Avançar para o conteúdo principal

Arrow S1E12 [Vertigo]

Uma boa trama e uma boa introdução a um vilão diferente e psicopata. Sem dúvidas, é uma interessantíssima adição à qualquer série, mas será que Arrow está pronto pra um outro trama ou vai ser só mais um "que morre no fim"? Mas antes de ler, cuidado! A review do 12º episódio de Arrow contém spoilers sobre o enredo do episódio, então leia por sua conta e risco.





É, parece que a equipe de produção de Arrow realmente se empolgou com um clima mais tenso e rápido para caracterizar a série como não só uma adaptação de HQ, mas também uma trama envolvente até mesmo para os que nunca abriram um "gibi" na vida. E é logo essa certeza que recebemos no começo do episódio, com Oliver perseguindo informações sobre quem pode estar vendendo e fabricando as drogas que talvez possam jogar Thea na cadeia.

Outra: os flashbacks estão ficando cada vez mais incríveis e "breathtaking" (expressão aqui utilizada como impressionantes) mostrando picos e situações que podem não transformar somente um playboy, mas poderia ter mudado qualquer um. Pouco a pouco, fica claro como que Oliver consegue estar tão poderoso e destemido - o passado dele prova isso.

Oliver vai à mais densa camada da cidade para descobrir quem a está destruindo. Ele vai para o ramo das drogas e aceita o fato de poder manchar seu nome simplesmente por tentar melhorar uma cidade inteira, e isso é impressionante. Além do mais, é incrível ver como a relação dele com Diggle está crescendo e ficando cada vez mais interessante. Ao mesmo tempo, sua irmã pode ir pra cadeia, e leva todos da família Queen a se mobilizarem para tentar arrumar a situação tensa na qual Thea pode se meter.

Pouco depois somos introduzidos a, provavelmente, uma das melhores coisas que aconteceram na série até agora: um vilão que parece ser um vilão de verdade. Não tem como não comparar ele ao Coringa ou ao Espantalho de Batman; é um maníaco que deseja o caos e a loucura a partir de seu tráfico de drogas próprias: ele é o Conde Vertigo. E até onde o vigilante encapuzado pode ir para tentar safar não só sua irmã, mas também sua cidade de uma ameaça que é a maior droga já produzida?

 
Conde Vertigo na série

Após todas as tensões apresentadas no episódio, todo o passado sombrio e desafiador que deixa claro para onde Oliver está indo, entra outro trunfo do episódio: Felicity. Ela entende que Oliver Queen não é só um playboy que voltou dos mortos, e com sua IMPECÁVEL atuação "fora do assunto" e "destemida", ela cria um caráter impressionante e profundo para a série. Ela, junto a Diggle, podem formar um grupo com Oliver no futuro, porque não? E essa síntese de uma mitologia, de um nome, de um herói que torna o décimo segundo episódio de Arrow importante para a série, e ainda mais importante para o mundo das adaptações de quadrinhos: o que importa não é a explosão ou as perseguições forçadas, e sim a criação, a mudança, a transformação e, acima de tudo, o grupo que virá a defender a cidade de quem falhou com ela.

Nota 9.5


Felicity

Oliver Queen é protagonizado por Stephen Amell, a série é dirigida por David Nutter e tem sua exibição no Brasil pelo canal Warner Bros. Toda segunda-feira, às 22 horas. Espero que tenham gostado do episódio assim como eu gostei, e por favor, comentem o que achou da review! É de suma importância para quem as escreve (eu!) saber mais opiniões! Até a próxima e fiquem ligados no Crise.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: