Avançar para o conteúdo principal

Arrow S01E16 [Dead to Rights]

Não só por um episódio incrível e de ficar sem ar, Arrow se mostra como uma série que consegue facilmente se superar, mesmo em flashbacks ou no tempo atual. O 16º episódio teve seu roteiro por nada mais nada menos que Geoff Johns, e mesmo se ele não acerta em tudo o que ele faz nas HQ's, pelo menos aqui em Arrow ele foi sensacional. Diferente da maior parte das minhas reviews, esta não contém spoilers! Pode ler sem medo!




Se antes disso tudo, o Vigilante era um mito; uma sombra, hoje ele é um ícone para Starling City. E ver essa evolução de personagem é não só impressionante como natural. Tudo gira em torno dele, e amando ou odiando, agora se é necessário. A situação esta muito grande, até mesmo para o Oliver.

E se "Arrow" é caracterizada por apresentar um futuro incerto e intrigante, a produção faz questão de deixar isso bem, bem claro. Com easter eggs como "Não sei porque meu pai comprou esse canário quando éramos crianças, ele gritava muito alto" e um retorno triunfante de Deadshot; a situação toda em torno do seriado não deixa de crescer e ascender. É difícil assistir o seriado sem se envolver com ele. E claro; nada é perfeito e nenhuma adaptação tem as mesmas falas, mas esta em especial, deixa tudo muito promissor. Se pode fazer muita coisa dentro de Starling City! Dentro deste universo inteiro!

Outra coisa que não pode faltar por batido nesse episódio é Malcom Merilyn. O personagem mostra as caras, e além de muito bem atuado, se mostra como um ponto intrigante na série. Oliver (e muito menos o Vigilante) não sabem que Malcom é o "outro arqueiro"; mas Malcom sabe que o vigilante é ao menos seu "rival". Ele fica chocado, ele muda, ele quer mudar mais. Isso é impressionante! O episódio gira em torno do desejo de Moira de assassinar Malcom, e toda a trama é construída pra deixar o espectador tenso, e consegue. Além disso tudo, faz um trabalho impressionante na festa na qual "tudo vai acontecer".

Claro, nada é perfeito, muito menos ideal. Os flashbacks não são como nos últimos episódios. Desta vez, eles acrescentam pouquíssima coisa, além de não serem tão detalhados. Como sempre; não atrapalha em nada, só não adiciona nada também. É complicado fazer tudo muito bem e muito impressionante. Mas as coisas funcionam bem neste episódio. Talvez o roteiro por Geoff Johns tenha feito muito bem para o episódio, e a introdução de uma nova personagem e uma nova informação no final do episódio sem dúvidas deixa tudo muito impressionante para o retorno da série.

Nota 9.


       Oliver Queen é protagonizado por Stephen Amell, a série é dirigida por David Nutter, O 16º episódio, em especial, teve seu roteiro criado por Geoff Johns e tem sua exibição no Brasil pelo canal Warner Bros. Toda segunda-feira, às 22 horas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Primeira Edição: a Kryptonita Rosa

Hoje vamos falar da maior fraqueza do Superman: a kriptonita. Aquela rocha saída do núcleo de Krypton, depois que tudo explodiu. A pedra uma certa radiação que faz um mal danado ao escoteiro azul. Com algumas variações, azul, vermelha, branca e dourada, a kryptonita tem uma irmã que nem todo mundo conhece.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.