Avançar para o conteúdo principal

Superman #8 e #9

Por causa do imenso atraso deste que vos escreve, decidimos fazer análises compiladas das mais recentes aventuras de Kal-El. Desta forma, os números 8,9,10,11,12 e 13 serão analisados em duplas, e futuramente voltarei a trabalhar em textos sobre revistas únicas.
Aqui começa a análise dos números 8 e 9.


Superman #8 - Nota final: 5,0


Como sempre, esta HQ é um mix de três: Superman, Supergirl e Action Comics.
Na primeira, Kal-El recebe uma proposta para juntar-se a um alienígena e dominar o mundo, é claro que ele se recusa e desce pra porrada.
Em Supergirl, Kara enfrenta as sensacionais arrasa-mundos em um combate violento.
E em Action Comics, o Super enfrenta o Colecionador de Mundos o que trará grandes consequências para o herói na Terra.


Esta revista é recheada de ação desenfreada. Há muitos “pof, soc, boom”, mas pouca consistência. Os diálogos estão fracos, nada que se sobressai, mesmo em Action Comics com o roteiro de Grant Morrison. Parece que todos decidiram dar as mãos e escreverem sobre porrada. Mesmo assim, há momentos onde arregalamos os olhos com as artes de Mahmud Asrar que finalmente consegue se destacar (ainda bem). Mas a grande decepção é focada na conclusão do primeiro arco em Action Comics. Admito que eu esperava muito mais de um cara como Morrison, mas nada surpreende, apenas vemos o óbvio ocorrendo o que por si só já é algo para me desanimar. É claro que podemos ainda aguardar grandes obras do cara, mas a sensação de que lemos um filmeco de ação e nada mais vai durar por um tempo.
De resto, não há nada muito a se comentar, pois tudo beira o banal em se tratando de roteiros, mas a arte está em um nível bem agradável.


Superman #9 - Nota final: 9,0


Nesta edição que traz um novo arco para o Super, muita coisa nova acontece. Temos duas partes de Action Comics e uma arte de se aplaudir de George Pérez.


Em Superman - “Segredos e mentiras”, Keith Gifen traz um roteiro envolvente enquanto que as artes de Dan Jurgens continuam em alto nível. A história foca em um blogueiro babaca que ameaça trazer à tona a identidade secreta de Kal-El, mas uma nova vilã decide aparecer e causar mais problemas.
Mesmo sendo uma história “básica”, ou seja, luta entre herói e vilã com um babaca ao fundo, ela acaba apresentando uma qualidade quase que impecável, pois nada sai dos conformes, tudo rola redondo, tanto o roteiro quanto a arte. Ainda mais se compararmos com o confronto anterior chatíssimo contra Helspont.


Em Supergirl - “Uma garota no mundo”, sai o mediano Mahmud Asrar e entra o ótimo George Pérez. Além dessa arte magnífica, encontramos um roteiro inteligente e engraçado nas mãos da dupla Mike Johnson e Michael Green. Aqui vemos uma Kara Zor-El perspicaz, mesmo perdida em uma nova vida no meio de uma sociedade que claramente não a entende. Me arrisco em dizer que é a melhor coisa que já li da Supergirl, e por isso me empolgo com as próximas edições.


Já nas duas pequenas histórias de Action Comics - “A maldição de Superman” e “Poder executivo”, vemos uma realidade alternativa onde o presidente Calvin Ellis é, na verdade, um super herói muito similar ao nosso Homem Do Amanhã. A história é gostosa, interessante, mas extremamente passageira. Ela serve mais como uma anedota, mas vale a pena cada diálogo e cada piadinha. É, com certeza, uma boa transição para o que anda está por vir nesta HQ.


No geral, Superman #9 não apenas agrada, mas surpreende com textos de muito bom gosto e artes bastante competentes.

Esperamos que continue assim.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: