Avançar para o conteúdo principal

Arrow S03E06 Guilty

Um "filler" que tenta ser importante. Desde o retorno, a terceira temporada de Arrow vem para tentar superar o que a série já teve até agora. "Guilty" vem com a proposta de desenvolver, pela primeira vez, Roy na temporada. Será que consegue? Porém, cuidado com a leitura! O texto contém spoilers.


Parece que a terceira temporada de Arrow está tentando apostar em um curriculum mais concreto; com episódios mais "blockbusters", que contam com heróis não olhando para explosões e mensagens para a preservação da família e combate às más influências. Essa fórmula de sucesso "sem muita pretensão" é quase que exatamente o que a CW parece estar querendo com a atual temporada de Arrow.

"Guilty" mostra um pouco mais de um personagem que vem tendo um espaço considerável dentro da série: o treinador de Laurel. Falando nisso, é muito legal a importância que a série vem dando ao mostrar a futura canário em um árduo treinamento. 

É isso mesmo: por mais que a ideia do episódio seja de desenvolver um pouco mais o Roy Harper, isso é uma das coisas que menos temos. E, quando temos, é tudo um pouco ridículo. Vamos aos fatos:
  1. Roy, mesmo tendo a "memória do subconsciente" de anteriores assassinatos, não teria nem como ou porque matar a Sara. 
  2. O mirakuro foi completamente curado. O personagem, nos quadrinhos, já passou por problemas de drogas pesadas e isso já o influenciou a fazer muitas besteiras. Talvez os roteiristas do seriado ou o puritano canal no qual ele é vinculado acabaram achando que o retorno do Mirakuro ia colar. Não colou, uma pena.
  3. Roy não tinha a mínima relação com Sara. Não faz sentido, mesmo com ele sonhando isso "toda noite", que ele tenha perseguido a loira e matado ela. Ainda; o sangue dele "ter resultados inconclusivos" com os testes das flechas arremessadas na barriga de Sara e depois esse fato ser completamente esquecido deixa a trama focada no personagem boba e rasa.
É. E isso é o que temos do Roy no episódio. O resto é o Oliver aprendendo por um outro vigilante nunca antes mencionado na série ou nos jornais de Starling ter ensinado para o arqueiro como se deve cuidar de seu sidekick. É.

Por mais que o trabalho do Pantera na série tenha sido bacana, e ele prosseguir o treinamento com Laurel ser uma coisa super legal; suas cenas de ação são um pouco bobas. A história contada de seu sidekick é um pouco confusa, mas acaba combinando com a essência que o episódio quer trazer.


Os flashbacks servem simplesmente para adicionar uma nova característica ao Oliver Queen. Agora, além de highlander de uma ilha inescapável; ele também tem o dom de aprender (e ensinar) uma meditação avançadíssima em minutos. Os flashbacks nunca estiveram tão irrisórios quanto nessa temporada: seis episódios e ainda estamos na mesma.

Não tem como negar a cara de "filler" (episódio que não acrescenta nada a trama). A série está tirando os temas sociais mais pesados da série e trocando-os por situações mais lights e genéricas. Uma pena. É legal ver que Roy será/foi chamado de Arsenal na série; mas quero ver os culhões da série para colocar os temas que o Arsenal vive: drogas, assassinato, membros cortados para fora e ex-namoradas gravidas. Será que os roteiristas vão ousar; ou permaneceram nos datados e hiper utilizados conceitos de justiça, família e confiança?

Ao menos, temos os "dois últimos minutos" da vez: Carrie Cutter, a cupido, faz sua primeira aparição. Mas não se empolguem. Sem suas pistolas, sua rosa e seu cabelo ruivo curtinho. A Carrie da série aparenta ser bem menos exagerada na série (e com muito mais roupa). Para quem não a conhece; ela é uma vilã do quadrinho dos antigos 52 (bem recente), que é apaixonada pelo Ollie e odeia a Canário. Com certeza, uma aparição inesperada.


Nota 5. Pior episódio da temporada (e talvez da série) até agora. Com cara de filler e personagens muito mal adaptados; os datados e hiper-utilizados temas da série estão começando a dar sinais de arcaísmo; dando uma cara repetitiva e sem conteúdo para a série.
Acertos: Cupido, Wildcat (o pantera)
Erros: Flashbacks sem conteúdo, personagens cada vez mais genéricos, frases de efeitos a toda hora, muitos "deus ex machina", "heróis não olham para explosões", personagens cada vez mais distantes do que são de verdade nos quadrinhos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: