Avançar para o conteúdo principal

Liga da Justiça #08

Liga da Justiça – #08 Mix Panini (Nota: 7,0)

Liga da Justiça #8:

O Arqueiro Verde sempre foi um dos meus heróis favoritos. Lembro de ler as aventuras dele com o Lanterna Verde da Era de Prata, e era uma das revista mais impressionantes da época.
Atualmente ele está em uma fase um pouco conturbada, com uma revista extremamente fraca nos Novos 52, mas com um nova série de TV excelente.
E graças a ele, temos a edição mais divertida da Liga da Justiça até agora.

Ver o Arqueiro Verde brigar, teimar e insistir loucamente para entrar na Liga por toda a edição foi hilário. E juntamente com esse humor a edição apresenta diversos mistérios e questões sobre o que está por vir:
O que é o Team 7? O que aconteceu entre o Arqueiro Verde e o Aquaman? O que diabos aconteceu entre a Liga e o Caçador de Marte?
E ainda provavelmente vislumbramos o começo da Liga da Justiça da América nessa mesma edição.


Carlos D'Anda, que assumiu parte dos desenhos da edição, tem um traço extremamente dinâmico, com estilo cartoon, combinando muito com o clima da revista.
Mas os desenhos do Ivan Reis no final da edição são simplesmente arrasadores, com um dos painéis mais bonitos que eu vi desde que o reboot começou.

E até agora, nada de Shazam...
ÉPICO!!!



Capitão Átomo #8:

Em uma edição surreal, Capitão Átomo encara conceitos bizarros apresentados por Capitães Átomos de várias eras diferentes.
E em meio a essa completa maluquice, Nathaniel recebe a missão de salvar o planeta da destruição total.
Sendo enviado de volta para a Terra em seu último dia de existência, vislumbramos um futuro onde o Capitão Átomo é venerado como um deus por todo o planeta e seus conhecidos sofreram mudanças radicais.

É surpreendente, mas estou realmente gostando desse título, o personagem do Capitão Átomo nunca teve grande apelo com o público, mas essa revista está realmente sendo muito bem trabalhada.



Liga da Justiça Internacional #8:

Essa edição afunda de vez a Liga da Justiça Internacional em um buraco de eterna desgraça e mediocridade. 
Dan Jurgens consegue fazer um trabalho cada vez pior a cada edição, nada faz mais sentido nessa revista.

O fato do Projetor conseguir derrotar o Batwing e o Gladiador Dourado e depois ir embora é uma ofensa a inteligência de qualquer pessoa com mais de 4 anos. Vilões que batem nos heróis e vão embora não deveriam existir!

O roteiro e a arte se mostram completamente vazios e forçados, todas as cenas do hospital são tão idiotas que tiram toda a vontade de qualquer leitor continuar lendo essa revista.

Mal posso esperar a hora dessa HQ sumir do mix.


Crítica por: Sid

Comentários

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

Primeira Edição: a Kryptonita Rosa

Hoje vamos falar da maior fraqueza do Superman: a kriptonita. Aquela rocha saída do núcleo de Krypton, depois que tudo explodiu. A pedra uma certa radiação que faz um mal danado ao escoteiro azul. Com algumas variações, azul, vermelha, branca e dourada, a kryptonita tem uma irmã que nem todo mundo conhece.