Avançar para o conteúdo principal

Crise Entrevista: dubladora Leticia Celini

Personagens dublados por Leticia

Em dias como hoje, não tem como não perceber o quão importante são os dubladores no cenário nacional de animações, filmes e jogos. Dubladores emprestam suas vozes para muitos personagens que marcam a infância de incontáveis gerações. O Crise traz uma especial entrevista com Leticia Celini (25), jovem dubladora de Rio Claro (São Paulo) que já deu sua voz para mais de quarenta (!) personagens. Confira!


A lista de conquistas de Leticia é um deleite. Com vinte e cinco anos, a talentosa dubladora nascida na cidade de Rio Claro já trabalhou em mais de quarenta obras. De Cavaleiros do Zodíaco: Lost Canvas até o filme Les Miserábles (2012), Leticia tem uma doce e agradável voz que consegue se adaptar muito bem em cada um de seus trabalhos.

Confira agora a entrevista para conhecer um pouco mais da trajetória de Leticia e conhecer um pouco sobre o mundo da dublagem nacional!

Crise: Antes de tudo, quero agradecer muito você, Letícia, por todo carinho em aceitar responder umas perguntas para nosso site. É muito importante para nós, você não tem ideia! Bem, então vamos direto ao ponto: você está com 25 anos de idade e já dublou mais de quarenta obras? Isso é impressionante! Quando que você começou?

Letícia: Own é um enorme prazer! E obrigada pela oportunidade. Eu comecei em 2009, onde estreei minha primeira participação em Cavaleiros do Zodíaco: Lost Canvas; onde dei voz a personagem Agathia, que é uma garotinha que admira o cavaleiro de peixes, Albafica. Mas se você me perguntar como começou a estrada... vamos voltar uns 10 anos atrás quando eu comecei a ter contato com dublagem através do que chamamos de "fandublagem", que é a dublagem de fã para fã. A partir dali nasceu a vontade de ser dubladora. Anos mais tarde eu me mudei pra São Paulo capital (Sou originalmente de Rio Claro, interior de São Paulo) e comecei a fazer teatro pensando já na carreira de dubladora. Logo após, eu fiz o curso de dublagem e aí fui a luta pra concretizar de vez o meu sonho.

Crise: E desde seu primeiro trabalho você já sabia que queria isso para a sua vida? De onde veio a inspiração para começar a dublar?

Letícia: Sim. como citei, meu primeiro contato com dublagem foi através da brincadeira de dublar, eu peguei tanto gosto pela coisa que pensei: "Porque não?" e fui atrás. Então, digamos, a motivação nasceu daí.

Crise: Você tem alguma influência marcante que foi importante para o início da sua carreira?

Letícia: Acredito que várias pessoas que me dirigiram ao longo dos anos, mesmo em pequenos papéis até os grandes, me serviram como influência e inspiração para que eu pudesse dar o meu melhor em cada trabalho.

Crise: Muita gente acha que dublar é simples e isso é simplesmente um engano. Quais são os principais desafios da dublagem?

Letícia:Vixe! (risos) Acredito que o primeiro deles seja interpretar. Uma das coisas mais complicadas é poder transmitir toda a emoção que a cena pede através da voz, o resto é técnica que você desenvolve com a prática.

Crise: Você nasceu nos anos noventa, provavelmente cresceu assistindo Cavaleiros do Zodíaco. Dublar a Agathia, em Cavaleiros do Zodíaco: Lost Canvas e a Rine em Cavaleiro dos Zodíaco: Ômega devem ter sido trabalhos muito marcantes. Você poderia falar um pouco de seu trabalho nesses dois papeis?

Letícia: Sim! Na realidade, animes em geral, por eu ser muito fã, são trabalhos que me deixam muito feliz e honrada em participar. A Agathia assim como a Rine foi um presente do Hermes, eu ainda tava finalizando o curso quando Lost Canvas chegou na Dubrasil pra ser dublado e pintou a oportunidade; já que minha voz se encaixava na personagem. Jamais esquecerei a sensação de felicidade que foi no momento que comecei a dublá-la! A Rine foi uma participação bem pequena em relação a Agathia, mas me diverti e ainda tive a oportunidade de contracenar com uma dubladora carioca (o que raramente acontece), a Luiza Palomanes.

Crise: Você já dublou de tudo: coadjuvante, protagonista, crianças, adultos, meninos e meninas. Como você enfrenta cada uma destas interpretações?

Letícia: É divertido, e cada um deles é um desafio porque cada trabalho eu tento fazer de um modo diferente; e é legal notar diferentes vozes e interpretações que sou capaz de fazer.

Crise: Já aconteceu de alguma vez reconhecerem sua voz?
Letícia: Já! Na realidade, quando passa alguma produção que eu dublei, amigos ou fãs vem falar comigo, eu fico bem feliz pelo reconhecimento!

Crise: Qual o seu maior objetivo como dubladora?

Letícia: Neste momento eu quero melhorar mais meu trabalho e pegar coisas diferentes que ainda não fiz, como games, além de protagonizar um dia, quem sabe, algum filme pra cinema (no momento, só fiz papeis menores).

Crise: O legal de poder dublar um personagem é colocar um pouco de si no personagem - ou receber um pouco do personagem em você mesma. Alguma dessas duas situações já aconteceu com você?

Letícia: Sim. Têm personagens que me identifico ou que me envolvo emocionalmente, dependendo da situação que ele está. Sou bem emotiva nesse ponto! (risos)

Crise: Qual foi o seu trabalho que você mais ficou orgulhosa de ter feito?

Letícia: Eu não posso divulgar ainda, mas tem um que estou dublando no momento que está me dando muito orgulho! Tudo que eu posso dizer é que se trata de uma produção de animação brasileira e que irá passar na Disney Junior em breve.

Crise: Tudo isso é muito legal. Seus trabalhos são muito amplos. Admito que fiquei boquiaberto quando percebi que era a sua voz na garotinha em Les Miserábles! Animes, seriados e filmes... Qual você mais gosta de dublar?

Letícia: Eu me divirto muito dublando desenhos no geral porque são caricatos; e a interpretação é muito mais expressiva. Exige bastante, mas é muito gratificante.

Crise: O cenário da dublagem brasileira é muito ambíguo: uns amam, outros odeiam. Porque você acha que isso acontece?

Letícia: Bom, eu consigo entender os que dizem que "odeiam" dublagem quando se trata da obra preferida deles; e se a dublagem não teve cuidado algum, entendo a raiva porque acabo me sentindo da mesma forma como fã e como dubladora. Acontece que nosso mercado perdeu o brilho por ter produções que foram mal dubladas e realçou mais ainda a visão desses "haters" sobre a dublagem. Gostaria muito que no futuro, a dublagem possa ser valorizada de uma maneira que tudo que chegue para nós dublarmos venha com um prazo adequado e com exigência de cuidado.

Crise: Vamos falar um pouco de você, então: Me fala, quais eram seus hobbies antes de se encontrar na dublagem? Cosplay, desenho, videogame... Alguma coisa? E você mantém algum deles?

Letícia: Antes, além do básico de ficar na internet (risos), eu jogava video game e fazia cosplay de vez em quando. São hobbies que antes de começar a investir na dublagem sempre existiram e são mantidos com muito carinho.


Crise: É realmente muito legal ter a chance de poder perguntar tantas coisas para alguém tão esforçada e tão talentosa quanto você, falo sério. Ver gente nova tão bacana e simpática - e ainda por cima, dubladora - é sempre algo refrescante e inspirador. Quais são seus planos pro futuro?

Letícia: Own, que isso! Desse jeito vou ficar com vergonha com tantos elogios! Bom, eu não gosto muito de pensar tanto no futuro, eu prefiro me concentrar no presente; mas sei que pretendo subir cada vez mais na carreira, é isso por enquanto.

Crise: sem dúvida é tudo impressionante. Agradeço muito pelo tempo, de verdade. Estamos muito honrados por ter a oportunidade! Espero que você tenha gostado de responder também! Alguma consideração final? Algum agradecimento?

Letícia: Poxa, magina! Eu quero agradecer a oportunidade, a entrevista foi bem bacana e que os leitores gostem né! Obrigada mesmo e até a próxima quem sabe! ;D

Crise: Bem, finalizo aqui a entrevista de Letícia. Obrigado por tudo!

Muito fofa, não é mesmo? Os personagens já dublados por Leticia são:
Agathia (Cavaleiro dos Zodíaco: Lost Canvas); Buddy (ator: Jack Nation no filme Crazt Heart); Becca (Atriz: Leedy Corbin no filme Além do Quadro Negro); Dajalynn (atriz: Dajalynn Sanchez no filme Fada dos Dentes 2), Tifanny (Atriz: Mackenzie Richards no filme Boathouse Detectives); Lucy Bonanno (Junior Master Chef Australia), Joe (Joe & Jack), Jenna (Atriz: Anjini Azhar no seriado The New Normal); Cosette (Atriz: Isabelle Allen no filme Les Miserábles); Vash Ti (Star Wars LEGO The Yoda Chronicles); Bethany Skinner (Atriz: Katherine Evans na série The Killing); Rine (Cavaleiro dos Zodíaco: Omega); Fiona Peyton (Atriz: Mackenzie Aladjem na série Nurse Jackie); Mittens Fluffy and Stuff (Lalaloopsy); Ferris (criança) (Pokémon Branco e Preto: Destino Rivais); Duppe (Elias og jakten pa havets gull); Manna (Hoshi wo o Kodomo); Yachiru Kusajishi (Bleach); Sun-Sun (Bleach); Jordan (Third Bird) e muitos outros trabalhos! Que orgulho de lista!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: