Avançar para o conteúdo principal

Injustiça: Deuses Entre Nós

Após mais de um ano de espera, finalmente chegou às bancas entre maio e junho a versão traduzida de uma das melhores histórias em quadrinhos dos últimos anos: INJUSTIÇA. É claro que nós do CRISE lemos cada uma das páginas da primeira edição brasileira, e está na hora de apresentarmos o que achamos dessa revista. Então aperte o cinto de utilidades, coloque a sua capa e entre no seu avião invisível para conferir o nosso review!


A primeira coisa importante que você deve saber é que esta HQ é baseada em um videogame homônimo. Este game de sucesso traz os maiores heróis e vilões do momento do universo DC Comics em lutas ferrenhas e explosivas. Ele recebeu ótimas críticas, suas vendas foram sensacionais e até recentemente vem participando dos principais torneios de games de luta ao redor do mundo.
Por isso, é até aceitável que um leitor mais assíduo já a considere uma obra descartável, sem um grande apelo artístico ou de narrativa.
E nesta situação é tão bom estar errado.

A versão nacional de INJUSTIÇA traz 196 páginas, capa cartão, e uma das melhores histórias de todos os tempos. Sério, não me refiro às narrativas dos últimos anos, mas sim dos últimos 75 anos de criações desta nossa querida arte. Infelizmente, esta é apenas a primeira parte da história, compondo as edições de número 1 a 6 da versão americana. Não chegamos nem a metade do que já foi lançado, mas mesmo assim já é algo de babar e implorar para que a segunda edição brasuca chegue logo às bancas.

Vamos ao resumo da história: Após um plano dos mais cruéis que o Coringa já armou, onde ele consegue envenenar o Superman com um gás do Espantalho. Ele e sua amada Arlequina conseguem derrubar o Homem-de-aço da pior maneira possível: o fazendo matar a sua esposa Lois Lane que carregava em seu ventre o seu primogênito. Logo em seguida, os vilões usam uma bomba para devastar Metropolis e todos os seus residentes. A vida do "Homem do amanhã" é destruída completamente.
A partir daí, um acesso de fúria incontrolável se abate em Clark, o fazendo tomar decisões que mudará para sempre o futuro do planeta Terra. Heróis se tornarão vilões e vice-versa, amigos deixarão de confiar uns nos outros, e muitos passarão a se perguntar se o que estão fazendo é realmente o certo.
A ditadura vai começar.

É com este clima sombrio de um futuro imperfeito que as páginas de Injustiça são viradas uma a uma. É impactante ver como cada relacionamento é destruído, cada "cor verdadeira" dos personagens é mostrada, cada "verdade" é dita pela boca que menos esperávamos. Parece que por muito tempo, cada membro da Liga Da Justiça mordeu a própria língua para salientar o que via ou sentia. Às vezes nem temos palavras, mas apenas gestos ou olhares que explicam tudo nos mínimos detalhes. O texto de Tom Taylor (Terra 2) é tão competente que mesmo após ler duas vezes, eu acabava voltando para ler mais uma vez uma passagem ou outra que mexeu bastante comigo. Já até dou destaque para cada fala da minha querida Mulher-Maravilha, preste atenção.

O traço muda de mãos com frequência durante a HQ. Cada um com o seu próprio estilo. Alguns mais contemporâneos enquanto que outros mostram um estilo todo próprio. Não há nenhum melhor do que o outro, há apenas disparidades de estilos e nada mais. As cores estão bem bacaninhas, nada de muito sensacional, mas tudo satisfatório, dando a chance para o texto se sobressair.

INJUSTIÇA: DEUSES ENTRE NÓS é maravilhoso porque mexe de verdade com os principais ícones de um universo onde seus heróis são considerados deuses. É engraçado e ao mesmo tempo triste ver que aquele que considerávamos imaculado pode sim ser corrompido e mostrar um lado de que jamais sonharíamos. Ao mesmo tempo, somos obrigados a ver que alguém tão focado quanto o próprio Batman, também está consciente de que está quebrado por dentro, mas que o seu tal "objetivo final" é muito maior do que todo o resto. Você consegue perceber isso logo na primeira página da HQ que mostro abaixo.

Esta é uma história que vai prender o leitor por muito tempo. Há valores que podem ser tirados de suas páginas que para sempre vão ser modernos, pois eles são inesgotáveis. A ditadura, a falta de segurança, a amizade, o amor platônico, a raiva. Todos são temas constantes nesta HQ e devem ser contemplados, pois são apresentados de uma maneira inesquecível.
INJUSTIÇA é o maior exemplo de que os tempos estão mudando, e de que até mesmo os maiores heróis da face da Terra podem ser corrompidos.

Nota Final: 10/10 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Sweet Tooth #02

Estava bastante ansioso para saber o que sairia desta HQ no segundo episódio. A primeira edição foi boa, e poderia esperar tanto uma estagnação da história, como uma reviravolta. Felizmente, o melhor aconteceu.