Avançar para o conteúdo principal

Batman - #03


Batman - #03 Mix Panini  (Nota: 7,0)

Batman #3:

É bem difícil a chamada na capa da revista realmente fazer sentido para o conteúdo dentro dela, porém nessa edição é impossível imaginar uma frase tão perfeita como: A Corte Ataca!
Se nas edições anteriores é trabalhado o conceito de um Batman sob a ameaça de um novo inimigo, agora a Corte das Corujas se torna espantosamente real.

Nesse número, Snyder faz um capítulo cheio de investigação e diálogos, ainda com uma pitada prazerosa de ação (quem é que não gosta de ver o Batman batendo em uns bandidos?).
E é nesse clima de grandes conversações e exploração que vemos a ameaça da Corte se tornando cada vez mais eminente.


Mas o grande trunfo não é somente trazer essa organização à tona, mas sim entrelaçar ela com o passado de Gotham.
Durante sua investigação, Batman descobre que a Corte está escondida por toda a cidade em prédios construídos por sua família, sendo a culpada pela paranoia e suicídio do antepassado de Bruce, Alan Wayne.

E com esse clima denso de insegurança que é desenvolvido por toda a edição, terminamos com Bruce tendo uma grande revelação: A Corte não somente esteve sob Gotham durante todos esses anos, mas também esteve sob os pés do Batman durante todo esse tempo.


Depois de todo o nervosismo que essa edição nos trás, resta aguardarmos pelo próximo número com muita ansiedade pra ver qual vai ser o rumo que esse fantástico arco vai tomar.
Pois está sendo uma experiência extremamente prazerosa e interessante acompanhar cada passo do Bruce nesse enorme e assustador mistério.


Detective Comics #3:

Deixar essa revista ao lado do Batman do Snyder nos trás dois fatos interessantes:
Primeiramente a grande diferença de clima entre as revistas, que mesmo a Batman tendo grandes mistérios e investigações, é a Detective Comics (quando bem trabalhada) que tem essa aura de mistério fortíssima.
Em seguida temos a inevitável comparação de roteiro, e sem querer desmerecer Tony S. Daniel, mas chega a ser sacanagem comparar ele com o Scott Snyder.

Enquanto na Batman temos uma recriação da mitologia do Morcego com um dos inimigos mais empolgantes que surgiu na DC nos últimos anos, aqui temos o novo vilão Criador de Bonecas, que mesmo sendo interessante e bizarro, ele não consegue ser tão envolvente quanto a Corte das Corujas é.
Mas aqui Tony Daniel trabalha bem com diversos focos de história:
Como a investigação do Batman, o rapto do Comissário Gordon e o mistério da Olívia.
Mas mesmo com esses elementos o roteiro se torna clichê em alguns momentos, e depois de fazer as duas primeiras edições com finais chocantes, esse final de edição fica inevitavelmente óbvio e sem graça.

A revista continua sendo extremamente sólida com a sua proposta e é uma boa leitura para fãs do Batman, só que realmente (principalmente nessa terceira edição do mix) fica notável a grande diferença entre um arco que vai entrar para a história do Homem-Morcego, e este, que apesar de muito bom, não trás nada realmente inovador.


Batman: The Dark Knight #3:

Para vocês que tem acompanhado a minha jornada cheia de dor, sofrimento e lástima lendo essa revista eu nem deveria ter de dizer alguma palavra sobre essa revista, pois eu já acho que ela recebeu mais atenção do que ela merece.
Mas como dizem: “É um trabalho sujo, mas alguém tem de fazê-lo.”
Então sejam bem vindos para mais um review de uma das piores revistas da história dos quadrinhos.

Mas vou começar com uma coisa boa, sim, essa revista tem uma coisa boa!
O Coringa bolado da última edição não era ninguém menos que o vilão Cara-de-Barro, mostrando que nosso querido Finch ainda consegue prestar a mínima atenção nas outras revistas do Batman para perceber que o Coringa está desaparecido e sem rosto.
Ponto pra ele!

Agora a aparição do Flash nessa revista é tão desnecessária e forçada, sendo que a única coisa que Finch faz é deixar o Velocista Escarlate com cara de retardado enquanto tem que sair correndo porque ele espetou um dedo (sim, leiam e vejam da idiotice que eu estou falando).

E parece que realmente querem subestimar a inteligência do leitor nessa revista...alguém acha mesmo que a gostosona que o Bruce foi jantar não é a Coelho Branco?
E meu deus do céu, a frase que ela diz pro Bruce durante o jantar chega a ser nauseante de tão horrível:
“Bom, Deus abençoe as pequenas vitórias e as calcinhas cavadas...”
É sério isso, Finch?

A intenção dessa revista era claramente criar uma HQ do Batman lotada de ação e diversão pra ser um grande blockbuster de vendas, mas o único resultado que alcançaram foi esse lixo enorme essa coisa.


Conclusão:
Este é sem dúvida o mix mais extremo dos Novos 52, pois temos duas HQ’s que vão marcar história na mitologia do Batman: Uma no melhor sentido possível e outra no pior.
E no meio do paraíso e do inferno ainda continuamos tendo boas histórias do Morcego na Detective Comics.
E apesar de tudo, essa continua sendo a revista que espero com mais ansiedade para ler o próximo número.

NÃO COMPREM ISSO!

E sobre esse encadernado do Batman: The Dark Knight escrito antes do reboot pelo nosso excelente David Finch, esqueçam!
Se quiserem ler isso, façam por conta própia, mas não digam que não foram avisados...

Crítica por: Sid

Comentários

  1. Detective Comics mantém o mesmo nível da edição anterior, não é uma novo clássico do Homem-Morcego, mas é bem divertida. E eu dou uma colher de chá pelo final "morno", afinal criar 3 finais de tirar o folego seguidos não deve ser muito fácil.

    Em relação ao titulo principal do Batman nada precisa ser dito, tanto a historia quanto os desenhos estão absurdamente épicos.

    E a revista, cujo eu me recuso a dizer o sujo nome,continua uma bosta. Os desenhos melhoraram um pouco, mas cada cena me dah vontade de chorar, a aparição inútil do Flash,a vilã com profundidade de uma caixa de papelão (parece que o autor acha que basta ela ser gostosa que vamos ficar idolatrando ela) e aquela cena em que o Batman bota medo no policial genérico é de chorar.

    Felizmente as outras duas historias fazem a revista valer (muito) a pena

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Você está tendo exatamente o MESMO sentimento pela revista que eu tenho! hahahahaha

      Sim, Detective Comics é bem legal, mas nada além disso também.

      Batman é uma das melhores coisas que eu já li na revista dele.

      E eu nem mencionei a cena do policial na revista inominável porque já achei que tinha xingado demais a edição XD

      Eliminar
  2. Só Batman já vale a compra do mix, e as capas do capullo são fodas.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.

Supergirl, Lanterna Vermelha

Não é de hoje que a Supergirl tem alguns problemas em controlar sua raiva e alguns sentimentos mais fortes e, de acordo com o novo escritor de Supergirl, Tony Bedard diz que Kara vai evoluir de uma adolescente cheia de raiva para uma adulta, defensora da Terra. Mas primeiro, ela tem que se livrar dessa fúria da juventude! Cuidado com os spoilers: