Avançar para o conteúdo principal

Superman #0

Superman #0 - Mix Panini
Nota final: 6,5


As edições de número 0 dos Novos 52 servem para mostrar as origens (tanto novas quanto muito bem conhecidas) de seus personagens icônicos. Obviamente, Kal-El não ficaria de fora dessa. Com Superman 0 - R$ 10,90 pela Panini - conhecemos um pouco mais sobre o mundo dos “Supers” às vezes em grande estilo e às vezes com propensão a ser ridículo. Aqui nada é perfeito, mas há bons momentos.


A HQ se divide em muitos títulos que vão desde Supergirl 0 a Action Comics 10. Tem até um Superman Annual 1 no meio, o que é curioso por si só. O pacote consegue satisfazer pela sua variedade e quantidade de páginas (132), mas não por suas histórias.
O destaque positivo vai para os primeiros dias de Clark em Metrópolis em Action Comics 0, em como ele consegue arranjar um lugar para morar e seu primeiro emprego, isso sem contar na parte curiosa sobre ele mandando fazer as suas primeiras camisetas com o lendário S no peito. A minha história favorita é apresentada nos últimos momentos de Kara na queda de Krypton enquanto seus pais brigam por causa da burocracia e tradição que envolvem o planeta. Tudo é tão lindo e dramático que em muitos momentos me peguei aplaudindo com a revista no colo.  
A arte de ambas as histórias é satisfatória, nada extraordinário, mas servem para os ótimos roteiros das mãos de Grant Morrison (Action Comics) e a dupla Michael Green e Mike Johnson (Supergirl). Infelizmente não posso dizer o mesmo das outras histórias.


Em Superman Annual 1, o traço incomoda por ser completamente irregular. Há uma página onde ele funciona bem, mas logo na seguinte há uma queda de qualidade tão estrondosa que a deixa medíocre. O texto dessa história segue o mesmo ritmo, com diálogos longos e sonolentos, mas que de repente conseguem mostrar a melhor parte de toda a HQ (vide o momento onde o Super conversa com Helspont sobre qualquer tipo de vida). Essa gangorra me incomodou muito, pois é possível ver que uma boa ideia não foi bem trabalhada.


Há outras histórias, mas nenhuma merece o devido destaque positivo, como um colega editor certa vez me disse: “às vezes é melhor nem comentar sobre o ruim, pois ignorá-lo é a melhor forma de criticá-lo.”.

Somando tudo, o pacote vale por algumas histórias bem colocadas e por pequenos pedaços que ajudam a entender melhor o que vimos previamente. Ah! Também há um pôster cuja imagem é a mesma da capa, e por isso ficará melhor guardada em sua gaveta assim como esta edição.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: