Avançar para o conteúdo principal

A Sombra do Batman - #04

A Sombra do Batman - #04 Mix Panini (Nota: 8,0)

Batman & Robin #4:

Existe algo muito curioso sobre o Damian, pois desde que surgiu nas mãos de Grant Morrison o filho do Morcego nunca teve uma real importância, sempre sendo um personagem secundário. Mesmo na tão consagrada revista Batman & Robin pré reboot, onde sua interação com Dick Grayson era sensacional, Damian nunca foi realmente reconhecido pelos leitores.
E então surge Peter J. Tomasi, com a complicada missão de substituir Morrison.
E oque acaba acontecendo nessa nova fase?


Não só Damian ganha seu grande momento e tem sua personalidade realmente aprofundada, mas Bruce se depara com emoções completamente novas. Que mesmo tendo criado três Robins ao longo de sua carreira, ele nunca teve tanto que desempenhar o papel de pai como agora. 

E é essa edição que marca de vez a história do Morcego e seu filho. Não pela intensa discussão e luta com Morgan no começo da revista, mas pela conversa de Bruce com Damian, que eleva a um outro nível o a profundidade do relacionamento entre os dois.

Isso sem falar sobre o final da edição, que mostra Damian de frente ao momento chave de toda sua história.


Batwing #4:

Depois de vermos o primeiro grande arco de Batwing, nessa edição visitamos o passado duro de David.
Mas oque foi feito com perfeição anteriormente não foi exatamente repetido aqui.

Winick acaba criando uma origem superficial demais, caótica demais.
Em vez de se concentrar nos personagens, aqui ele conta uma história sem se preocupar com a profundidade dos envolvidos.
Ele não explora nada a relação entre David e seu irmão, e mostra muito pouco das coisas que eles passaram para conseguir impressionar.

Mas os desenhos de Ben Oliver conseguiriam superar os problemas dessa edição, mas em vez disso temos Chriss Cross na arte nesse número. Que substitui o belo realismo de Oliver por traços simples e exagerados.

E com essa redução de qualidade de roteiro e traço a edição se apaga na sombra das anteriores, mas ainda está longe de desmerecer o empolgante título do Batwing.


Batgirl #4:

Ainda existe esperança para a Batgirl?
A conclusão desse arco desastroso mostra que sim.

Finalmente vemos algo mais profundo sobre oque tem passado na cabeça de Bárbara, e ainda por cima ela arrebenta alguns bandidos no melhor estilo de uma boa HQ do Batman.

Depois de várias edições sendo ridicularizada pelo vilão Espelho, aqui ela finalmente consegue reagir e derrotá-lo.
Mas devo dizer que a motivação do Espelho é tão ridícula que um herói nem merecia tanto mérito por vencê-lo.
Mas vamos dar um desconto pra Batgirl dessa vez. 



Mulher-Gato #4:

Winick não devia estar se sentindo muito bem nesse mês. Sendo que depois dos problemas com Batwing, aqui, com a Mulher-Gato, ele desce a ladeira de vez.

A edição é tão superficial e genérica que chega a ser um desafio falar qualquer coisa (boa ou ruim) sobre ela. Mas vamos tentar.
Primeiramente Selina tem uma cena ridícula de fuga dos policiais que consegue ser forçada demais até para uma HQ.
Em seguida surgem dois novos personagens, uma antiga amiga da Selina e um Detetive, que são tão sem graça que nem merecem ser citados mais do que isso.
Pelo menos no final temos uma divertida cena de luta entre a Mulher-Gato e uma nova vilã chamada Alcance (que me lembro de certa forma o herói do jogo Infamous).
 


Capuz Vermelho & Os Foragidos #4:

Essa é sem dúvida uma das Comics dos Novos 52 mais divertida e prazerosa de se ler.
O roteiro é extremamente fluído, todos os três personagens dos Foragidos são absurdamente cativantes e a arte consegue captar todo o clima da revista com perfeição.
Não é a toa que essa equipe criativa irá tomar conta do Superman no futuro.

Mas vamos a história de nossos anti-heróis:
Estelar se depara com um humano geneticamente modificado que odeia aliens (especialmente ela).
Jason e Roy, depois de um briga de bar hilária, encontram uma Inominável, raça que Jason acredita ser culpada pelo massacre da Casta.


Asa Noturna #4:

E a estrela dessa edição é: Batgirl!
Sim, e existe o fato bizarro de que essa edição consegue ser melhor do que qualquer outra que tenha saído no próprio título dela.

Nesse número a trama sobre o circo e o passado de Dick tem uma pausa para vermos um pouco de sua interação com a pessoa mais importante de sua vida: Bárbara.
Mostrando que mesmo com a situação atual, eles ainda são sem sombra de dúvidas o melhor casal da DC.

Os traços de Trevor McCarthy ficam perfeitos nessa edição, transmitindo energia e dinâmica na medida exata que nossos heróis merecem.


Batwoman #3:

Essa não é uma revista nada normal.
Ela não é feita para grandes fãs de ação nem de histórias clássicas de heróis.
Eu ainda diria que essa HQ tem um pé na linha editorial da Vertigo.

O fato é que essa é provavelmente a história mais realista e profunda dos Novos 52, onde a heroína se encontra em um estado de desespero e sua vida parece querer desabar sobre sua cabeça. Ao ponto que em um ataque de stress e medo ela acaba expulsando sua prima e parceira de suas asas.
Nos momentos finais da revista vemos Kate desabando emocionalmente e se entregando aos braços da detetive Sawyer.

J.H. Williams III não é somente o melhor desenhista da atualidade, mas também um escritor excelente que consegue fazer uma das HQ's mais bem escritas da DC Comics.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: