Avançar para o conteúdo principal

Flash #06

Flash #06 - mix Panini
Nota total: 6,0

O início de um novo arco em Flash e a reapresentação de um de seus maiores vilões, o Capitão Frio; mais pancadaria e menos roteiro em Arqueiro Verde e recordações do passado que voltam  para assolar o grande Exterminador. A ótima capa de Manapul é estragada pela presença de uma propaganda no topo, anunciando o novo seriado do Arqueiro.







Flash #06

Seguindo a derrota da Oclacracia, um novo arco se inicia e um dos mais icônicos vilões do Flash nos é reapresentado, o Capitão Frio volta a cena, só que beeeeem diferente.

Conhecido por sua cara feia e pistolas congelantes e exímio código de conduta 'vilãnesco', Frio nunca matou suas vítimas, sempre foi muito preocupado com o 'bater e correr' e a brincadeira de gato e rato que se seguia, na maioria exponencial das vezes, perdendo o jogo. Depois de um roubo frustrado, um dos primeiros, foi capturado por Barry e desde então, jurou vingança ao Corredor Escarlate. Depois de um tempo fundou a Galeria de Vilões.


KAPOW!
Nessa nova apresentação, Leonard Snart é um novo Capitão. Ao invés das costumeiras armas congelantes, ele agora possui super poderes congelantes e seu ódio pelo Flash não é devido a um assalto frustrado e sim, ao apagão que o mesmo provocou anteriormente e que impossibilita a operação que poderia salvar a irmã de Snart.

Ao que parece, seu código de conduta também mudou, pois jurando que mataria o Flash a qualquer custo e congelando parte do rio que cruza as Cidades Gêmeas e erguendo vários barcos, colocou a vida de vários inocentes em perigo. Nota 8,0


Arqueiro Verde #06

E a edição anterior se repete, só que com uma conclusão. Muitos devem concordar comigo: as revistas do Arqueiro atualmente se resumem a pancadaria, uns diálogos rápidos no meio e mais pancadaria.

Oliver enfrenta mais uma vez Lixo Tóxico e Rosa Sangrenta, só que dessa vez ele ganha e coloca um ponto final nos dois. Ou não.

É mostrado apenas ao leitor que Rosa, ao que parece, é um antigo robô-protótipo de Oliver e que, por algum motivo, quer vingança. Depois de descobrir que ela era um robô e destroça-la de cabo a rabo, o Arqueiro joga a cabeça da robô ao seu amado Lixo e vai em sua direção, provavelmente querendo prendê-lo, só que em meio a auto-destruição, os dois desaparecem e Oliver volta para seu telhado.

Enquanto toma um energético pra conseguir acompanhar a noite, o verdinho é observado por um par de desconhecidos e longe dali, o monstro começa a consertar a Rosa. Nota 4,5


Exterminador #06

Logo no início temos mais informações sobre a relação pai e filho Wilson, que rolava entre as cobranças de Slade e as provações de Grant, e como foi a morte do Devastador. Alguém mais achou que era o Meia Noite da Stormwatch ali?

Voltando ao presente, vemos Exterminador tomando uma sova e dando a volta por cima com o uso da ciência e saindo quase ileso.

E na ultima página nos é mostrado que Grant realmente está vivo e atrás dos atentados à vida de Slade.

Aparentemente temos uma semi-conclusão aqui e já na próxima edição teremos o retorno do Devastador. A arte continua muito boa, tanto traços quanto cores. O que deixa a desejar é o roteiro de Kyle Higgins que nos passa apenas uma peregrinação à procura de respostas. Nota 5,5

Comentários

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

Primeira Edição: a Kryptonita Rosa

Hoje vamos falar da maior fraqueza do Superman: a kriptonita. Aquela rocha saída do núcleo de Krypton, depois que tudo explodiu. A pedra uma certa radiação que faz um mal danado ao escoteiro azul. Com algumas variações, azul, vermelha, branca e dourada, a kryptonita tem uma irmã que nem todo mundo conhece.