Avançar para o conteúdo principal

Juiz Dredd Megazine #1

Juiz Dredd Megazine #1:                                                                                     (Nota: 8,0)
Existem coisas que você nunca acreditaria que podem acontecer: 
O Alfred matar o Batman, o Wolverine virando gay (ops, isso já aconteceu), um filme do Preacher, um CD novo do Pink Floyd, uma revista mensal do Juiz Dredd no Brasil.

É com uma enorme felicidade que eu lanço este review de uma das revistas mais legais de todos os tempos!


Mas primeiramente deixem-me explicar o esquema desta revista:
A DC, Marvel e outras editoras tem tradição de lançar revistas mensais de 22 páginas de um único personagem/grupo. A 2000 AD é lançada semanalmente na Inglaterra e tem o formato de mix, já muito conhecido aqui no Brasil. Mas a 2000 AD tem o hábito de lançar diversas histórias por mix, resultando em diversos capítulos menos do que a gente está acostumado a ler.
Mas isso é muito bom, porque na chance de você estar entediado com a história de alguma maneira,ela irá ter acabado em poucas páginas. E se você amar a história, com certeza vai sentir muito mais vontade de comprar a próxima edição.

Agora ao review!

Clássicos do Juiz Dredd:



Começamos com uma história antiga do Juiz Dredd desenhada pelo lendário Brian Bolland.
A história tem um enorme ar de nostalgia com seus desenhos e diálogos típicos dos anos 80.
Este capítulo se mostra divertido e acaba mostrando muitas espécies de aliens bizarras de Mega-City Um. Além de mostrar que qualquer faísca é capaz de causar o caos nessa cidade insana.


Área Cinzenta:

Agora somos apresentados a uma HQ completamente inédita no Brasil.
A Área Cinzenta não é nada além de uma zona de check-in para alienígenas controlada pela "ETC".
Acompanharemos um esquadrão da ETC liderado pelo durão comandante Jazen, a novata Birdy, o misterioso e simpático Kymn e a fria Feo.

Nesse primeiro capítulo já vemos que a Área Cinzenta é quase como uma favela de aliens, e diversos deles tentam escapar da Área, dando o tom para esta série.
O roteiro é do excelente Dan Abnett e os traços são de Karl Richardson.


Sláine:

Se algum de vocês achou que a primeira história do Dredd desta edição tem uma estilo de narrativa muito antigo, prepare-se para ler Sláine.
Criado em 1983, Sláine é um dos personagens mais clássicos da 2000 AD.

Com a decisão de publicar as aventuras do mercenário desde a primeira edição, temos um capítulo de narrativa extremamente verborrágica de Pat Mills e belos desenhos preto e branco de sua mulher, Angie Mills.

Começaremos acompanhando a história de Sláine em busca de uma redenção com sua tribo, acompanhado do bizarro e traiçoeiro Ukko, o anão.


Nikolai Dante:

Outra HQ inédita no Brasil.
Agora veremos as aventuras de Nikolai Dante!
Com mais de 15 anos de publicação desta HQ na 2000 AD, Dante é um dos grandes personagens da editora.
Com o roteiro de Robbie Morrison e a belíssima arte de Simon Fraser, Nikolai Dante foi a surpresa mais bem vinda desta revista.

Ambientado em uma Rússia Imperial futurista, Dante é um típico anti-herói extremamente sedutor, inteligente e hábil. Mas no meio de seus golpes Dante é capturado pelas forças imperiais, tendo seu futuro completamente alterado.


Distorções Temporais:

Muitos anos atrás, muito antes de Watchmen, um autor de quadrinhos desconhecido chamado Alan Moore começa a escrever contos para a 2000 AD.
Nessa edição temos Alan Moore em sua primeira parceria com Dave Gibbons em uma história em preto e branco.
Em um conto de viagens no tempo que consegue ser muito bem humorado e criativo em somente 5 páginas, Alan Moore já demonstrava sua genialidade como escritor.


Juiz Dredd:

Antes de ler esta HQ é altamente recomendável ler a apresentação do Juiz que existe algumas páginas antes dessa mesma história.
Este arco mostra o grupo terrorista "Guerra Total" atacando Mega-City Um com o objetivo de derrubar o governo dos Juízes. 
Além de ter Dredd como protagonista, o capítulo mostra bastante outros personagens, em especial a Juíza-Chefe.

Com roteiro do consagrado John Wagner e arte de Henry Flint, Juiz Dredd já se estabelece com a revista mais tensa, violenta e interessante deste mix.
Só crítico a decisão da Mythos de publicar um arco tão novo com vários personagens desconhecidos para o público quando existia a opção de publicar um arco mais clássico que poderia introduzir de uma maneira muito melhor o rico universo do Juiz Dredd.


Em vários locais desta edição, a editora Mythos deixa claro que a continuidade dessa revista depende do sucesso da mesma.
Portanto recomende para os seus amigos e mostre que o Brasil tem um bom público para boas comics!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: