Avançar para o conteúdo principal

Tropa dos Lanternas Vermelhos #02

Tropa dos Lanternas Vermelhos - Encadernado Panini
Nota: 5,5

Nesse segundo encadernado, reunindo as edições de 8 a 12 e a Edição 0 de Red Lanterns traz a conclusão do motim dos Sangue de Napalm, a primeira saga da revista e a origem de toda a ira de Atrócitus na edição especial, comemorando 1 ano de reboot.








Tropa dos Lanternas Vermelhos #08 a #12

Continuando com o motim de Bleez contra Atrócitus, vemos a Tropa inteira se dividindo entre os dois cabeças de todos os Vermelhos. Enquanto do outro lado do mundo, o humano que acabou de entrar para o time, está num dilema entre sua verdadeira identidade, John Moore, e o lado da ira total, Rankorr. Bem que poderiam escolher um nome menos piadista... E só pra constar, como ele era chamado de Jack pelo avô, no decorrer da história, esse nome também é muito usado.

Após a pele de Krona ser roubada, uma das primeiras criaturas que Atrócitus criou para ser sua tropa de vingança e deu errado, acorda de uma morte ha muito esquecida. Um novo foco é dado a história, que passa a acompanhar Atrócitus na procura desse ser fugitivo, que acaba infectando a bateria vermelha central, causando a morte de grande parte da Tropa.

Bleez vai para Zamaron em busca de respostas, rejeita um anel Violeta e volta para casa.

O humano Jack Moore, em sua viagem pelo espaço a procura de esclarecimento, acaba aceitando seu lado transbordado pela ira e vira definitivamente Rankorr, ajudando Atrócitus a matar o ser deformado que infectou a bateria. Com todos os Lanternas Vermelhos mais uma vez reunidos em busca da Ira e vingança pela morte dos companheiros, a bateria que estava na beira da morte, renasce.

Com o roteiro fraquíssimo de Peter Milligan, a revista tem seus três focos pessimamente cuidados, não dando enfase em nenhum e misturando tudo no final, sem qualquer explicação, só o resolvimento do 'problema'. A nova abordagem dada a Atrócitus é digna de uma poça de chorume bem grudento. A arte dos cepítulos do encadernado vagueia pelas mãos de diversos desenhistas e, nenhum deles, consegue fazer você parar e querer prestar atenção nos detalhes da arte. A 'participação' do Stormwatch só serviu pra deixar um futuro entre os dois grupos em aberto. Nota 4,0


Tropa dos Lanternas Vermelhos #0 - Atrócitus: A Segunda Profecia

Diferente das doze edições anteriores, Milligan nos traz um argumento muito mais apreciável do que o conjunto de chorume anterior, embora Atrócitus ainda demonstre um pouco de 'amor' antes de se tornar o primeiro Lanterna Vermelho, é nos mostrado que, antes de ter seu planeta ser completamente dizimado, ele era um pai cuidadoso que amava sua mulher e filhos. Ao ser o sobrivivente final, os Quatro Demônios, que anteriormente ao reboot, o acompanhavam no mundo prisão de Ysmault, enquanto Abin Sur os visitava para ouvir as profecias da Noite Mais Densa, aparecem e tem um pouco de sua história explicada.

Os traços de Ardian Syaf nos levam pela origem da Tropa, desde os séculos de luta atrás de vingança, a morte dos sentimentos de Atros, até a fundição da primeira Lanterna Vermelha. Nota 7,0

Comentários

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Primeira Edição: a Kryptonita Rosa

Hoje vamos falar da maior fraqueza do Superman: a kriptonita. Aquela rocha saída do núcleo de Krypton, depois que tudo explodiu. A pedra uma certa radiação que faz um mal danado ao escoteiro azul. Com algumas variações, azul, vermelha, branca e dourada, a kryptonita tem uma irmã que nem todo mundo conhece.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.