Avançar para o conteúdo principal

Liga da Justiça #06

Liga da Justiça – #06 Mix Panini      (Nota: 7,5)


Liga da Justiça #6:

Após longas páginas de altos e baixos, finalmente chegamos a conclusão desse primeiro arco da Liga da Justiça. E para os que aguentaram a viagem até o fim, ela valeu a pena. A conclusão está incrível!

Geoff Johns volta a fazer o que ele faz de melhor:
uma edição cheia de heroísmo, lutas épicas, força de vontade, coragem e grandes revelações.
Mas a parte mais interessante da edição não fica com a criação da Liga da Justiça, e sim com as revelações dos vilões: como o mistério envolvendo Darkseid e o surgimento de novos seres misteriosos se julgando "supervilões".


Mas essa ainda não é a melhor parte da edição!
Porque logo depois temos uma história envolvendo Pandora e o Vingador Fantasma, sendo que é a primeira vez desde o início dos Novos 52 que mencionam os acontecimento do "Ponto de Ignição".
Terminamos com um diálogo tenso de Pandora que parece ser o primeiro sinal para a vindoura "Trinity War".
Espada no Olho!!!



Capitão Átomo #6:

O Capitão Átomo constantemente é visto como um alienígena, uma aberração, um completo anormal. Mas a abordagem dessa edição me fez pensar se ele não é o mais humano de todas as pessoas dessa revista.

Em uma luta contra a terrível criatura bizarra, Átomo percebe que ela é igual a ele: ela não é nada além de um rato que sofreu a mesma experiência que Nathaniel, mas acabou sendo morto e descartado.

Em uma tentativa desesperada de fazer o rato entender o que ele está fazendo, o Capitão Átomo demonstra se importar com seres que humanos não pensariam duas vezes antes de eliminar.
Mas nem mesmo um semi-deus consegue mudar a natureza destrutiva do animal e ele acaba sendo obrigado a destruí-lo.

Com um final mostrando o Capitão aceitando um pouco mais seu lugar na humanidade, vemos um vislumbre de um futuro completamente destruído, deixando claro que os maiores problemas mal começaram.


Liga da Justiça Internacional #6:

Depois da turminha da Liga da Justiça Internacional ter salvo o planeta daquele Alien Maluco, aqui eles tiram a edição para relaxar e não fazer absolutamente nada.

Sim, como se já não bastasse um primeiro arco pífio, agora temos uma edição cheia de conversa mole e situações dispensáveis.

Como já disse anteriormente, o único personagem que parece um pouco interessante é o General de Ferro.
Todo o resto da revista é só para mostra a Liga da Justiça Internacional sendo formada oficialmente (por pouco tempo).


Crítica por: Sid

Comentários

  1. Eu achei meio bobinho esse final de arco de LJA, ainda mais tendo o Darkseid como vilão. Mas o melhor mesmo fica pela aparição da Pandora e do Vingador Fantasma.
    Capitão Atomo teve uma ótima história, com um final que nos faz querendo ler logo os próximos capítulos (coisa difícil de acontecer com qualquer uma das 3 revistas desse mix).
    LJI com um capitulo só para constar, onde nada acontece, então não merece nem um comentário.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Primeira Edição: a Kryptonita Rosa

Hoje vamos falar da maior fraqueza do Superman: a kriptonita. Aquela rocha saída do núcleo de Krypton, depois que tudo explodiu. A pedra uma certa radiação que faz um mal danado ao escoteiro azul. Com algumas variações, azul, vermelha, branca e dourada, a kryptonita tem uma irmã que nem todo mundo conhece.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.