Avançar para o conteúdo principal

Lanterna Verde - #01


Lanterna Verde – #01 Mix Panini       (Nota: 8,0)                          

Lanterna Verde #1:

Lanterna Verde se tornou um dos heróis mais populares da DC nesses últimos anos, sendo o líder de vendas da DC por bastante tempo. O escritor Geoff Johns criou uma mitologia e um universo tão incrível que não ousaram reiniciar a franquia. Agradeço por isso!

Mas ao mesmo tempo que os velhos fãs ficarão satisfeitíssimos,  os novos podem ficar bastante perdidos, afinal a história começa exatamente do ponto que acabou no pré-reboot.
É uma nova fase, facilitando o envolvimento para com os personagens, todavia, muitos conceitos (como o das diversas tropas de lanternas que existem) ficam sem explicação, tornando necessária a pesquisa do leitor. Ou alguns podem simplesmente ignorar e ir entendendo com o tempo esses conceitos.
Nessa primeira edição temos o Hal Jordan, que foi expulso da tropa no último arco, tentando se adaptar sem sucesso a uma vida mundana sem poderes. Enquanto isso o maior vilão dos lanternas, Sinestro, voltou a ser um Lanterna Verde. 

É incrível que depois de anos amadurecendo Hal, era de se esperar que ele tivesse uma atitude mais adulta, em um dos momentos mais difíceis de sua vida. 
Apesar disto, ele ainda consegue ser uma pessoa imatura. Dando a noção sua maturidade está diretamente relacionada com o fato dele ser um Lanterna Verde.

Hal, se vendo afastado dos amigos e da tropa, sente uma grande confusão na vida normal, tendo que se preocupar com aluguel e carros. Mas apesar disso ele continua demontrando sua personalidade heróica ao tentar salvar uma garota (mesmo que seja só uma cena de filme).


Já Sinestro mostra sua enorme insatisfação por ter voltado a ser um lanterna e deixa os leitores bastante curiosos para ver como ele vai lidar com sua antiga tropa de Lanternas Amarelos.
A personalidade cruel e calculista do vilão continua intocada, mantendo ele como um dos melhores vilões da DC

Geoff Johns está em casa nessa revista, sendo o motivo do sucesso do Lanterna Verde ele sempre mantém a revista num nível excelente. E apesar da série não ter um reboot ele se esforça para deixar a revista o mais acessível possível para o novo leitor.

Gosto muito do traço do Doug Mahnke, que consegue manter o estilo próprio (com traços um pouco sujos) em uma das revistas mais populares da DC.
E a mudança de tom e traço das cenas do Hal para as cenas do Sinestro deixam a revista mais rica ainda.

Apesar de que nesse começo do arco de histórias não aconteça nada emocionante, a rivalidade entre o Hal e Sinestro prometem ótimas histórias para as próximas edições.



Tropa Dos Lanternas Verdes #1:

Enquanto a revista principal fica com o foco
no Hal, esta fica com Guy Gardner e John Stewart, dois dos quatro lanternas da Terra.
Nessa revista também temos mais contato com a tropa e podemos conhecer vários dos Lanternas Verdes alienígenas, que são mais legais que muitos heróis já conhecidos.

Peter J. Tomasi é outro escritor veterano
de Lanternas Verdes, sendo parceiro do Geoff Jonhs por um bom tempo.  Ambos compõem o complemento perfeito para as revistas dos lanternas.

Fernando Pasarin parece que foi destinado a desenhar essa revista, com um estilo perfeito para histórias no espaço, conseguindo desenhar diversos tipos de aliens sem ser repetitivo.

A história segue um ser desconhecido que assassina lanternas. Em uma cena linda, vemos ele literalmente fatiando os guardiões esmeralda do setor. Ainda, o mesmo ser extermina a vida de um planeta só para chamar a atenção da tropa. Enquanto isso vemos Guy e John tentando conseguir empregos normais na terra sem nenhum sucesso devido ao fato deles serem heróis sem identidade secreta.

A personalidade séria e responsável do John, e a fanfarrona e descarada do Guy são mostradas durante sua busca por trabalho. E o argumento das empresas para recusar os dois heróis é pelo fato deles serem alvos constantes de ameaças.


Ao voltar para Oa depois de não ter sucesso em suas respectivas jornadas profissionais, os dois lanternas demonstram sua liderança se voluntariando para liderar um esquadrão de soldados esmeraldas em uma missão. Mostrando que mesmo sem Hal Jordan, são os lanternas da terra que tem o favoritismo da tropa.


A revista introduz muito bem os dois heróis principais, cativando o leitor logo na primeira edição. Além de ter um final com muita tensão, aumentando a expectativa para a próxima edição.



 
Lanterna Verde - Os Novos Guardiões #1:

Por fim, mas não em importância, Kyle Rayner é o último herói esmeralda da terra a ser abordado.
Assumindo o posto de lanterna em uma época onde ele foi o único do universo com um anel por um bom tempo, ele conquistou muitos fãs e muitos críticos. Com a volta do Hal Jordan e dos outros lanternas ele deixou de ser estrela de sua própia revista, dividindo seu espaço com outros heróis.
E agora pelos bons velhos tempos, Kyle volta a ter sua revista, e sua equipe.

Tony Benard e Tyler Kirkham tem uma combinação perfeita de dinâmica, criando uma história divertida, com várias emoções e textos empolgantes com traços detalhados e precisos.
O escritor já é assumidamente um grande fã do Kyle, fazendo assim com que o personagem seja melhor explorado.

A história começa com um flashback da origem do herói se tornando Lanterna Verde. Depois temos cenas em diversas partes do universo de lanternas de diferentes tropas perdendo seus anéis. Terminando com Kyle na terra já entrando em um conflito de diversos lanternas.

Também vemos a velha questão do Hal VS Kyle, dessa vez na voz de uma criança questionando o herói por ele ter um uniforme diferente (e mais feio, na opinião dela) do resto da tropa.


A trama é muito instigante pelo fato de os anéis de todas as tropas escolherem o Kyle como portador. Deixando muitas respostas para as próximas edições (e muitos lanternas).


A história provavelmente é a mais
intimidante das três do mix para novos leitores pela introdução de diversas tropas e da história um pouco enrolada do herói. Mas em meio a todos esses conceitos desconhecidos, a figura do Kyle se torna alvo de fácil identificação com o leitor.

É uma ótima experiência tanto para novos quanto para antigos leitores. Além de ter um conceito empolgante de um grupo de lanternas de diversas tropas. É a edição que mais anima de todo o mix.


Conclusão:


Essa revista do Lanterna Verde não tem introduções tão
direcionadas como a de outras edições, ela usa mais o conceito de novas sagas para facilitar a introdução a esse universo.
Todos os Lanternas são apresentados muito bem, com exceção ao Hal que está sem o anel no momento atual.
E assim como era antes do reboot, ela continua sendo a melhor revista da DC Panini, tendo o mix mais estável e de melhor qualidade.
Apesar dessa ser uma boa revista para se começar a ler Lanterna Verde, irei colocar aqui uma lista de séries e especiais caso queiram conhecer melhor o herói:
- Lanterna Verde: Renascimento
- Lanterna Verde: Origem Secreta
- Lanterna Verde: Sem Medo
- Lanterna Verde edição 1 a 4 – Guerra dos Anéis
- A Noite Mais Densa


Crítica por: Sid

Comentários

Mensagens populares deste blogue

ESPECIAL: Constantine - Ordem de leitura!

Com tanta série vindo por aí, querer conhecer um pouco mais do que está chegando pode parecer uma boa ideia. Saiba o que ler para ter um conhecimento sobre o  mago inglês mais famoso da DC Comics e estar preparado para o que pode vir a ter na série.

Primeira Edição: a Kryptonita Rosa

Hoje vamos falar da maior fraqueza do Superman: a kriptonita. Aquela rocha saída do núcleo de Krypton, depois que tudo explodiu. A pedra uma certa radiação que faz um mal danado ao escoteiro azul. Com algumas variações, azul, vermelha, branca e dourada, a kryptonita tem uma irmã que nem todo mundo conhece.

Invasão - Por onde começar a ler X-Men

O grupo mutante X-Men é um dos maiores títulos da Marvel e sempre compete pela liderança de maior número de edições vendidas da editora e isso é um reflexo da qualidade de seus personagens e histórias.