Avançar para o conteúdo principal

Arrow S02E04 [Crucible] REVIEW


A cada novo episódio de Arrow, a segunda temporada volta a impressionar mais do que a primeira conseguiu. Com um roteiro mais dinâmico e mais direto, Arrow conquista cada vez mais os telespectadores. Confira o que achamos do episódio aqui, mas cuidado, a review pode conter spoilers.







Desde o início da temporada, somos bombardeados com uma cidade "pós" terremoto. Depois de quatro episódios, ainda somos afrontados por tal acontecimentos. É legal ver no que tudo deu, mas já está começando a ficar um pouco enjoado. Ainda não é um problema, mas de pouco a pouco fica um pouco irritante. De qualquer forma, assim começamos [Crucible]; o quarto episódio da segunda temporada de Arrow.

A primeira coisa que mais conseguimos ver agora é a vida dupla de Oliver. Antes ele só queria completar objetivos; agora ele tem que enfrentar ser tanto o Oliver Queen, CEO de sua própria empresa que pode entrar em decadência e ser o Arqueiro ao mesmo tempo. Essa ambiguidade deixa o clima da série cada vez mais interessante.

Ao mesmo tempo que somos apresentados a um novo Oliver e uma cidade que enfrenta sua própria superação, o roteiro do presente é forte e consistente. Desde o início vemos, novamente, a interação "Oliver-Felicity-Diggle"; o trio fica cada vez mais unido e isso empolga cada vez mais, principalmente por Felicity; que mostra fatos e evoluí em casos, não só pesquisa por novidades.

E somos então apresentados de vez à Canário Negro. Sua introdução é forte e interessante. A ideia de colocar a personagem como uma humana muito bem treinada com alguns aparatos tecnológicos é interessante. Logo somos apresentados à verdadeira identidade da personagem: Sarah Lance, a irmã "morta" de Laurel. Isso tudo cria conflitos interessantes em tudo o que tínhamos até agora na série.

Também vemos os flashbacks. Menos frequentes que em episódios anteriores - porém bem mais intensos - os flashbacks mostram praticamente uma nova ilha. Quem são esses caras? O que eles querem? E o que Sarah está fazendo aí?

A Canário Negro é sem dúvida a parte mais interessante do episódio. "Nenhuma mulher deve sofrer na mão de um Homem". Ela tem a característica, a roupa e as habilidades da Canário original, e é uma boa adaptação.

A reputação de Oliver é incrível também. Ele como o vigilante consegue mexer em tudo e todos, e não só em Starling City. Isso é legal de se ver: existem outros lugares aonde outras pessoas vieram. O Oliver se mostra mais preocupado também, e isso é uma boa adição ao personagem. Infelizmente, as relações entre Oliver e o senador Blood não são das melhores: estão cada vez mais repetitivas, isso porque o personagem foi apresentado à pouquíssimo tempo. O mesmo pode-se dizer de Isabel Rochev; as coisas estão começando a ficar mundana entre eles.

Seguindo a "moda" do episódio anterior, também temos outra menção à algo do universo DC, nada mais nada menos que os laboratórios STAR. É interessante ver o cuidado "passo a passo" que o pessoal da DC está tomando para a direção dos episódios de Arrow.

Novamente com um final empolgante, Arrow impressiona novamente., Não, não foi um episódio tão bom quanto o da semana passada, mas foi interessante. É mais um motivo para continuar assistindo a série e sem dúvida uma sensação interessante de tantos pontos sem fim. A única coisa que peço é que não criem muitas dúvidas e não tenham culhões para respondê-las.

Nota 8.75 Com momentos curiosos e relações repetitivas, o episódio é uma amostra de como a série pode admitir algo mais"lento" e mesmo assim não perder a qualidade.
Aonde o episódio acertou: Sarah Lance, menções ao universo DC, flashbacks intensos, O grupo de Oliver
Aonde o episódio errou: Flashbacks escassos bem no momento interessante deles, relação meia-boca com o senador Blood, capítulo cria mais expectativas que talvez não consigam ser resolvidas ao decorrer da temporada.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: