Avançar para o conteúdo principal

Bate Papo com Hector Sanchéz

Nesta última BRASIL GAME SHOW, eu consegui bater um papo bem bacaninha com Hector Sanchéz, o produtor do game Mortal Kombat e, mais importante, do game INJUSTICE: GODS AMONG US que traz consigo um senhor cast de heróis e vilões da nossa querida DC Comics.
A conversa foi bem rápida seguida de uma disputa 1X1 na versão Ultimate Edition do game.


Vamos ver o que ele nos disse:

RICARDO: Como foi a escolha dos personagens no game?
HECTOR: Houveram várias discussões entre nós da produção e algumas pessoas da própria DC que faziam questão de certos personagens que estão em alta. Oliver Queen, por exemplo, está aparecendo bastante na mídia por causa do seu seriado, e por isso ele TERIA que entrar no game. Outro exemplo são os personagens de Gotham, já que o Batman é o mais popular, ele acabou tendo mais espaço.

RICARDO: Você tem um personagem favorito e um que não é fã?
HECTOR: O meu favorito é o Superman. Ele é o cara, entende? Poderoso, bondoso, amigo. O cara simplesmente pode ter o controle de tudo se quiser, mas não o faz por ser gente boa (exceto no mundo do game, claro. Agora, por favor não me mate (risos), o personagem que detesto é o Lanterna Verde. Sério. Não sei como os fãs curtem esse cara. Ele é chato, tem um poder limitado, e é cabeça dura. Totalmente o oposto do Super. É claro que ele deveria estar no game, mas não consigo gostar dele. (Risos).

RICARDO: Pôxa, cara, o Lanterna é o um dos meus favoritos. É com ele que eu jogo...
HECTOR: (Risos). Então depois temos que colocar nossos personagens em teste.

RICARDO: Vocês usaram alguma HQ como referência para a história? Você lê quadrinhos?
HECTOR: A ideia principal veio da cabeça de nossos próprios roteiristas na Netherealm Studios que logo foi aprovada pela Warner e pela DC. Há pontos de referência como a HQ "Entre a foice e o martelo" e "Reino do amanhã", mas nada tão contundente. Tudo começou com um simples: "E se o Super endoidasse e dominasse o mundo?". Foi simples assim. Falando sobre leitura, quase nunca tenho tempo para me dedicar, mas há pouco tempo atrás terminei de ler "O Longo Dia Das Bruxas" porque um amigo me indicou. Curti bastante.

RICARDO: Bom, Hector, muito obrigado pelo bate papo.
HECTOR: Eu que agradeço. Continuem jogando o nosso game que continuaremos a trabalhar com vontade.

Após o bate papo, conseguimos jogar duas lutas no game. A primeira luta foi bem disputada, com ambos trocando combos e errando pouco. No fim, eu consegui me consagrar vitorioso com um combo bem dado com o Lanterna Verde. A segunda partida foi ainda mais disputada, e quando nossos dois personagens estavam no último quarto de nossas vidas, ele conseguiu me levar a um combo que me venceu. Infelizmente não conseguimos jogar uma terceira, pois o assessor de imprensa veio chamar pelo Hector.

Foi tudo bem divertido, desde a entrevista até a partida.

Espero que tenham curtido.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

Primeira Edição: a Kryptonita Rosa

Hoje vamos falar da maior fraqueza do Superman: a kriptonita. Aquela rocha saída do núcleo de Krypton, depois que tudo explodiu. A pedra uma certa radiação que faz um mal danado ao escoteiro azul. Com algumas variações, azul, vermelha, branca e dourada, a kryptonita tem uma irmã que nem todo mundo conhece.