Avançar para o conteúdo principal

Steven S. DeKnight fala sobre a gravação de Demolidor


Essa semana saiu o teaser da tão aguardada série da Marvel em parceria com a Netflix e para botar mais pilha ainda nos fãs ansiosos, o showrunner Steven S. DeKnight deu uma entrevista falando sobre o que podemos esperar da série.


No começo da entrevista, coduzida pela IGN, DeKnight obviamente falou sobre o personagem principal, Matt Murdock: "Eu acho que isso é vital para o personagem. Eu acho que Matt Murdock é um dos personagens mais religiosos do Universo Marvel. Seu catolicismo é tanto parte de seu ser quanto parte de seu conflito e eu acho que seria um tanto falso tentar fazer a série sem dar importância a isso."

E ele continua explicando a evolução do uniforme do personagem: "Realmente, a razão pela qual nós começamos com esta versão - a roupa preta, que é extremamente influenciada pela minissérie 'Homem Sem Medo' - tem seus motivos. Este é realmente o início, a formação de Matt Murdock se tornando o Demolidor. Por outro lado, é a formação de Wilson Fisk se tornando o Rei do Crime. São arcos paralelos. Nós não quisemos começar logo com o uniforme vermelho. Queríamos mostrar os primeiros dias dele descobrindo o que estava fazendo, cometendo erros e arcando com isso. No que se refere ao design, tentamos de tudo no começo em seu uniforme, que chamávamos de seu equipamento vigilante. Nós experimentamos várias coisas diferentes para a cabeça. Uma das versões era uma máscara de esqui com os olhos costurados. Tentamos de tudo, até que encontrei algo que me senti bem. E também, voltando para que o 'Homem Sem Medo', eu não posso dizer como será seu uniforme, mas haverá definitivamente uma evolução."



"Quando o vemos pela primeira vez, ele é uma figura muito misteriosa, como você viu no trailer", ele fala sobre o vilão Rei do Crime. "Absolutamente, ele é um eixo central na primeira temporada. Eu acho que não haveria uma maneira melhor de começar a série do que mostrando um Matt Murdock em formação contra um Wilson Fisk também em formação. Somos tão sortudos em ter Vincent D'Onofrio, que é um ator fenomenal e uma pessoa incrível de se conviver. Eu não sei se há outro ser humano no planeta capaz de encarnar, fisicamente, Wilson Fisk como nas histórias em quadrinhos. Eu acho que, sinceramente, ele (D'Onofrio) é o mais perto que podemos conseguir, a menos que você esteja fazendo uma série animada. Nós ficamos maravilhados. Dizíamos 'Cacetada! É o Wilson Fisk ganhando vida!' Mesmo no teaser, quando você apenas o vê de costas em pé na frente de uma pintura, você já tem a sensação de que se trata de Wilson Fisk, o futuro Rei do Crime. Fisk desempenha um papel crucial na 1ª temporada como o adversário de Matt Murdock. Além disso, por outro lado, Matt Murdock é a mosca na sopa do Fisk. O que eu amo sobre esta série é que somos capazes de explorar algumas áreas cinzentas do que é realmente bom e do que é muito ruim, e qual das pessoas é realmente melhor para a cidade a longo prazo."


Ele também comenta sobre Stick, o cara que treina o Demolas: "Passamos várias semanas falando sobre Stick e quem chamaríamos para a série. Eu estava obcecado pela contratação de Sonny Chiba, mas que não deu muito certo. Nós tínhamos mencionado Scott Glenn e eu não sei porque tínhamos deixado isso de lado, mas eu estava assistindo a série 'The Levtovers' e o vi atuando. Ele está em melhor forma do que eu ou qualquer um que eu conheça. Então eu sugeri que todos vissem o desempenho dele em 'The Leftovers' e todo mundo gostou. Entramos em contato com ele e ficamos encantados. Ele leu o roteiro e realmente gostou e disse: 'Sim, eu adoraria fazer isso.' Posso te dizer que um dos pontos altos da minha carreira foi ter conversado ao telefone com Scott Glenn, porque ele é exatamente como você pode imagina-lo. Ele é um cara fantástico. É muito bom trabalhar com ele. Sua imagem de Stick... Ele ficou perfeito nesse papel."


E para terminar, não podia faltar a influência dos quadrinhos para o seu trabalho: "O que eu sempre amei nos quadrinhos (do Demolidor) é que ele tem apenas os sentidos ampliados, mas não super-poderes. Ele é um cara que age no limite e pode se machucar e até ser morto... Eu fui imensamente influenciado pela fase do Frank Miller enquanto crescia, onde Matt estava constantemente recebendo de volta todas as consequências ruins do que fazia. Obviamente, há um pouco de senso de realidade de que ele faz o que faz sem precisar parar num hospital todos os dias. Realmente, ele é como um Batman sem o dinheiro. Ele é apenas determinado. É a pura força de vontade que o faz continuar por um caminho onde qualquer outro homem comum desistiria. Eu também acho que muito do mito de Matt Murdock vem de seu pai, um boxeador e esse tipo de coisa da qual não dá para se desapegar."

O que eu achei de tudo isso? Eu estou literalmente babando por essa série e essa entrevista me deixou até mais empolgado do que o trailer. 

A Marvel sempre trouxe uma pegada mais realista para suas HQs, com personagens mais humanizados, por exemplo, e após tantas produções dá para perceber que eles estão tentando trazer suas características mais marcantes para a tela. O Demolidor é de fato o primeiro de seus heróis que veremos fantasiado (os outros usam um uniforme) e a trama parece explorar bastante o tipo de inquietações que levam um cara, Matt, a colocar uma fantasia para lutar por seu bairro.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Sweet Tooth #02

Estava bastante ansioso para saber o que sairia desta HQ no segundo episódio. A primeira edição foi boa, e poderia esperar tanto uma estagnação da história, como uma reviravolta. Felizmente, o melhor aconteceu.