Avançar para o conteúdo principal

Liga da Justiça #07

Liga da Justiça – #07 Mix Panini      (Nota: 8,0)

Liga da Justiça #7:


Depois da fundação da Liga da Justiça, voltamos aos dias de hoje para ver como andam os maiores heróis do universo.

A história tem como protagonista o Coronel Steve Trevor, que tem como foco mostrar a maneira que a sociedade e a política se comportam na presença da Liga.
Enquanto as pessoas os vêem como os grandes salvadores da humanidade, os políticos buscam ter controle sobre algo tão poderoso.


A Liga em si continua a mesma de antes, e a única coisa que me frustra são as personalidades do Lanterna Verde e da Mulher Maravilha.
O Lanterna continua sendo um palhaço estúpido, me deixando com a certeza de que o Geoff Johns não quer que ninguém goste do Hal no reboot. 

E a Mulher Maravilha parece uma maníaca por porrada, deixando a personalidade dela extremamente rasa.

A arte altamente detalhista de Gene Ha nessa edição ficou perfeita, com grande enfoque nas expressões faciais e emoção dos personagens.
Shazam, onde está você?

Agora fica a grande pergunta: onde está a história do Shazam que começava a acompanhar a edição americana da Liga a partir dessa edição?



Capitão Átomo #7:

Novamente, nessa edição vamos falar muito do "primo" do Capitão Átomo, o Dr. Manhattan de Watchmen.

Começamos a edição de uma maneira surreal, com o conceito do tempo surgindo na humanidade.
E então nos deparamos com algo muito mais estranho: o futuro Capitão Átomo à deriva no espaço, com um aspecto completamente diferente e parecendo ter uma consciência absoluta de seus poderes.
Pra mostrar a influência de Watchmen, vemos o "futuro Capitão Átomo" vendo através de diversos tempos, desde Isaac Newton a Darwin, deixando o herói  vendo as coisas de uma maneira cada vez mais parecida com o Dr. Manhattan.

Voltando para o Capitão Átomo atual, conhecemos mais sobre sua origem e o nascimento de seus poderes. Em uma cena também cheia de variações temporais, o roteiro se aprimora completamente e mostra como essa revista tem capacidade de se tornar complexa e genial.

Destaque para a coloração da revista que está muito intensa, criando constrastes que me deixaram boquiaberto.



Liga da Justiça Internacional #7:

Jamais pensei que um pouco de morte e desastre deixariam essa revista um pouco melhor (um pouco).

A Liga da Justiça Internacional é atacada com uma bomba durante a sua apresentação oficial ao mundo.
Com várias pessoas feridas e mortas, a Liga não escapa à essa exceção, tendo diversos membros extremamente feridos e uma baixa: o Soviete Supremo.

Mas a dinâmica dos acontecimentos após a bomba fica extremamente confusa. Ainda mais com um vilão, que fala que nem um adolescente, sendo o responsável pelo ataque. E pra completar temos que aguentar diálogos chatos enquanto os heróis tomam sermões de outras pessoas.

No final da edição temos a aparição do incrível Batwing, mas acho que nem ele vai conseguir salvar a Liga da Justiça Internacional de um eventual fracasso.


Crítica por: Sid

Comentários

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: