Avançar para o conteúdo principal

Batman - #02

Batman - #02 Mix Panini                                          (Nota: 8,0)


Batman  #2:

Sabe quando algo é tão bom que é difícil encontrar palavras pra descrever?
É o meu caso com essa revista.
Scott Snyder faz um trabalho primoroso, conseguindo equilibrar aspectos psicológicos do Bruce Wayne, aspectos do Batman com os seus aliados e explorar a história de Gotham City.
Tudo na mesma revista e de uma maneira inteligente e completamente envolvente.



A edição trabalha um conceito de que a segurança que o Batman sente por estar em controle de Gotham também é uma de suas fraquezas.
Como na cena onde é mostrada a Torre Wayne e é passada para o leitor uma impressão de absoluta segurança, e na cena seguinte Bruce sendo arremessado pela janela da mesma torre.
Mas o grande argumento para essa questão é o fato do Batman negar a existência da Corte das Corujas, uma organização de inimigos que claramente existe e o está atacando, e mesmo nessa situação o herói continua em negação.

Batman Fodão
A arte continua sendo perfeita em vários aspectos para a revista, com uma coloração incrível, e provando que o estilo cartoon consegue sim mostrar cenas de ação de uma maneira maravilhosa. Como na cena onde Batman persegue um helicóptero dirigindo uma moto, e ainda por cima bate de frente com o vidro do helicóptero, em uma das cenas mais (fodas) legais da carreira do Homem Morcego.

O grande fator que determina o fato de essa revista ser tão interessante é a construção da trama. Snyder não cria somente um vilão para o herói, mas sim toda uma organização cheia de mistérios que está completamente intrincada com a história de Gotham.

A maneira que a revista mistura a autoconfiança do herói com o despreparo em frente a um inimigo tão poderoso torna ela a edição mais incrível do reboot  (até agora).
Snyder estará no rumo de uma das melhores fases do Cavaleiro das Trevas de todos os tempos?
Até agora ele está no caminho certo.


Detective Comics #2:

Essa revista está me surpreendendo, Tony S. Daniel está mostrando realmente que o seu nível de roteiro e de desenho aumentou, e muito!

Ele continua com uma segunda edição tensa e cheia de suspense, isso com um clima noir  explorando o lado misterioso das histórias do Batman.
No começo da edição é mostrada um pouco da personalidade do Bruce Wayne, em como ele lida com as questões das Indústrias Wayne, com seu lado filantropo e também o seu lado de conquistador de mulheres.
Coisas que não são nenhuma novidade para os que conhecem o herói, mas é sempre bom ver uma representação fiel dos ideais e habilidades que representam o personagem.

Um ponto forte da revista é colocar como personagem secundário ao lado do Batman o Comissário Gordon, fornecendo todo o clima complicado da polícia de Gotham. Mostrando os problemas de uma força policial em uma das cidades mais perigosas do mundo, onde homens comuns tem que se deparar com crimes doentios e psicopatas todos os dias.

O mistério do final da primeira edição da Detective Comics, onde o Coringa teve se rosto arrancado, continua sendo desenvolvido. Mas em vez de se concentrar no vilão clássico, essa revista apresenta um novo vilão perturbador e seu bando bizarro e aterrorizante,  o Criador de Bonecas.
Um vilão aparentemente buscando um maior reconhecimento, que vê no Batman uma chance para se erguer como um vilão maior de Gotham City.

Mais uma vez temos um final assombroso que nos deixa muito ansiosos por uma próxima edição.
Trabalhando com esses elementos mais sombrios de Gotham, Tony Daniel cria um roteiro violento, misterioso que tem todo um ar de história clássica do Batman.

É definitivamente um grande título, que está criando uma base sólida para o reboot da revista mais clássica da DC Comics.


Batman: The Dark Knight #2:

Essa é definitivamente a pior HQ do Batman que eu já li, e uma das piores HQ’s que eu já vi na minha vida. Ler ela é um trabalho doloroso... Mas pelo menos escrever uma crítica dela consegue ser um pouco engraçado.
Afinal não é fácil pensar em tantas maneiras diferentes de falar mal de uma única revista.

Logo no começo vemos a versão monstruosamente bolada do Duas-Caras (agora ele quer que chame ele de Uma-Cara, não é? Bem, azar dele) sentando a porrada no Batman, que provavelmente seria morto se o vilão não caísse desmaiando no chão convenientemente.

Depois vemos a interação do Batman com Gordon, que consegue ser a mais sem graça do mix.
Completando (e piorando), vemos uma descaracterização medonha em uma conversa do Batman com o Alfred, onde temos piadinhas sobre o mordomo ter que ver pornografia na internet para procurar a nova (e absurda) vilã do herói.

Não basta fazer uma história tenebrosa do Batman, ele tem que estragar todo o Bat-Universo.
Com cenas abordando vários outros grupos de aliados do herói também enfrentando versões “monstros” de vilões.
O maior pensamento que tive vendo essas cenas foi: “Não toque nos meus heróis favoritos com suas mãos sujas, Sr. Finch!”

Enquanto a primeira edição se limitava a ser horrível, essa ainda quer abordar mais do universo do Batman com esse roteiro odioso.
Pois é...

No final vemos novamente a Coelho Branco, fugindo do Batman com uma habilidade inexplicável, que termina com o herói encontrando ela abraçada com uma versão “Hulk” do Coringa...
Prefiro nem comentar sobre essa cena pra não ofender nenhum leitor.

Resumindo, essa revista não merecia um review tão completo, mas somente duas palavras:
PURO LIXO.




Conclusão:
A idéia de conclusão dessa segunda edição é praticamente idêntica a da primeira.
Uma revista maravilhosamente épica, uma revista excelente e uma revista que nem merecia existir dentro do mix.

É revoltante que algo tão bom como o Batman tenha uma história tão ruim.
O meu único consolo é que em breve o Judd Winick entra para a equipe, e quem sabe o nível da revista consiga voltar a ser algo que o Homem-Morcego mereça de fato.

Apesar desse enorme (e bolado) problema na revista, ela continua valendo muito a pena.
Pois nem todo o desastre da “Dark Knight” consegue apagar o brilho das histórias incríveis que essa revista nos oferece.

Agora eu vou ir lá no IMAX assistir Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge!
Beijo pra vocês!


Crítica por: Sid

Comentários

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Primeira Edição: a Kryptonita Rosa

Hoje vamos falar da maior fraqueza do Superman: a kriptonita. Aquela rocha saída do núcleo de Krypton, depois que tudo explodiu. A pedra uma certa radiação que faz um mal danado ao escoteiro azul. Com algumas variações, azul, vermelha, branca e dourada, a kryptonita tem uma irmã que nem todo mundo conhece.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.