Avançar para o conteúdo principal

O Limite: Quadrinho nacional.

Hoje, 30 de janeiro, é o dia do Quadrinho Nacional. E para você, jovem, que acha que quadrinho nacional é só gibi infantil da turma da Mônica, só está muito enganado. Com talentos nacionais que atuam em mercados estrangeiros e revistas brasileiras que são incrivelmente não reconhecidas porém apresentam um conteúdo simplesmente esplêndido, entenda o cenário nacional de quadrinhos e se pergunte: "porque não estou dentro dele ainda?"










A banda desenhada nacional - pouco explorada, pouco apreciada e muito rica - fica na boca do povo como "turma da Mônica" e então, paramos por aí. Seguindo os moldes das outras artes, os quadrinhos no Brasil tem um cenário praticamente cem por cento estrangeiro.

A parte engraçada, e poucos fãs sabem, é que lá fora, nas gigantes Marvel e DC, temos muitos artistas brasileiros envolvidos nas principais revistas mensais e encadernados a mais de cinco anos. Ivan Reis, Rodrigo Reis, Mike Deodato, Roger Cruz, Ed Benes, Renato Guedes e - meus favoritos - Gabriel Bá e Fábio Moon
 
trabalho dos irmãos Gabriel e Fábio


Mas estes são desenhistas de editoras que são, principalmente, internacionais. O trabalho deles não é "brasileiro" e seguem a história, o roteiro e o personagem que são de lá fora. Mas ao mesmo tempo é bobagem dizer que estamos limitados em questão de qualidade nacional. Não estamos. Mesmo muitos não querendo enxergar isso.

Ao menos, a sorte está começando a aparecer. Estamos dando indícios de mudança. Sim, de novo fora por causa de Turma da Mônica. O projeto MSP Graphics - muito bem avaliado pelo nosso site, no caso - veio para mudar a forma que a indústria "mainstream" de quadrinhos brasileiros funciona. Produções nacionais, com mentes nacionais, desenhos variados e roteiros intrigantes. Mas isso não veio junto com o MSP Graphics, existe a muito tempo no Brasil, porém, o projeto da equipe de Maurício de Souza, finalmente fez aqueles que "odeiam" criações nacionais abrirem os olhos e perceberem que existe coisa boa daqui de dentro.

E, novamente, contrariando a forma que as pessoas pensam, existe também produções recentes e ótimas do mercado brasileiro de quadrinhos. Coisas que saíram em 2014, e não deixam nem um pouco a desejar.

Recentemente, comprei três revistas nacionais e completamente impressionantes;

Quadrinhos A2
"Quadrinhos A2" (que estreou sua terceira temporada) é um conjunto de histórias com um desenho simplesmente lindinho, que nos trás os melhores momentos de um dia-a-dia aonde sempre, repito, sempre algo está acontecendo.




Iron Man - O Homem sem Nome


"Iron Man - O Homem sem Nome" (que teve o lançamento da segunda parte agora, em janeiro). Definitivamente, o meu favorito. Seja pela arte, pela história, ou por ser completamente único - o exemplar vem com um CD especial, aonde aumenta em muito a imersão da história - me fez pensar na minha vida e em todos a minha volta.




Eu matei o Libório


E finalmente, "Eu Matei o Libório", que apresenta uma história triste e profunda sobre valores e respeito ao próximo, com um desenho simples e contornos fortes, que fazem prender o leitor em uma história rápida e concisa.



A parte trágica de tudo isso? Não vemos tais quadrinhos em bancas do país inteiro - nem nas das grandes capitais. A compra é complicada de ser feita, já que é difícil de encontrar os exemplares, as editoras são pequenas, nada em grande escala... É triste ver a falta de respeito ao quadrinho nacional, ver que as pessoas preferem ignorar por completo a existência da peça só por não ter alguma marca internacional na capa.

Ver o projeto MSP Graphic, da Maurício de Souza, e revistas como "Valente" fazendo sucesso, é delicioso. Agora só desejo que isso continue e se amplie cada vez mais, que o brasileiro finalmente encontre que o trabalho nacional também deve ser valorizado - e que só porque é nacional e desconhecido, não significa que deve ficar numa loja escondida, na última prateleira, atrás de tudo e de todos, onde facilmente cai no esquecimento.

Quadrinistas, roteiristas e desenhistas brasileiros: eu estou com vocês. Saibam que vocês tem um fã, e desejo do fundo do meu coração: feliz dia do quadrinho nacional. Feliz dia de vocês.

Comentários

  1. Muito bom ver HQs nacionais e independentes ganhando espaço! ♥ Parabéns!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

Primeira Edição: a Kryptonita Rosa

Hoje vamos falar da maior fraqueza do Superman: a kriptonita. Aquela rocha saída do núcleo de Krypton, depois que tudo explodiu. A pedra uma certa radiação que faz um mal danado ao escoteiro azul. Com algumas variações, azul, vermelha, branca e dourada, a kryptonita tem uma irmã que nem todo mundo conhece.