Avançar para o conteúdo principal

Liga da Justiça #07

Liga da Justiça – #07 Mix Panini      (Nota: 8,0)

Liga da Justiça #7:


Depois da fundação da Liga da Justiça, voltamos aos dias de hoje para ver como andam os maiores heróis do universo.

A história tem como protagonista o Coronel Steve Trevor, que tem como foco mostrar a maneira que a sociedade e a política se comportam na presença da Liga.
Enquanto as pessoas os vêem como os grandes salvadores da humanidade, os políticos buscam ter controle sobre algo tão poderoso.


A Liga em si continua a mesma de antes, e a única coisa que me frustra são as personalidades do Lanterna Verde e da Mulher Maravilha.
O Lanterna continua sendo um palhaço estúpido, me deixando com a certeza de que o Geoff Johns não quer que ninguém goste do Hal no reboot. 

E a Mulher Maravilha parece uma maníaca por porrada, deixando a personalidade dela extremamente rasa.

A arte altamente detalhista de Gene Ha nessa edição ficou perfeita, com grande enfoque nas expressões faciais e emoção dos personagens.
Shazam, onde está você?

Agora fica a grande pergunta: onde está a história do Shazam que começava a acompanhar a edição americana da Liga a partir dessa edição?



Capitão Átomo #7:

Novamente, nessa edição vamos falar muito do "primo" do Capitão Átomo, o Dr. Manhattan de Watchmen.

Começamos a edição de uma maneira surreal, com o conceito do tempo surgindo na humanidade.
E então nos deparamos com algo muito mais estranho: o futuro Capitão Átomo à deriva no espaço, com um aspecto completamente diferente e parecendo ter uma consciência absoluta de seus poderes.
Pra mostrar a influência de Watchmen, vemos o "futuro Capitão Átomo" vendo através de diversos tempos, desde Isaac Newton a Darwin, deixando o herói  vendo as coisas de uma maneira cada vez mais parecida com o Dr. Manhattan.

Voltando para o Capitão Átomo atual, conhecemos mais sobre sua origem e o nascimento de seus poderes. Em uma cena também cheia de variações temporais, o roteiro se aprimora completamente e mostra como essa revista tem capacidade de se tornar complexa e genial.

Destaque para a coloração da revista que está muito intensa, criando constrastes que me deixaram boquiaberto.



Liga da Justiça Internacional #7:

Jamais pensei que um pouco de morte e desastre deixariam essa revista um pouco melhor (um pouco).

A Liga da Justiça Internacional é atacada com uma bomba durante a sua apresentação oficial ao mundo.
Com várias pessoas feridas e mortas, a Liga não escapa à essa exceção, tendo diversos membros extremamente feridos e uma baixa: o Soviete Supremo.

Mas a dinâmica dos acontecimentos após a bomba fica extremamente confusa. Ainda mais com um vilão, que fala que nem um adolescente, sendo o responsável pelo ataque. E pra completar temos que aguentar diálogos chatos enquanto os heróis tomam sermões de outras pessoas.

No final da edição temos a aparição do incrível Batwing, mas acho que nem ele vai conseguir salvar a Liga da Justiça Internacional de um eventual fracasso.


Crítica por: Sid

Comentários

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

Primeira Edição: a Kryptonita Rosa

Hoje vamos falar da maior fraqueza do Superman: a kriptonita. Aquela rocha saída do núcleo de Krypton, depois que tudo explodiu. A pedra uma certa radiação que faz um mal danado ao escoteiro azul. Com algumas variações, azul, vermelha, branca e dourada, a kryptonita tem uma irmã que nem todo mundo conhece.