Avançar para o conteúdo principal

Arrow S02E03 [Broken Dolls] Review


É. Talvez se você, jovem, estiver com o nariz torto com Arrow se impressione. Caso não tenha ficado impressionado com a primeira temporada (tem como?) e ainda não encontrou um motivo para assistir/amar a série, Broken Dolls pode ser uma boa opção. Talvez até mesmo para você entrar no mundo da DC de vez. Mas cuidado! A review do episódio pode ter alguns spoilers!





 O "Cavaleiro das Trevas" dos seriados. O "Watchmen" de adaptações à seriados. O "tapa na cara" que  Agent of SHIELD tava merecendo (risos). Isso é Broken Dolls. Deixa eu explicar o que acontece no episódio:
  • Referências à um multiverso da DC
  • Menções ao Metamorpho
  • Uma garota meio rebelde chamada "Sin" (!!!)
  • Barthon Mathis
  • Jean Loring, o Eclipso (ou, se preferir, um Lanterna Negro) (!!!)
  • Ra's Al Ghul.
 Acho que isso é, a princípio, só um bom motivo de você AMAR esse episódio. Mas tem mais. Muito, muito mais.

Começamos tudo isso com uma Canário Negro mais real e mais "bad ass". Principalmente pelo fato dela estar completa, e com completa digo com grito supersônico e tudo mais (no seriado, é um aparato potente) , sua fantasia, sua máscara, seus cabelos brancos e suas pernas potentes. Defendendo as mulheres e batendo em caras malvados.

 Além disso, temos os Flashbacks, cada vez mais interessantes. Agora eles mostram vínculos mais próximos entre Oliver e Slade, além de consequências para cada uma das ações errôneas tomadas. Não contente, ainda apresenta uma história e acontecimentos tensos e reais.

Voltando ao presente... E que presente! Não bastasse as CONSTANTES referências ao universo DC, com constantes números 52 por aqui e ali, a história vai tomando forma. Um caso do passado de Quentin Lance volta a tona. E quem é ele? Nada mais nada menos que Barthon Mathis. O DOLLMAKER! Pouco a pouco, Quentin se mostra cada vez mais tenso e real. A história vai de pouco a pouco conquistando qualquer sensação do seu corpo.

Um vilão de peso merece um sentido à altura. Fugitivo da prisão graças ao terremoto, Barthon é um maníaco de primeira. Não só o ator interpretando-o muito bem, é um antagonista de primeira. Ao decorrer do episódio, suas loucuras são dignas e deixam qualquer um maluco. Ele é inteligente e malévolo, ao mesmo tempo.

Esse episódio é, definitivamente, o que qualquer adaptação do Arqueiro deveria ser. Um trama policial apertada e tensa, com momentos rápidos e confianças necessárias. Desde o início da série tenho imaginado um episódio à altura disso que tivemos. Isso é Arqueiro Verde. Esse é o justiceiro sem tempo para perguntar e muito menos para agir, que arranja uma brecha pra poder seguir seu caminho.

Ao mesmo tempo que isso tudo acontece, Roy também brilha MUITO no episódio. Ele é praticamente o ajudante que o Arqueiro precisa. Seguir a Canário não parece ser tão fácil, e de pouco a pouco, vasculha cada vez mais sobre ela. Até que uma tal de Sin (É, DC, Eu vi o que você fez aí, sua danada) aparece para salvar o dia - ou quase isso. Do outro lado da moeda temos Thea e Moira. Moira que está numa difícil situação de, literalmente, vida ou morte.

Entre isso e aquilo, temos também uma menção rápida ao nome Jean Loring e ao nome Metamorpho. Lanternas Negros, DC? Ou só mais um truque para mexer na nossa cabeça? Haha!

Aqui vimos ao que Laurel estava sendo preparada desde o início. Vemos a personagem de vez "descer do salto alto". Suas lágrimas caem e cada vez mais, Laurel fica uma personagem mais coerente e importante na série.

Canário, que foi mencionada à pouco, mal aparece e já brilha muito no episódio. Principalmente quando somos introduzidos ao nome menos esperado possível: Ra's Al Ghul. O que ele tem em tudo isso? Qual a história dela com ele? Será que é daí que suas habilidades excepcionais saíram? Arrow fica, cada vez mais, uma série intrigante e emocionante. Um acerto decisivo dentro de tudo o que a DC vem fazendo em anos. Da mesma forma que ela recriou os jogos de super heróis com Batman: Arkham Asylun, está recriando as adaptações de quadrinhos à TV com Arrow. Arrow está indo muito mais além do que Smallvile já tentou chegar e não conseguiu.

E, não contente, temos um final INCRÍVEL com os Flashbacks. Um final tenso e digno de surpresas. E com mais uma indireta da DC: E esse navio com "Amazo" atrás, ein? Eu percebi isso!

Nota 9.8. Broken Dolls é o tapa na cara de qualquer cético em relação à série e mostra que Arrow ainda tem muito a impressionar.

Aonde o episódio acertou: Referências ao universo da DC, adaptação da história, melhora nos personagens, efeitos do episódio, um vilão decente, uma história envolvente, um final interessante.
Aonde o episódio errou: Matar o vilão :(

Comentários

  1. Cara, a serie não respeita os personagens DC, voce acha bacana deixar tudo realista a ponto de trocar o grito sonico da Canario, por uma merda de aparelho tecnológico? cara isso é renegar as origens, O Conde Vertigo é apenas um louco chapado, e não tem aqueles poderes legais de controlar a mente das pessoas, o Vagalume não tem o jatpak super foda das HQs, mas é um bombeiro revoltado, simplesmente eles estão descontruindo todo um universo fantástico que a DC possui, e voce e todos os fans da serie acha bacana? e pode apostar, com esse tom realista eles nunca vão introduzir o Metamorpho com os poderes das HQs, com certeza vai ter uma explicão realista. Agents of SHIELD pode ser regular, mas uma coisa voce não pode negar, A SERIE NÃO TEM VERGONHA DE SER BASEADA EM UM UNIVERSO DE QUADRINHOS.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pô cara, não é vergonha. O seriado começou como um teste, pra ver se o público gostaria de seguir um herói na tela da TV, assim como foi com o Flash dos anos 80.
      Como Arrow acabou recebendo ótimas críticas, Shield foi lançado no embalo e, ainda aproveitando essas 'boas águas', o seriado do Hourman já está idealizado e Barry Allen até vai aparecer em Arrow que, logo em seguida, ganhará uma série solo, fazendo o Flash retornar para as TVs.
      Isso é prova de que o Universo DC está crescendo muito bem na CW, tanto é que mudaram o intuito da série 'sem poderes', colocando citações a pílul Miraclo, as Indústrias Metamorpho e ao Dr. Ivo.

      Eliminar
    2. Essa é a primeira Canário cara! Nos quadrinhos a primeira canário era a mãe da Laurel e também não tinha o grito! Você como Leitor deveria saber! Quando a Canário for a Laurel ela poderá ter!

      Eliminar
    3. Arrow é uma releitura, não uma adaptação. A "falta de vergonha na cara" de mudar e deixar os personagens mais "característicos para uma série de TV e para um possível multiverso" é o que se deve dar crédito em Arrow.

      Não, amigo, você nunca ia ver o Conde Vertigo, o Vagalume ou o Doll Face num filme. Desencana, eles não são vilões grandes; então a série os utiliza para "homenagear" os quadrinhos e criar uma trama envolvente sem se preocupar em "adaptar", mas sim para "recriar".

      As coisas que são "adaptações" são bem claras em Arrow. E são essas as coisas que são bem próxima dos quadrinhos; como por exemplo a Canário (porque, não, ela não teve sempre o super-grito), a Huntress, o Oliver Queen, o Flash e até mesmo o Exterminador. Eles sim são personagens grandes que merecem ser adaptados, e não recriados.

      Arrow é uma "homenagem à arqueiro verde" com alguns pontos muito fiéis e outros muito NÃO FIÉIS aos quadrinhos, assim como um filme de Super Herói é. Quer um exemplo? Assista novamente a trilogia de Nolan do Cavaleiro das Trevas e você vai ver como alguns pontos são adaptações e MUITOS OUTROS são um livre-arbítrio.

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: