Avançar para o conteúdo principal

Arrow S01E18 [Salvation]

Fortes iniciativas, discussões e uniões. O décimo sétimo episódio de Arrow, - Salvation - vem cheio de novidades e promessas futuras que podem, caso bem trabalhadas, serem muito interessantes. Veja o que achamos do episódio que foi ao ar na última segunda feira, 15/4, pela Warner Bros. Brasil. Mas cuidado! A review contém alguns Spoilers!

Uma sensação de alívio chega junto com a felicidade de ver que tudo esta voltando ao normal em Arrow. Os vilões, o caderno, a história. Alegra também ver um grupo formado de maneira definitiva por Diggle e Felicity. Um ajuda o outro, os dois se completam, e ajudam Oliver. Isso é legal! Assim como um tempo atrás foi bacana ver a criação do grupo, o desenvolvimento não está deixando a desejar.

De qualquer forma, o episódio segue, e é um pouco estranho ver Thea com o Roy. Tudo entre eles aconteceu muito, muito rápido! Eles estão juntos? Estão ficando? Não dá para entender direito o que acontece. O episódio marca, de certa forma, o primeiro encontro de Oliver com Roy; e isso é interessante.

Oliver no qual esta agindo de uma maneira bem mais fria e humana. Ele deixou de ser um sonhador que quer ver Starling City "limpa"; ele agora quer ajudar ela de um jeito próprio. Jeito este que não esperava um conflito que aconteceu no episódio, e isso é interessante. Ele precisar da ajuda de Felicity e Diggle para ao menos entender o que está acontecendo é empolgante.

Os flashbacks não são ruins, eles são emocionantes e evoluem bastante a história do passado de Oliver, e caminha tudo para uma conclusão. Até mesmo isso esta se unindo à história principal! Fica cada vez mais claro o passado de Oliver, as suas origens.

Felicity, novamente, brilha bastante no episódio. Talvez Oliver esteja vendo nela algo que ele via em seu passado na Ilha, enquanto era ingênuo. E Felicity trabalha bastante para melhorar isso, para conseguir se tornar mais "vigilante" e menos "cidadã indefesa". Os erros de Felicity, os acontecimentos no Glades, Malcom voltar à se trajar de arqueiro... tudo começa a se unir, pouco a pouco, durante o episódio; de uma maneira intuitiva e muito interessante de se analisar, e este é definitivamente o maior ponto do episódio. Diálogos interessantíssimos também provam como Oliver mudou desde que chegou de volta da ilha. Quando o assassino pergunta para ele o que eles tem de diferente, Oliver não se segura: "eu sempre ofereço uma segunda chance, você só mata em sangue frio". O que, na maior parte das vezes, é verdade. Isso fa
z você conseguir levar mais a sério o personagem, e não encará-lo somente como um homem vestindo um capuz verde.

Falando em Malcom Merilyn, não tem como não pensar em Moira. Tudo relacionado à ela fica um pouco vago demais... Seus atos, seus pensamentos e suas consequências são um pouco vagas; e isso inclui ela no episódio. Ao mesmo tempo que Diggle, Felicity, Thea, Oliver e até mesmo Roy evoluem bastante, parece que Moira está um pouco estagnada. E também aparenta que ela esqueceu completamente de seu marido que está sumido...

E ao mesmo tempo, tem toda a situação que engloba a Laurel. Sua mãe na cidade, seus problemas com o namoro e com o pai. O clima em torno da situação toda é tenso; mas intrigante. A paixão volta como um tiro, e mesmo que não se importa muito, espera que tudo dê certo. Mas o episódio tem um gosto do inesperado, nunca se sabe o que pode acontecer. E não teve como não ficar empolgado com a mãe de Laurel falando que "irá para Central city" para "chegar em casa num 'flash'". Malditos easter eggs!
 

Nota 8.7 . Um episódio  cheio de conteúdo, coma uma Moira um pouco forçada demais, um relacionamento estranho entre adolescentes e um enredo empolgante que faz ter vontade de ver o próximo episódio

  Oliver Queen é protagonizado por Stephen Amell, a série é dirigida por David Nutter. O seriado tem sua exibição no Brasil pelo canal Warner Bros. Toda segunda-feira, às 22 horas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: