximos da separação aqui, em Convergence, é um pouco tenso demais - histórias essas de Marv Wolfman, que volta nesta edição em seu lendário grupo. É legal também ver o trabalho para o pessoal do Universo Tangente: não temos uma história unilateral aqui.

Sid: Outra revista escrita pelo grande Marv Wolfman, dessa vez voltando a escrever sua legendária equipe de Titãs.
Os Titãs continuam agindo como equipe mesmo dentro da doma. A relação do Asa Noturna com a Estelar está muito bem trabalhada. Gostei muito de ver os antagonistas da equipe terem um espaço pra conhecê-los, pois não conheço quase ninguém no Brasil que conhece o universo Tangente hahahaha

Convergence: Mulher Maravilha #1 (22/4/2015)
Alex: Mulher Maravilha vem para mostrar que esta terceira semana de Convergence é uma das mais bem desenhadas. A força da Diana é impressionante: é uma personagem MUITO forte; que ajuda os outros, que é boa e defende o que acredita. Essa edição nos faz lembrar que mesmo aquela Diana de tempos atrás também é assim. Claro; a Diana de hoje é bem diferente da Diana do passado - mas fizeram um approach daquela semi-deusa da pré-crise com um estilo mais moderno. A vindoura luta parece que será sanguinária e emocionante.

Sid: Revista bem legal onde relembramos da época onde Diana estava junto do Steve Trevor. Com desenhos muito bons a próxima edição promete um combate brutal entre a Mulher-Maravilha e os vilões vampiros do Batman.

Convergence: As aventuras do Super-Homem #1 (22/5/2015)
Alex: Marv Wolfman está de volta! Kal'El e Kara'El, bem caracterizados com suas personalidades do pré crise (eles se adoram!) tiveram a melhor ideia até então: ir na zona fantasma para escapar do domo e tentar achar uma saída. O que eles não esperavam é que no momento que eles entraram lá, Telos quebrou o domo. Puts. A história da dupla dinâmica de Kandor é antiga - uma das mais antigas da história dos quadrinhos - mas Kara e Kal funcionam bem, como sempre. Ainda; é bem interessante o fato da Kara ter tido uma 'visão do futuro', ela saberá seu fim, afinal? Divertida edição que aposta do "e se?"

Sid: Chega a ser engraçado como um gibi escrito hoje em dia ainda pode parecer tanto com um da década de 80, e é isso que essa revista faz. A história mostra o Superman junto com a sua amada prima tentando escapar da doma pela Zona Fantasma e reproduz de maneira exata a mesma relação dos dois antes da fatídica Crise.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: