Avançar para o conteúdo principal

Constantine S01E03 The Devil's Vinyl

O clássico suspense cinematográfico. Constantine prossegue sua temporada com histórias menos ambiciosas e mais simples do que muitos esperavam ver para uma adaptação de Hellblazer, mas isso é longe de ser uma real decepção. Veja o que achamos do episódio e não se preocupe: a review é livre de spoilers!



O modelo escolhido por Constantine é simples, datado e objetivo: o vilão da semana. Com histórias cheias de começo/meio/fim, o seriado apresenta personagens chave e situação importantes para a trama a cada semana de uma forma mais segura e sem arriscar muito.

No segundo episódio tivemos Zed. Agora, Papa Midnight - um dos principais "antagonistas" da série Hellblazer. Em uma primeira aparição bem diferente daquela que encontramos nos quadrinhos, o personagem está extremamente fiel ao que conhecemos, seja em aparência, habilidades ou falas.

A história é um pouco bobinha, por mais que bem conduzida com elementos sombrios e assustadores. Mostra como a equipe tem sim a capacidade de apostar mais, porém não o faz.

Os efeitos especiais e o gore está excepcional: tudo está bem sombrio e bem interessante de se assistir. Também conseguimos ver que a equipe por trás da série conhece os quadrinhos: menções a
Mansão dos Mistérios e a banda da adolescência de John.

Infelizmente, um roteiro mais seguro e que não arrisca em nada acaba caindo na mesmice e em uma progressão previsível. O "Deus Ex Machina" dos utensílios mágicos e a incrível coincidência dos fatos subsequentes nos mostram como a série está tentando apostar no mais seguro: nem que isso sacrifique os espectadores.

Porém, vale ressaltar momentos de ímpar criatividade do episódio. A sequencia "punk rock Constantine" foi muito interessante, nos deu um novo ponto de vista da situação toda. É uma pena que o episódio inteiro não tenha sido de tamanha criatividade.

Constantine tenta seguir em solo seguro; porém, não consegue fugir da previsibilidade e falta de criatividade. Sim, ainda estamos em capítulos introdutórios, mas três episódios seguidos com características tão semelhantes pode vir a ser um problema.

Nota 7.5. A introdução de Papa Midnight é marcada por um roteiro não criativo e previsível, mas ainda, gostoso de assistir.
Acertos: Papa Midnight, efeitos especiais, Matt Ryan.
Erros: O medo de não arriscar algo diferente, roteiro previsível, história bobinha.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: