Avançar para o conteúdo principal

Liga da Justiça #12

Liga da Justiça – #12 Mix Panini (Nota: 6,0)


Liga da Justiça #12:


Isso sim que é uma edição emocionante e problemática.
Lotada de ação, embate final com vilão, novos romances, novos problemas e novas equipes. É até difícil escolher por onde começar.


Primeiro Graves mostra que não é o terrível vilão que pensamos que era, e sim só um velho desesperado em ter sua família de volta. 
Mas apesar da boa intenção (um tanto quanto doentia) do Graves, é completamente inaceitável ver o Flash falando:
"Ele estava tentando ajudar a todos. E isso é mais do que já fizemos."


Antes de começar o meu argumento preciso dizer:
PORRA!
O Flash está realmente dizendo que trazer os fantasmas dos mortos de volta a vida é maior do que tudo que eles já fizeram? E todas as vidas que eles salvaram? E todas as pessoas que ele ajudaram e deram alguma esperança?


Desculpe pela minha irritação sobre este assunto, mas essa frase vai contra todo o conceito do herói que a DC trabalhou desde sua criação.
Não estamos falando de anti-heróis que não de importam com ninguém e só querem a sua vingança.
Qualquer pessoa que já leu ou assistiu algo da DC sabe que os heróis dedicam suas vidas para tornar o mundo um lugar melhor.
Essa frase infeliz fez o Geoff Johns cair muito no meu conceito.
Por causa de una frase ingrata e deprimente.


Agora, o fato dessa edição ter nove arte-finalistas diferentes é só um detalhe hilário que ilustra bem a falta de organização dessa revista.


E esse beijo do Superman com a Mulher Maravilha?
Nas edições anteriores eles estavam trabalhando a relação deles e se aproximaram tanto que eu nem percebi?
Completamente forçado e comercial.


De empolgante de verdade temos os previews do que virá em breve na revista da Liga e o anúncio da nova equipe que promete chutar esta para longe:
A Liga da Justiça da América!
Nem quero imaginar uma DR desses dois...


Capitão Átomo #12:


Para quem pensou que o Nathaniel queria provar algo realizando os desejos das pessoas, não acertamos, ele só queria se divertir e tentar acabar com o sofrimento das pessoas ao seu redor. 
Mas os resultados desastrosos de suas ações provam mais uma vez que ele não se encaixa mais na categoria de "uma pessoa normal".


E com isso o Capitão Átomo toma a decisão, que já era esperada a um bom tempo, de se afastar da humanidade.



Liga da Justiça Internacional #12:


Citando o Galvão Bueno: ACABOU! ACABOU!
Sim! Essa é a ultima edição desse desastre de revista chamado Liga da Justiça Internacional.
Revista a qual quase destruiu o legado incrível e espetacular da LJI original por ser tão horrorosa.
É com um enorme prazer que eu me despeço desta revista, que nessa edição, pela primeira vez desde que começou a 12 meses atrás, me faz terminar a leitura com um sorriso no rosto e a satisfação de nunca mais ter que ler isto na minha vida.

Comentários

  1. Haha, essa história do beijo é totalmente forçada mesmo, a relação dos 2 era praticamente inexistente, e até uma edição atrás o Steve Trevor ainda era o preferido.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Primeira Edição: a Kryptonita Rosa

Hoje vamos falar da maior fraqueza do Superman: a kriptonita. Aquela rocha saída do núcleo de Krypton, depois que tudo explodiu. A pedra uma certa radiação que faz um mal danado ao escoteiro azul. Com algumas variações, azul, vermelha, branca e dourada, a kryptonita tem uma irmã que nem todo mundo conhece.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.