Avançar para o conteúdo principal

Jennifer Blood 01


 
Meu caro leitor: você gosta de filmes de ação com matança e gore desenfreados? Se interessa por Tarantino? Humor negro despreocupado? Caso a resposta seja sim, esta revista é pra você. Caso a resposta seja negativa, sugiro que passe bem longe de Jennifer Blood.

 
Existem muitos filmes e quadrinhos que são ótimos para se perder tempo, entretanto não nos ensinam muita coisa, ou nos acrescentam pouca filosofia a não ser a “mate o que se move e tem cara de mau”. Não há nada de errado nisso, mas prefiro encaixar este tipo de obra em um patamar diferente de outras HQs e filmes que buscam um pouco mais que isso. Estes filmes são denominados por mim com o termo “muito louco, cara”. Jennifer Blood é um ótimo exemplo.

Como primeira edição de uma série, a narrativa tem ótimos pontos. Boa parte da história é contada em voz over pelas memórias escritas no diário da protagonista e mostram com bons detalhes a dualidade da personagem, que precisa casar sua vida como dona de casa com a vida noturna de assassina vingativa, que perdeu seu pai em um complô de seus tios para tomar o poder dos negócios ilícitos de sua família. Evocamos dessa premissa vários outros personagens conhecidos, e vemos em Jennifer Blood a típica desvantagem de todos os super-heróis, que precisam a todo tempo esconder sua identidade secreta atrás de uma persona insossa. Homem-Aranha e Peter Parker, Clark Kent... temos uma infinidade de exemplos.

Durante o primeiro capítulo da série, li as páginas esperando que a revista tivesse um clima muito mais obscuro do que é na verdade. A revista tem diversos momentos de comédia, humor negro e paródia a outros heróis e filmes do nosso inconsciente coletivo. Não é escrachado a ponto de se tornar Lobo, mas em certos momentos da revista, você acaba se perguntando “afinal, mas que diabos são essas cenas?”, como os diversos momentos da HQ em que o vizinho bizarro de Jen a observa no final do turno de matança. É um conflito de seu cotidiano de dona de casa, que talvez indicaria a nós que a vida normal pode ser tão bizarra quanto a vida psicótica de assassinos.
A quantidade de violência e as formas como Jennifer mata os seus inimigos é um ponto forte desta edição, que ao contrário de chocar, faz o leitor rir das mortes singulares produzidas por Jennifer, que precisa voltar cedo e dormir algumas horas antes de preparar o café da manhã do marido.

Todo mundo tem um vizinho inconveniente.
 
O tempo que passei lendo desapareceu de forma imperceptível, provando que a revista exerce muito bem seu efeito de injetor de serotonina no sangue; mas em suas últimas páginas senti que talvez a história tivesse sido comprimida demais para uma única edição. Em Kill Bill, a história teve de ser dividida em duas partes para que Tarantino pudesse executar bem a trajetória de cada inimigo de Black Mamba. Em Jennifer Blood, o roteiro poderia ter trabalhado um pouco mais a vida de cada um de seus tios, que em muitos casos morreram de forma inexpressiva, sem propriamente haver uma apresentação que cativasse o leitor a ponto de gostar de ver os caras maus serem mortos e estripados impiedosamente pelas mãos de Jen.
Em suma, esta primeira edição de Jennifer Blood é uma espécie de Justiceiro com um objetivos mal justificados de saia e decote agressivo. Mas tenho fé em Garth Ennis, roteirista desta edição e da ótima série, Preacher.




Nota: Muito louco, cara!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: